Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

19.Set.20

Não julgar... um dever cívico.

E é tão fácil julgar os outros no (maior ou menor) bem-estar da vida.

mparaujo
(créditos: da aveirense fotojornalista Maria João Gala / arquivo Global Imagens, in Diário de Notícias) Factos: terça-feira, 15 de setembro de 2020 (sublinho e destaco 2020)... já noite dentro, às portas de uma igreja, no Cacém, foi encontrado um bebé abandonado, com menos de um mês de vida (cuidado, agasalhado e com um bilhete). A partir daqui é fácil "disparar os gatilhos" dos veredictos acusatórios: desumano, crime, atitude inqualificável da mãe... só para ficar (...)
19.Set.20

Reflexões da Semana... #07

conceito/ideia em destaque durante esta semana, no Debaixo dos Arcos.

mparaujo
(de 19 a 28 de setembro) "Somos responsáveis pelo que escrevemos, não pelo modo como os outros nos leem." (Embaixador, Francisco Seixas da Costa)
14.Set.20

Da responsabilidade e ética política... ou a falta dela

À mulher de César não basta ser... tem que parecer.

mparaujo
Premissa... o exercício de um cargo público - agravado pela grau de responsabilidade pública que comporta - exige ao seu detentor um princípio acrescido de equidade, imparcialidade, responsabilidade e ética. António Costa, enquanto Primeiro-ministro, tem todo a legitimidade de exigir, para si, o cumprimento do exercício do direito de cidadania. É inquestionável... deve agir em função das suas opções e convicções pessoais. Assim como as suas preferências desportivas, as suas (...)
31.Ago.20

Não há Festa como esta... nem como outra qualquer.

duas ou três coisas sobre embirrações comunistas...

mparaujo
Podem juntar o Pontal e a Universidade de Verão do PSD, os "comícios nacionais" do PS ou do CDS e os acampamentos, mais ou menos anárquicos ou mais ou menos psicadélico do BE que a realidade é só uma: Não há Festa como esta (Avante). Só quem nunca quis ou nunca teve essa oportunidade de marcar presença, pelo menos uma vez, é que não consegue visualizar e compreender a dimensão da Festa do Avante. Se do ponto de vista político-partidário ela não difere muito dos outros (...)
25.Ago.20

Orgulho minhoto

da emoção familiar, de um nózinho na garganta e do coração cheio

mparaujo
Sou Cagaréu de nascença e de convicção... Vaguense dos primeiros choros e descoberta do mundo... Ilhavense/Gafanhão por opção e adopção... Transmontano (Ribeira de Pena/Vila Real) por origem materna... E... Minhoto (Amares/Braga) por via paterna. Surge, neste caso, a razão da publicação. O programa da SIC - "Olhá Festa" - ontem, 24 de agosto, foi até ao nascer do Gerês, até às Terras de Bouro, até às portas de S. Bentinho da Porta Aberta ou às portas de N. Sra. da (...)
24.Ago.20

Caiu a máscara... em "off" ou em "on"

«A Política sem risco é uma chatice e sem ética uma vergonha» - Francisco Sá Carneiro

mparaujo
"Preâmbulo"... Uma declaração off the record pressupõe uma aceitação de não divulgação de informação. Algo que não será tão linear e tão absoluto. Primeiro porque, para quem tem décadas de experiência política, declarações off the record são, muitas vezes, usadas para pressionar e condicionar. Segundo porque, mesmo parecendo contraditório (e não é), face ao teor das declarações e à sua importância ou relevância política podem (e devem) ser tornadas públicas. (...)
19.Ago.20

Vale a pena pensar nisto #08

um caso que fosse.. era demasiado.

mparaujo
(créditos da foto: António Pedro Santos / Agência LUSA) Desde o dia 1 de janeiro até ao dia 15 de agosto, Portugal registou 20 casos de mulheres assassinadas, dos quais 10 em contexto de violência doméstica, e 25 tentativas de femicídio. Importa ainda destacar, dos dados apresentados pelo Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA), da UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta) que a maioria das tentativas de femicídio ocorreram já em plena fase de desconfinamento, entre (...)
19.Ago.20

Reflexões da Semana... #06

conceito/ideia em destaque durante esta semana, no Debaixo dos Arcos.

mparaujo
(de 16 a 29 de agosto) "Depois que aprendi a pensar por mim mesma, nunca mais pensei igual aos outros". Clarice Lispector  
02.Ago.20

O perigo de se "assobiar para o lado"

o pior que a política pode ter são momentos de avestruz...

mparaujo
(créditos das fotos: Tiago Sousa Dias) É conhecido a expressão popular "fazer como a avestruz e enterrar a cabeça na areia" (fingindo não ver nada, alheando-se das adversidades... mesmo que tal afirmação não corresponda à realidade da sua natureza animal). Mas é esta a analogia e a alegoria populares. Na política, esta realidade é o pior dos seus mundos, criando um sentimento público de incoerência, de falta de responsabilidade e de ausência de identidade ou personalidade (...)
02.Ago.20

Reflexões da Semana... #05

conceito/ideia em destaque durante esta semana, no Debaixo dos Arcos.

