Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

10
Ago 16

Preâmbulo/Adenda ao artigo (actualização)
Qualquer situação que extravase a realidade e cause pânico, perdas pessoais ou públicas, vítimas, merece o respeito e o lamento público e colectivo. Um incêndio é e será sempre um incêndio. Uma casa atingida, um bem patrimonial, o ganha pão de qualquer família que fique em risco ou destruído merece a nossa atenção. Arouca, Aveiro (Águeda e Sever do Vouga), zona do Porto, norte do país (Arcos de Valdevez/Gerês), Viana do Castelo, são disso espelho. Mas há dimensões e impactos que assustam, que inquietam, que preocupam, seja por razões pessoais, por afinidades ou simplesmente por solidariedade: a Madeira (Funchal) merece todo o meu respeito, solidariedade, pelo cenário dantesco que se vive naquela ilha. Mais ainda, conhecido que é o facto de tudo apontar para uma acção premeditada e criminosa. Seis anos após a tragédia das enxurradas na ilha... ABRAÇO SOLIDÁRIO À MADEIRA.

d1daa490dad97c8ad03a2defad309c72ebe33bb1.jpg

publicado na edição de hoje, 10 de agosto, do Diário de Aveiro.

Debaixo dos Arcos
É fogo que arde e se vê

Aveiro, na segunda-feira acordou com cinza espalhada, um cheiro a queimado e um ar abafado, um céu sem sol e em tom acastanhado. Uma cidade que é conhecida pela sua característica ventosa e por ser, em pleno verão, uma das cidades mais “frescas” do país, acordava (8:30 horas) nesse dia com uns significativos 30º de temperatura. As razões eram conhecidas e revisitadas na memória colectiva: desde o fim-de-semana, de forma mais acentuada e expressiva, a zona de Aveiro e a Região (Arouca, Estarreja e Águeda, como exemplos) era fustigada por incêndios de dimensão e extensão relevantes (só em Águeda e Estarreja perto de 1000 incansáveis bombeiros combatem, com inquestionável e louvável empenho, as chamas).

O mês de Julho, apesar de registar mais ocorrências que no mesmo período de 2015, registava simultaneamente menos área ardida (um número que pode reflectir o excessivo valor registado em 2015) e também eventos de menor dimensão e expressão. Daí não ser de estranhar a baixa expressão de referências na comunicação social ou a ausência do tema do debate e confronto político, algo que é, por norma e neste período do ano, um expediente recorrentemente usado para atacar o Governo. Corria, pelos factos e pelos dados, tudo bem ao país, aos cidadãos, às comunidades e, claro, ao Governo. Mas eis que, de repente, tudo muda. Apesar de, até à data, apenas se registar (e lamentar) uma vítima mortal (cidadão de 57 anos, no sábado passado, em Valongo) em todas as ocorrências desde que teve início o denominado Período Especial de Combate aos Incêndios (1 de Julho a 30 de Setembro), a verdade é que este arranque do mês de Agosto tem alterado, substancialmente, os factos e a realidade: três planos de emergência accionados (Porto, Arcos de Valdevez, Funchal), uma explosão no número de ocorrências com dimensão e expressão significativos, um considerável e claro aumento da área ardida e da perda de florestação, um esforço dos recursos técnicos e humanos ao ponto do envolvimento das forças militares (Exército) em algumas zonas, a destruição (ou deterioração) de propriedades e património particulares e públicos.

Podíamos recuperar aqui textos de edições deste espaço do ano passado, de há dois, três, quatro, cinco ou mais anos. Infelizmente, mais do que as temperaturas, as praias, as águas do mar mais ou menos quentes, a história do verão português é cíclica e demasiadamente repetitiva no que respeita aos incêndios florestais e ao incansável e inquestionável esforço dos bombeiros portugueses. Isto sem querermos menosprezar histórias irrepreensivelmente louváveis como a que ocorreu, junto da A1 em Estarreja no passado domingo (um casal distribuiu perto de uma tonelada de água às pessoas que ficaram retidas na autoestrada). Mas infelizmente, a história dos factos repete-se, os dramas revivem-se, as perdas (para já materiais) surgem.

