Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

25
Ago 17

logo debaixo dos arcos.jpg

 As polémicas da semana em destaque na próxima edição de domingo do Diário de Aveiro.

  • a presença de Estado nas cerimónias em Barcelona;

video-marcelo-e-costa-tomam-cafe-e1503316451500.jp

  • a "intimidade" governativa;

graca-fonseca-01.jpg

  • "é pró menino e prá menina";

blocos de actividades.jpg

  • a massificação da notícia/informação.

barcelona 2017.jpg

publicado por mparaujo às 11:04

19
Mai 14

http://cdn.observador.pt/wp-content/themes/observador/assets/build/img/logo.png

A Comunicação Social tem um novo espaço de informação: O Observador.
A informação sem hora marcada e a qualquer hora. Só porque a notícia acontece.
Parabéns ao Jose Manuel Fernandes e ao David Dinis. Boa sorte para toda a equipa.

Espera-se mais informação e melhor informação.

Tudo sobre a origem do Observador.

publicado por mparaujo às 09:42

12
Mar 14
Televisões recusam cobrir campanha e fazer debates

Já tinha acontecido nas útlimas eleições autárquicas, em setembro de 2013.

Volta a ser tema polémico e controverso.
Maioria e PS preparam-se para alterar a legislação que regula a cobertura jornalística das campanhas eleitorais. Isto a apenas dois meses de distância do próximo acto eleitoral: eleições europeias.

Em causa estão eventuais princípios constitucionais de equidade em confronto com a liberdade de informação e a independência editorial, embora com algumas diferenças de aplicação entre a proposta do PSD-CDS e a do PS, nomeadamente no que diz respeito a distinções entre períodos de pré-campanha e campanha leitorais.

De qualquer forma, as três direcções de informação - RTP, SIC e TVI já vieram denunciar a eventual alteração à lei e a sua não exequibilidade ou a sua inviabilidade operacional e jornalística. Isto expresso num comunicado conjunto que levará a procedimentos jornalísitcos idênticos aos das eleições autárquicas de 2013.

publicado por mparaujo às 16:34

28
Dez 13

Paulo Ferreira apresentou ontem a sua demissão do cargo de Director de Informação da RTP.

"A minha saída destas funções resulta de uma decisão pessoal, sustentada na leitura que faço sobre o que melhor defende os interesses gerais da RTP e, em particular, os da fundamental área da informação". (excerto da carta de demissão, via TSF)

Conheci o Paulo Ferreira, há cerca de 4 anos, num almoço/convívio do twitter, em Fermentelos, para além de acompanhar, com merecida atenção, todo o seu trabalho profissional.

A decisão pessoal, seja quais forem as razões, está por si tomada. Aliás, algo já "anunciado" em Outubro deste ano.

Pessoalmente, lamento a perda e a opção, porque, ao contrário do que Paulo Ferreira invoca, acho que a RTP ficou a perder (e muito). É lamentável e condenável, sublinhando o que afirma o ex-director de informação da estação pública, que a RTP não consiga segurar (ou premiar) os seus melhores profissionais.

Com todo o respeito, consideração e admiração, votos dos maiores sucessos, daqui para a frente, nos novos projectos.

créditos da foto: daniel rocha - público (caderno: autárquicas2013)

publicado por mparaujo às 14:37

29
Out 13

Esta terça-feira de (quase) final de mês tem sido proficua em notícias. Umas mais surreais que outras, mas, quando "disparadas" pelos Órgãos de Comunicação Social ou pelas redes sociais, em conjunto, espelham o "estado d'alma" deste país, completamente virado do avesso.

1. "Passos Coelho desafia oposição a apresentar orçamento alternativo". Como se a responsabilidade da governação não lhe coubesse. Se é para a oposição apresentar um Orçamento do Estado para 2014, mais vale trocarem de papéis. Sai do Governo e passa para a Oposição.

2. "Cavaco afasta cenário de eleições antecipadas". Pode o Governo fazer asneiras à vontade que está safo. Por outro lado, o Tribunal Constitucional já pode "trabalhar" à vontade.

3. "Governo quer limite de dois cães ou quatro gatos por apartamento". O Governo gere um país como se gere um condomínio qualquer. Pior... não há nada mais importante para resolver neste país. A Ministra Cristas ou "reza" para que chova ou transforma o seu ministério no "fungagá da bicharada".

4. "Problemas com Angola são "pequenas coisas" que se resolvem com "tempo e vontade", diz Machete". Com tempo, vontade... e muitos pedidos de desculpa e subserviência.