mparaujo
(de 02 a 07 de agosto) Porque as memórias fazem parte da vida presente. Às vezes, só nos apercebemos da importância de um momento vivido quando ele se torna numa lembrança (memória). de autor anónimo...
20.Jul.20

Lembrar Santa Bárbara só quando troveja

das coerências políticas (ou da falta dela) aos seus aproveitamentos mediáticos.

mparaujo
Daquelas razões políticas que a própria razão política desconhece. Aos anos que a Holanda é Holanda... desde a Comunidade do Carvão e do Aço. São generalizadas as críticas ao comportamento do Primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, nas negociações do Apoio Europeu à crise da pandemia no seio do Conselho Europeu. Mesmo que para tal se esqueçam, convenientemente, a Suécia, a Finlândia e a Dinamarca, pelo menos. Basta de ilusionismo política carregado de populismo. Sejamos, (...)
19.Jul.20

Sentimento defraudado

entre confinamentos e desconfinamentos... um enorme risco para que tudo acabe mal.

mparaujo
A frase da "reflexão (desta) semana" recorda Sá Carneiro, no ano de 1978, e termina com a expressão forte: "(...) nós estamos a ver mais uma vez que o Povo Português foi defraudado da sua boa-fé". E fomos... Havia, apesar de alguns erros, alguma perspectiva de que Portugal sairia por cima no combate e na mitigação da COVID-19. Mas do expectável "milagre português" e de algumas referências como "exemplo internacional", rapidamente se passou a um sentimento de decepção e (...)
19.Jul.20

Mais que um símbolo... uma referência que o Mundo perde

a luta, constante, pela Defesa dos Direitos Humanos ficou mais pobre

mparaujo
A responsabilidade cabe a cada um de nós: os Direitos Humanos são universais, são o valor colectivo mais precioso que a humanidade possui. Limitá-los, significa menosprezar e desvalorizar o "outro", desprezar o valor da dignidade humana. Indiferença e alheamento é o espelho da incapacidade de sairmos da nossa "bolha" de conforto social. As causas e o quotidiano social produzem, historicamente, símbolos. Pessoalmente, aos símbolos prefiro acrescentar as Referências... aqueles que (...)
19.Jul.20

Reflexões da Semana... #04

conceito/ideia em destaque durante esta semana, no "Debaixo dos Arcos"

mparaujo
(de 19 a 25 de julho) Já dizia Francisco Sá Carneiro no Congresso do PPD em 1978. Os portugueses têm sempre correspondido em alturas de crise. As elites, as chamadas elites políticas, é que quase sempre os traíram, e nós estamos a ver mais uma vez que o Povo Português foi defraudado da sua boa-fé. tão actual...
16.Jul.20

Quando a política é irónica

ou, se quisermos... da colossal incoerência política.

mparaujo
Face ao importante número de Associações Juvenis que existem no país é mais que natural e lógico o surgimento de uma Federação Nacional das Associações Juvenis (FNAJ), que congregue vontades, dinâmicas diversas e devolva dimensão ao associativismo. Reduzindo a escala, justificável por processos de organização e estrutura da FNAJ, afigura-se igualmente lógica a criação de Federações Distritais de Associações Juvenis. Assim, tendo sido alargado o processo de (...)
13.Jul.20

Uma pandemia de oportunidades perdidas

ou como a realidade se torna distante.

mparaujo
(fonte da imagem: ANTRAL) Há quatro aspectos no processo de desconfinamento, iniciado no final de abril, que importa colocar e que têm trazido bastante pressão às decisões políticas do Governo na mitigação do surto da COVID-19. São várias as incoerências e a desproporcionalidade das medidas aplicadas a diferentes sectores da sociedade e da economia ou, ainda, os desequilíbrios criados entre territórios/regiões. Por partes e telegraficamente. 1. Infarmed convenientemente "abafado" Dizia o Dr. Ricardo Mexia, na TVI, há cerca de dois, que era importante que a informação que serve de decisão às decisões políticas seja pública e de acesso generalizado.
12.Jul.20

Reflexões da Semana... #03

conceito/ideia em destaque durante esta semana, no 'Debaixo dos Arcos'.

mparaujo
(de 12 a 18 de julho) A melhor maneira de convencer um idiota que ele está errado é deixá-lo agir como deseja. J. Billings
05.Jul.20

Reflexões da Semana... #02

conceito/ideia em destaque durante esta semana, no 'Debaixo dos Arcos'.

mparaujo
(de 05JUL2020 a 11JUL2020) O homem prudente não diz tudo quanto pensa, mas pensa tudo quanto diz. Aristóteles
02.Jul.20

Quando o mar bate nas rochas... quem se lixa é o mexilhão

um ditado popular que podia ter a assinatura de Fernando Medina.

mparaujo
(créditos da foto: Tiago Petinga / LUSA) A expressão bem antiga e tão usual nas nossas comunidades costeiras ganha, nos dias de hoje, uma dimensão bem real. A responsabilidade é do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, capital do "reino". E diga-se, responsabilidade política acrescida e muito pouco inocente. É que tal como os actos, também as palavras têm peso e consequências. Em 24 horas, mais coisa, menos coisa, da crítica e acusação inequívocas à gestão, por parte (...)