Apesar do silêncio político em torno da realidade (e do Primeiro-ministro continuar a “banhos”), da oposição se manter emudecida pelo peso da responsabilidade governativa anterior (mesmo que, nesses períodos fosse politicamente atacada com alguma veemência por quem, hoje, é governo ou coligação); apesar das altas temperaturas que se fazem sentir; apesar da irresponsabilidade cívica dos cidadãos e dos casos criminosos que se conhecem (como a recente detenção de quatro suspeitos na Madeira) este triste e deplorável ciclo na história de cada verão português tem também muito (demasiado) de responsabilidade política que não é de agora, deste ano, nem apenas dos imediatos anteriores, mas sim, infelizmente, de políticas falhadas ao longo da história da democracia portuguesa: falta de políticas na florestação; falta de medidas na prevenção e na responsabilização de particulares e do próprio Estado (o país desconhece a real propriedade florestal nacional, seja particular ou pública); falta clara de políticas de prevenção.

Ano após ano o pais vive estes flagelos, com maior ou menor intensidade mediática em função da proximidade geográfica, do sentir bem perto a realidade, da dimensão dos factos ou das tragédias. O resto é o cíclico entregar na coragem de alguns milhares de homens e mulheres que se entregam, por mera opção voluntária, à defesa do que é “alheio”, individual ou de todos. O resto é o esperar que os ventos acalmem e que o tempo arrefeça. O resto é o desperdício de recursos financeiros, ano após ano, sem qualquer efeito preventivo ou que garante uma menorizarão dos impactos. Em jeito de conclusão e a título de exemplo: o Orçamento do estado para 2016 previu uma verba na ordem dos 84 milhões de euros para o combate aos incêndios. No mesmo plano orçamental do Estado eram consignados cerca de 8 milhões de euros (10% do valor do investimento no combate) à prevenção. Não basta responsabilizarmos os comportamentos negligentes e criminosos dos cidadãos. O verão, cada verão, é o maior flagelo ambiental para Portugal que tem, nos incêndios, a sua maior expressão. Agosto de 2016 não fugirá à regra, infelizmente.

publicado por mparaujo às 09:47

01
Abr 15

eu_DA_debaixo-dos-arcos.jpgpublicado na edição de hoje, 1 de abril, do Diário de Aveiro.

Debaixo dos Arcos
A Madeira já não é um “Jardim”

No passado domingo realizaram-se as eleições regionais na Madeira. Dos resultados importa destacar: a renovação da maioria do PSD (embora no limite); o fim da era de Alberto João Jardim e a nova era Miguel Albuquerque; o segundo lugar conquistado pelo CDS-PP; a descida do PS com a estranha coligação com o PTP (José Manuel Coelho), MTP e PAN; a entrada directa para o parlamento regional do movimento “Juntos pelo Povo”, como quarta força política mais votada (com menos de 1% de diferença para o PS); a subida do PCP e do BE, os primeiros com mais um deputado e os bloquistas com o regresso ao parlamento madeirense (ambos com dois lugares assegurados). Acresce ainda o facto de mais de 50% dos eleitores do arquipélago terem optado por se manterem afastados das urnas eleitorais, valor que nunca tinha sido registado desde as primeiras eleições em 1976.

Apesar da descida do PSD, em valores absolutos e em número de deputados, a manutenção da maioria parlamentar é uma evidente vitória eleitoral, face ao desgaste partidário da governação. Porque estas eleições regionais na Madeira, após o fecho político do ciclo de Alberto João Jardim, revestem-se, por isso mesmo, de uma realidade distinta de todas as anteriores. A sucessão na liderança do PSD Madeira não foi, como é conhecida, de todo pacífica, e há uma maior proximidade e afinidade entre Miguel Albuquerque e o PSD de Passos Coelho. O reflexo da governação do país teria, neste caso, um impacto eleitoral maior. Aliás, basta recordar as fortes críticas de António Costa no único momento de envolvimento directo na campanha e no processo eleitoral: “a inversão das actuais políticas”; “falhanço e incapacidade de responder à mudança, por parte do Governo”; “o PS tem que travar este falhanço, este fracasso, do Governo, e ser alternativa”. Aceitando a legitimidade da separação de autonomias entre o PS nacional e o da Madeira, a verdade é que António Costa não pode “assobiar” para o lado e dizer que não há extrapolação nacional dos resultados regionais. Isto não pode ser o mesmo que esquecer o que aconteceu ao PASOK, na Grécia, e ficar no limbo em relação ao Syriza; ou “abafar” a derrota socialista nas regionais francesas depois de depositadas toda a fé e esperança em Hollande.