5. "Sporting acusa FC Porto de tratamento indigno no estádio do Dragão". Embora portista, concordo plenamente. Aliás, impõe-se uma correcção: não foi 'tratamento indigno'. Foram três "indignações".

6. "Hollande é o presidente francês menos popular dos últimos 30 anos". À atenção de António José Seguro.

7. "Bernardino Soares chega a acordo com coligação que inclui PSD". As voltas que Álvaro Cunhal não deve estar a dar...

8. «Passos Coelho contraria PSD e CDS e garante que orçamento "não tem folgas"». Governo a uma só voz... acabaram com os briefings e dá nisto.

(com possibilidade de actualização permanente)

publicado por mparaujo às 16:07

14
Out 12
Acabado de ver o novo formato do Telejornal da RTP 1 (já que ontem não pude prestar a devida atenção e vi muito pouco) com a apresentação da Cristina Esteves e a coordenação da Rita Marrafa de Carvalho. Muito Bom... com olhares novos sobre o "mundo". Nota 18.


A cereja em cima do bolo surge com o "Termómetro Político" conduzido pelo Carlos Daniel. Dou também um 18... 6 ao Carlos, 12 (6+6) a dois excelentes directores (do melhor que temos, neste momento, no jornalismo) e comentadores: João Marcelino (DN) e Pedro Santos Guerreiro (Jornal de Negócios).


Pois... eu sei. Só dá 18, faltam mais 2 para os 20 valores. Nem tudo pode ser perfeito. É a vida :))

publicado por mparaujo às 21:40

22
Set 12

A TVI é capaz de extremos no que respeita a programação. Basta ter como péssimo exemplo o degredo da Casa dos Segredos.

No entanto, talvez seja esta disparidade de qualidade de programação que torna a estação de Queluz a mais vista dos canais nacionais.

Apesar destes "senãos" há na TVI momentos (cada vez mais, importa realçar) que nos vão fazem prender a atenção e "colar-nos" ao pequeno ecrã.

É o caso da estreia, hoje, na programação da TVI24 de um dos melhores programas de informação/debate de toda a rádio nacional.

O programa da TSF - "Governo Sombra" chega à televisão.

Hoje, Sábado, pelas 23.00 horas, "Governo Sombra", TVI24... a não perder. Nunca!

(créditos da foto: © Mário Ribeiro/Notícias TV - via DN online)
publicado por mparaujo às 14:15

04
Mar 12
É notório que a Comunicação Social vive um momento crítico: renovações de projectos e conteúdos mais mediáticos e mais perto das "necessidades" das audiências; redução de custos; adaptação às novas realidades da informação.
Infelizmente, há o caso mais recente do Diário das Beiras (em Coimbra), mas também na TSF, Público, SIC, entre outros, que se vêm na contingência de reduzir recursos humanos.
Mas há também, por diversas e distintas razões, alguns órgãos de comunicação social onde a estratégia adoptada passa pela renovação de conteúdos e imagem. Já aqui foi feita a referência ao JN (JN de Cara Lavada) e ao Diário de Aveiro (Diário de Aveiro regenerado), e espera-se a novidade da "nova imagem" do jornal Público que amanhã surgirá nas bancas assinalando os 22 anos de actividade informativa.

Mas infelizmente, nem tudo são boas notícias...

Claramente mais preocupada com as audiências e a concorrência (informação em "A RTP tem razão" de Estrela Serrano) do que com a qualidade, a diferença e o verdadeiro serviço público, existe a eventualidade da direcção de programação poder terminar com o programa da RTP2 "Sociedade Civil".
Para além de terminar com um programa que é referência no segundo canal da televisão pública (?) - e que ainda há bem pouco tempo, no dia 18 de Fevereiro, comemorou a milésima emissão (programa 1000) , para além de inúmeros prémios conquistados - há um claro sentimento de desilusão e de decepção por parte dos cerca de 120 parceiros do programa. Todos!!
O que leva a questionar como é que se pode terminar com um programa que é uma evidente mais valia para a estação e para os espectadores.

Mas para além disso tudo, há obviamente um criticável desperdício de um recurso humano de uma qualidade profissional e humana indiscutível: Fernanda Freitas.
Desde o seu regresso a 16 de Setembro de 2007 à apresentação e coordenação do "Sociedade Civil", a que acresce a sua admirável "mais-valia" pessoal com as experiências que tem ao nível do voluntariado, do exercício de cidadania e da participação cívica, é notório que o programa se transformou numa referência na programação televisiva nacional.

Numa palavra: RTP - Condenável!
publicado por mparaujo às 21:40

pesquisar neste blog
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

27 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

13
16

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Visitas aos Arcos
Siga-me
links