Face ao novo ciclo político que se avizinhava na Madeira, após o fim do domínio de Alberto João Jardim, esta era uma excelente oportunidade para os socialistas se afirmarem como alternativa e apresentarem um projecto nacional diferenciado das políticas do actual Governo.
Não fazendo qualquer sentido estar, nesta altura e nesta fase, a tecer qualquer tipo de comparações e relembrar António José Seguro (como o têm feito inúmeras vozes socialistas, publicamente), a verdade é que a primeira realidade eleitoral da liderança de António Costa foi madastra.
Face à fragilidade com que o PSD se apresentou às eleições, após a disputa interna para a liderança e a saída de cena (pública) de Jardim, o PS não conseguiu contribuir para a não renovação da maioria social-democrata no parlamento madeirense (com os centristas em segundo lugar).
O Partido Socialista, tal como não tem conseguido projectar a sua oposição ao Governo nas mais diferenciadas sondagens, não foi capaz de se apresentar na Madeira como alternativa, tendo ficado pelo registo de terceira força política, não muito longe do recém-criado movimento “Juntos pelo Povo”.
Tal como no continente, o Partido Socialista, na Madeira, não foi capaz de aglutinar, em torno do seu projecto, a esquerda ideológica (PCP e BE).

Estas eleições não foram umas eleições com as características das anteriormente realizadas nos últimos 40 anos da democracia, na Madeira. Estas tinham tudo para serem o “cartão de visita eleitoral” para o Partido Socialista. Da mesma forma que as eleições europeias nunca tiveram projecção eleitoral nacional mas serviram como trunfo para o combate interno, face a Seguro, para a liderança do partido.

Por mais que António Costa queira desvalorizar o impacto eleitoral madeirense, os portugueses dificilmente o esquecerão. Nem os portugueses, nem o PSD que recebeu, no passado domingo, um enorme balão de oxigénio para a recta final.

publicado por mparaujo às 10:34

21
Ago 12

 

(créditos da foto: Daniel Rocha - jornal Público online)

Alberto João Jardim desafiou, hoje (pela milésima vez), o Governo a realizar um referendo na Madeira sobre a questão da autonomia da Madeira.

As razões prendem-se com um projecto de revisão constitucional que indique “quais as cinco áreas de competência do Estado neste território: as matérias de direitos, liberdades e garantias; política externa; defesa nacional e segurança interna; tribunais de recurso e sistema nacional de segurança social”. Adiantando que “no resto a competência deve pertencer aos poderes eleitos, fiscalizados pelo povo madeirense. Menos do que isto, os autonomistas não aceitam”. (fonte: público)

Na pior das hipóteses para os madeirenses o que poderia acontecer era o referendo decidir pela autonomia. Na melhor das hipóteses era um alívio para Portugal e para o continente.

E já agora, porque não promover o referendo também no continente? Talvez houvesse surpresas…

publicado por mparaujo às 23:09

19
Jun 12

Não está em causa a comparação dos valores... (600 mil euros de irregularidas detectadas pelo Tribunal de Contas nas finanças/contas regionais dos Açores)

Não está em causa a dimensão dos factos...

Mas sim a falta de ética e moral políticas, a mentira, o acto de ocultação de realidades e informação.

Está em causa a verbalização e o discurso usado para criticar a gestão e a personalidade alheias.

E na verdade... caiu a máscara a Carlos César, presidente do Governo Regional dos Açores.

Pode-se dizer (à guisa de desresponsabilização ou de tapar o "sol com a peneira") que não tem nada a ver o "milionário" buraco da Madeira com "apenas" 600 mil euros. Mas irregularidades são irregularidades. Mentir é mentir... e tla como diz o ditado: "tanto é ladrão o que sobe à arvore e rouba as maçãs como o que fica à porta à espreita".

E continua em alta a credibilidade política e a seriedade governativa no nosso país.

publicado por mparaujo às 23:25

25
Set 11
Publicado na edição de hoje, 25 de Setembro, do Diário de Aveiro.

Cambar a Estibordo...
A Madeira já não é um “Jardim”.
A semana em resumo…


A semana foi, quase exclusivamente, marcada pelo “buraco” financeiro detectado nas contas públicas da Região Autónoma da Madeira.
Mesmo que a semana tenha contemplado a primeira grande entrevista do Primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, após ter sido eleito e tomado posse governativa. Sem grandes questões polémicas ou perturbantes, Pedro Passos Coelho mostrou-se seguro, claro nas respostas, sem deixar de responder a todas as perguntas feitas, e, independentemente de se gostar ou não das opções e das políticas governativas, soube explicar e referir quais as medidas adoptadas e a adoptar no futuro próximo. Além disso, face à ‘agenda’ da semana afirmou, peremptoriamente qual a sua posição e reacção face ao deficit das contas públicas da Madeira.
O caso das contas públicas da gestão de Alberto João Jardim à frente dos destinos da ilha não revela apenas um caso grave de ocultação de informação, de falta de transparência e, eventualmente, de abuso de poder.
Há muitas outras questões para além dos números, mesmo que estes se revelem, cada vez mais, preocupantes e em nada benéficos para o esforço que o país e os portugueses têm prestado para que Portugal consiga ultrapassar estes tempos difíceis.
Uma questão que se coloca é como é que o Estado não tem capacidade, nem processos, de fiscalização mais apurados, mais eficazes. É que não se pode estranhar, neste caso, a ausência de controlo e fiscalização, quando a Troika, numa semana e através da avaliação do sistema bancário, detectou o que as entidades fiscalizadoras nacionais não conseguiram fazer, pelo menos, desde 2003… há oito anos. Até porque, em relação à questão do “buraco” da Madeira, já há alguns anos que o Tribunal de Contas vinha alertando para desvios e excessos nas contas públicas e nos investimentos da gestão de Alberto João Jardim. Mas tal como na ilha, também por cá tudo o que vem do lado do Tribunal de Contas é sempre muito relativo: se favorável aplaudido e aclamado de pé, mas se desfavorável trata-se de um bloqueio ao desenvolvimento, ao exercício da gestão pública, a meras questões de politiquice.
Por outro lado, é perfeitamente inconcebível, e foi preciso chegar-se a este ponto para que se reflicta sobre a questão, que os autarcas tenham limitação ao número de mandatos, que o Presidente da República tenha limitação no número de mandatos, entre outras figuras do Estado, e no caso do Presidente da Região Autónoma da Madeira ou dos Açores não haja qualquer limitação ao número de mandatos possíveis. O excesso de tempo no poder pode levar a algumas situações menos claras na governação, a um descuido e desvalorização das regras, normas, da própria ética política e de gestão da “coisa pública”.
Mas neste caso, Alberto João Jardim acaba por ser vítima dele mesmo… da sua teimosia, da sede de poder. Porque, se é previsível a sua vitória nas eleições de 9 de Outubro (embora com algumas dúvidas quanto a conseguir a maioria), este parece ser um fim para um “reinado” que nada fazia prever uma saída da política pela porta mais pequena.
Mesmo que Alberto João Jardim ganhe com maioria o próximo período legislativo na Madeira não vai ser nada fácil, nem nada gratificante. No caso do PSD/Madeira não alcançar uma vitória confortável não restará a Jardim se não a despedida antecipada porque, face aos acontecimentos, não terá o apoio de nenhum partido (nem mesmo o CDS-PP) para uma eventual coligação pós-eleitoral. Primeiro porque esse facto foi já excluído pelos partidos e, segundo, porque não é essa a tradição política na ilha madeirense. O PSD sempre foi poder isolado e exclusivo, enquanto todos os outros partidos sempre foram oposição muito desprezada e menosprezada pelo Presidente do Governo Regional.
Por fim, Alberto João Jardim tem de assumir a responsabilidade dos factos que, apesar de todas as justificações e argumentos, a realidade demonstra que os actos são graves e merecem uma reflexão muito profunda por parte de todos: Governo e Entidades Fiscalizadores, para além do “julgamento” político que os madeirenses podem fazer nas urnas, através do voto livremente expresso.
Porque este não é um caso isolado… É um problema geral das contas públicas, da gestão do erário público, da ética política. É uma questão de prioridades de investimentos e de políticas. Da necessidade de sobrevivência política à custa do “betão”, da obra feita e visível (física).
O país, a administração central, as entidades públicas, as regiões, as autarquias, as freguesias, as autonomias, não podem continuar a viver sempre no velho e lamentável princípio do “quem vier atrás que feche a porta”.
Uma boa semana…
publicado por mparaujo às 07:43

O líder do Partido Socialista, António José Seguro, para esconder uma enorme falta de argumentação política, de propostas alternativas para o país, à frente de um partido totalmente isolado na oposição parlamentar (veja-se o mais recente caso da proposta sobre o enriquecimento ilícito e o vínculo ao memorando da Troika), numa tentativa de marcar agenda e conquistar "palco mediático" dedica-se à demagogia balofa no caso do deficit da Madeira.
Já aqui foi referido que é criticável a atitude de Alberto João Jardim (aqui e aqui e aqui, para além do post que republica o artigo da edição de hoje do Diário de Aveiro). No entanto há mais questões importantes para além dos números da Madeira.
Andar com uma questão menor da confiança política é não saber o que dizer, nem como dizer.
Primeiro, tal como acontece no seu partido, os partidos das regiões autónomas gozam de autonomia (passe a redundância) em relação aos partidos nacionais.
Segundo, retirar a confiança política a Alberto João Jardim não significaria (antes pelo contrário) que o mesmo não ganhe as eleições, tal como se prevê.
Terceiro, Pedro Passo Coelho, após as criticas já proferidas, não tem, como Primeiro-ministro de se envolver em campanhas eleitorais, e, como tal, não tem que ir à Madeira.
Quarto, quando António José Seguro afirma que "em Portugal, num estado de direito democrático, não pode haver regiões acima da lei e não pode haver um homem que manda mais do que as leis do país". Pena que não tenha tido a mesma atitude e posição em relação ao que se passou, ao longo de seis anos, nas contas públicas do Estado, nas nomeações para a Administração central, nas empresas e institutos públicos. Se é um facto que se deve criticar a atitude de Alberto João Jardim, não deixa de ser verdade que, apesar de tudo, sabe-se onde foi empregue o dinheiro (por exemplo, na falta de cumprimento do compromisso do governo socialista em relação à catástrofe de 2009, tendo sido entregue apenas cerca de 30% do valor celebrado), ao passo que no continente, ao longo dos últimos seis anos, muito dinheiro foi utilizado sem se saber onde, nem como.
Por último, António José Seguro tem um grave problema de memória já que muito facilmente, ao fim de três ou quatro meses, esqueceu uma herança e um passado socialista. Dizer que "a maneira como Portugal, como as instituições do Estado de direito democrático e os órgãos de soberania lidarem com a situação na Madeira, revelará muito da natureza e da qualidade das nossas instituições e das pessoas que as ocupam" é muito fácil. Tão fácil como "choverem pedras nos telhados de vidro socialistas". Onde esteve a preocupação e o combate de José Sócrates em relação à Madeira? Onde esteve a fiscalização e a regulação das contas públicas? E não colhe o argumento de que nada se sabia ou nada se podia fazer porque a informação foi ocultada... Tretas!!! Porque a Troika numa "simples" abordagem à banca descobriu tudo numa semana. Assim como ninguém ligou, desde 2003, a algumas suspeitas tornadas públicas pelo Tribunal de Contas (aliás como sempre).
Andar nestas demagogias da treta é pura e simplesmente "cuspir para o ar"!
publicado por mparaujo às 01:31

21
Set 11
Publicado na edição de hoje, 21 de Setembro, do Diário de Aveiro.

Preia-Mar
Os fins nem sempre justificam os meios


Este era um fim inesperado para a carreira política de Alberto João Jardim, nesta “recta” final da sua liderança à frente do governo regional da Madeira e dos destinos da ilha.
Mas a verdade é que os factos apurados (o encobrimento de dívida pública) são graves, prejudicam a recuperação e as medidas de combate ao défice das contas públicas, destorcem e criam dúvidas sobre a imagem do país no exterior e nossa capacidade de sair deste “buraco” financeiro.
As razões percebem-se, mesmo que não justifiquem os actos.
A insularidade, o isolamento, a falta de oportunidades, a necessidade de progresso e desenvolvimento, o bem-estar dos madeirenses, as particularidades da ilha (seja do ponto de vista geográfico, social, cultural).
Mas muitas destas questões e realidades são também vividas e sentidas em muitas outras regiões: no interior isolado, num Alentejo cada vez mais desertificado, por exemplo. Isto justificaria que cada autarca, cada comunidade intermunicipal, cada governo pudesse usar todas as artimanhas da engenharia financeira para “esconder” os encargos realizados com os dinheiros públicos? Como se ousa dizer: “os meios não justificam os fins”.
Mas este não é apenas um problema da Madeira, apesar dos números em causa.
É um problema geral das contas públicas, da gestão do erário público, da ética política. É uma questão de prioridades de investimentos e de políticas. Da necessidade de sobrevivência política à custa do “betão”, da obra feita e visível (física). Uma questão de controlo e fiscalização, nomeadamente da necessidade de uma redefinição das funções e do exercício da actividade fiscalizadora do Tribunal de Contas, cada vez mais desvalorizado pelo poder político e pela legislação. Até porque, em relação à questão do “buraco” da Madeira, já há alguns anos que o Tribunal de Contas vinha alertando para desvios e excessos nas contas públicas e nos investimentos da gestão de Alberto João Jardim. Mas tal como na ilha, também por cá tudo o que vem do lado do Tribunal de Contas é sempre muito relativo: se favorável aplaudido e aclamado de pé, mas se desfavorável trata-se de um bloqueio ao desenvolvimento, ao exercício da gestão pública, a meras questões de politiquice.
O que resta é a ausência total de respeito pela coisa pública, pelo esforço e sacrifício dos cidadãos, por uma ausência de sentido de prioridades, mas, acima de tudo, uma gritante ausência de ética política e de responsabilidade criminal que vá para além da justiça eleitoral.
Enquanto assim não for, enquanto não nos servir como exemplo a conduta nórdica da responsabilização criminal da gestão política e pública (por mais que nos custe, veja-se o caso finlandês) o país, a administração central, as entidades públicas, as regiões, as autarquias, as freguesias, as autonomias, viverão sempre no velho e lamentável princípio do “quem vier atrás que feche a porta”.
Sejam quais forem o fins… há meios e meios.

publicado por mparaujo às 01:39

20
Set 11
Sobre o caso da dívida oculta da Madeira e o eventual fim político de Alberto João Jardim, um interessante editorial/artigo de opinião de João Marcelino no Diário de Notícias de 17 de Setembro último.

publicado por mparaujo às 23:26

23
Fev 10
A solidariedade não escolhe fronteiras, como se viu no caso das vítimas do Haiti.
Mas se é cabal utilizar a expressão, "dentro de casa" a responsabilidade solidária aumenta.
E os portugueses já deram provas de que, face a adversidades ou tragédias, nada nos impede de ajudar e dar corpo ao factor nacionalidade.
Sete alternativas para apoiar a Madeira:

Montepio\Cáritas - nib: 003600009910587824394
União das Misericórdias - nib: 0007000000834227401223
BES - nib: 000700000083428293623
Santander-Totta - nib: 001800032271378802021
Barclays - nib: 003204700020325226041
Millenium BCP - nib: 003300000025125124405
Banif- nib: 003800405007007077111
publicado por mparaujo às 21:08

22
Fev 10
Eu estive lá em Dezembro de 1995, em data particularmente especial.
Não me lembro, durante 11 dias, de qualquer gota de chuva no Funchal.
Não me lembro de qualquer sinal de tempestade na ilha.
É demasiado trágico.

Politiquices à parte... A MADEIRA PRECISA DE NÓS.

Por exemplo, através da Cáritas (conta - Montepio Geral).

publicado por mparaujo às 20:21

24
Fev 08
Por um "Kosovo independentista" em Portugal.
Infelizmente, os madeirenses têm, a rasgos, alguns momentos de lucidez.
Pena que nos momentos eleitorais se esqueçam dessa mesma lucidez.
publicado por mparaujo às 21:33

27
Jan 08
O jornal Público, noticiava no dia 15 de Janeiro, que Alberto João Jardim garantia estar ao lado do povo madeirense no dia em que este se decidir pela independência da Madeira.
Estará ele... e estaremos também nós!
Pelo descanso, pela poupança económica e para nos livrar-nos de tal personalidade.
Que escolham depressa.
publicado por mparaujo às 20:52
Tags:

19
Fev 07
Palhaçada!
É só o que me vem à cabeça, com esta atitude do Mr. Madeira.
Contra a lei das finanças locais, a verba presente no orçamento de estado para a Região Autónoma da Madeira e contra o próprio Presidente da República que promolgou uma lei que é uma traição à Madeira, o Dr. Alberto João Jardim decidiu demitir-se e "arrastar" neste processo a Assembleia Legislativa Madeirense.
Ora, até aqui, um verdadero milagre. Uma verdadeira libertação da região autónoma. Aquilo porque todos, continentais e ilhéus tão ansiosamente esperávamos.
Mas eis que se vira a face da moeda.
Demite-se mas recandidata-se.
É Carnaval. Está mais que visto.
Ora se o senhor se demite como forma de protesto, vai recandidatar-se como forma de quê? De reconfirmar o protesto?
Ou pura e simplesmente porque lhe apeteceu dar de novo nas vistas e tornar a política (já de si debilitada) numa autêntica palhaçada?
Não está agarrado ao poder, mas também não abdica dele. Soberbo.
É este o respeito que o povo madeirense e o país merecem?!
Pode ser que seja desta que a Madeira se torna verdadeiramente livre.
Para bem de todos.
publicado por mparaujo às 22:56

22
Ago 06
Outra na ferradura.
Assim reza o dito popular.
Assim revemos o Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira.
De "bacurada" em "bacurada". De malcriadez em malcriadez. De parvoíce política em parvoíce retórica.
A Madeira precisa de um verdadeiro 25 de Novembro.
Às portas com os cortes de financiamentos resultado da próxima revisão da actual Lei das Finanças Regionais, as ameças e as modormias do "Senhor Madeira" não param. O melhor da história é que já não surpreendem.
O País tem necessidades muito mais evidentes e prioritárias para o seu desenvolvimento sustentável e etruturado, do que alimentar um paraíso como a Madeira, com muito pouco em troca, senão um preocupante parasitismo.
Direitos todos. Deveres muito poucos (para não dizer, nenhuns).
O interessante deste recente processo é a hipocrisia política e retórica do Dr. Alberto João Jardim. O Prof. Cavaco Silva enquanto Primeiro-Ministro era o Sr. Silva.
Agora como Presidente da República, já serve para servir de intermediário nas necessidades madeirenses e para colocar um travão à guerra socialista contra a Madeira. Quando precisa já sabe onde está e já reconhece o "contenente".
Esta permissa é que está errada.
É que a guerra não é dos socialistas. É de todos os portugueses inteligentes, coerentes e com um pingo de decência (só um basta).
E já agora sejamos responsáveis e educados. Respondam por favor ao Sr. Alberto João Jardim.
Eu, pessoalment, digo-lhe: A Madeira quero, se os Madeirenses assim o quiserem. Quanto ao Dr. João Jardim, digo que dispenso. E se for o caso, dispenso com ele a própria Madeira.
A bem de Portugal.
publicado por mparaujo às 23:04

02
Ago 06
Para acrescentar mais um pouco de "glamour" à interessante discussão que os post "A La Carte" e "Ou à moralidade..." tem suscistado, nomeadamente nos "habitués" José Dias, Terra & Sal, Abel Cunha, Maréchal Ney e José Mostardinha (sem qualquer tipo de ordenação específica) hoje o Jornal Público e o Portugal Diário, noticiam a verdadeira pérola de um regime que se diz (após 32 anos do dia 24.04.1974, ou como no meu caso se preferirem, Novembro de 1975) democrático, justo e claramente estruturado numa Constituição que deveria impedir as desigualdades entre os seus cidadãos.
Só que... como nos (execelentes) livros do Asterix, há também por Terras Lusas uma pequena região, cada vez mais intocável, cada vez menos respeitadora, cada vez menos portuguesa (aqui para felecidade de todos nós).
Já não há pachorra.
Dêem-lhes a independência e depressa.
Não podemos ser obrigados, todos nós, a alimentar com o nosso trabalho e impostos quem não sabe respeitar as regras, a legislação e só lhe interessa o continente quando é para as regalias fiscais e os subsídios astronómicos e irreais para um país cada vez com mais dificuldades.
publicado por mparaujo às 22:36

28
Mai 06
Hoje, no discurso de encerramento do Congreso do PSD-Madeira, Alberto João Jardim voltou a não surpreender.
Ao fim de 30 anos de autonomia, o "dono" da ilha da madeira teve um sonho verdadeiramente interessante. Num claro momento de lucidez política, João Jardim desafiou a sociedade civil e política madeirense a reflectir sobre o futro da Madeira.
Mas mais interessante ainda...
Desafiou os madeirenses (pelos menos os do PSD) a reflectir sobre “se a Madeira é ou não autoviável e auto-sustentável” (sic).
Por nós aqui do continente, estejam à vontade.
Se for preciso também reflectimos.
Ou melhor. Se for preciso dizemos : são, sim senhor! Autoviáveis e Auto-sustentáveis.
Estão, por isso, dispensados!
publicado por mparaujo às 22:30

27
Mar 06
Se há alturas em que nos podemos rir com o "circo" que vem da Madeira, há outras em que nada faz sentido aturar e que, a constituição e o "compêndio" legislativo português deveria ter a coragem de intervir fortemente.
O que é que o continente ganha em manter a Madeira?!
Porque não se satisfaz a vontade de indepedência?!
Por quê manter e "alimentar" uma região, constantemente crítica, caluniadora e maledicente para com todo um continente subserviente?!
Se é autonomia que desejam, assim seja!
Já começa a saturar toda este circo paroquiano do reinado de Alberto João Jardim.
Sem respeito, autoritário, anti-democrático, ditatorial e despótico.
Que haja pessoas que não se revejam no 25 de abril de 1974, que as novas gerações não consigam alcançar o marco histórico desta nova página na realidade social portuguesa porque tudo se lhes é oferecido sem esforço, até compreendo.
O que não posso aceitar, como democrata, pluralista, de direita, é que a Madeira não reconheça este importante momento para a nossa democracia.
A liberdade não é um "bem" propriedade de ninguém. nem da esquerda, nem da direita.
É de todos e todos devem ter o direito de a celebrar.
Recusar comemorar a história de portugal, é claramente um acto anti-democrático e anti-patriótico.
Já não há pachorra!
publicado por mparaujo às 22:16

28
Fev 06
Já não é o que era...
E Este Carnaval foi muito triste e pobre!
Mesmo muito pobre!!!
Alberto João Jardim fartou-se...
O Sr. Presidente do paraíso da Madeira cansou-se de ser atracção turistica.

Mais um rude golpe na economia nacional e do arquipélago.
Portugal está ficar mais cinzento e menos cómico.
Proponho, por SMS, uma manif junto ao ministério dos negócios estrangeiros.
Por solidariedade ao "riso luso" e "à paródia política".
publicado por mparaujo às 16:32

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

27 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Visitas aos Arcos
Siga-me
links