Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

O vencedor é... Élio Maia! The day after: as primeiras palavras.

"Hoje, as pessoas podem pensar que é fácil falar, mas desde o dia que disse 'sim' que estava convencido que ia ganhar as eleições" [sic] - Élio Maia ao JN de 11.10.05.
Na sua primeira entrevista (oficial ou não) como presidente-eleito da câmara municipal, realce para duas vertentes chave:
a) a preocupação com a questão orçamental e financeira da câmara (provavelmente uma preocupação generalizada da maioria dos autarcas face ao investimento público e financiamento municipal): cortes nas despesas, reorganização dos recursos humanos municipais, melhor coordenação e planeamento de investimentos e actividades do município.
b) aproximação entre câmara e o munícipe: descentralização de serviços, menores encargos com taxas e licenças, referendos locais, eventuais redefinições de serviços municipais (como a referência feita à empresa do teatro e à Policia Municipal), mais reuniões públicas.
Interessantes as duas maiores preocupações do próximo executivo, porque, se bem executadas, vão claramente criar novas formas de actuar e estar na Câmara (desde o seu executivo aos funcionários no seu todo) e a sua relação com os munícipes e mesmo com os demais agentes económicos.
No entanto, denotaram-se as faltas de referência, penso que importantes, ao Planeamento Urbano e Mobilidade, Acção Social e Educativa e à Cultura (esta útlima parece-me ausente do perfil dos 5 eleitos da coligação CDS.PP / PSD.PPD).
Quanto ao Estádio Mário Duarte, espera-se que esta preocupação camarária não se torne em obsessão e esquecimento de prioridades masi relevantes para Aveiro. Mas já agora uma seguestão: se existir capacidade legal para reverter o dossier "Mário Duarte", poderá ser uma execelente alternativa a redefinição do pormenor da zona e edificar aí um novo pavilhão do Sport Clube Beira Mar, que bem precisa.

Pruntos! Já cá faltava o Ponta-Pé na Bola!

Não há nada a fazer. É inevitável... A redondinha está-nos no sangue de "machos" latinos.
Futebol... claro.
Selecção Portuguesa... óbvio.
Mundial...
ALEMANHA CÁ VAMOS NÓS!!!!! Contra os canhões... Marchar! Marchar!
Com polémicas... muitas!
Com luso brasileiros à mistura e na batuta da selecção!
Com 4x3x3 - 4x4x2... com tudo a monte e fé em Deus!
Com goleadas (7-1 à Rússia) e empates polémicos (2-2 Liechtenstein)
E mais...
DUAS VEZES SEGUIDAS... é obra.
Parabéns selecção !
E é sempre giro voltar a ter a oportunidade de ver uma bandeira à janela (e nos retrovisores dos carros, nas antenas e outros lugares mais curiosos que algum "portuga" acaba por descobrir).

Portugal = 560 - O que é nacional é bom (?!)

Tem aparecido com maior frequência pública o denominado "Movimento 560", que tem como principal objectivo a promoção do produto nacional. Até aqui tudo bem...
Acontece porém que esta promoção baseia-se apenas no acto da compra (consumo), sensibilizando as pessoas para a qualidade dois produtos "made in" território luso.
A pergunta acontece: "Mas com que custos para a carteira muito pouco recheada de €€€€ da grande maioria dos portugas?"
Porque é que a promoção do produto luso não é feita ao nível do investimento, dos custos e rentabilização da produção, etc., tornando os nosso produtos mais competitivos?
Numa era da liberalização comercial (entre outras), com que fundamento se pretende impedir a compra da batata holandesa, da maçã e do melão espanhóis ou do leite parmalat e danone - e isto para não entrar em chinesices, se o custo de aquisição é menor que o dos produtos portugueses concorrenciais?! Só pela qualidade dos nossos produtos (que não ponho em causa... antes pelo contrário)?!
Expliquem à maioria das "donas de casa" (portuguesas concerteza) como se compra qualidade com a média de salários que são usufruídos neste rectângulo à beira mar plantado?!!!

Não há fome que não dê fartura... de Sal !

Que é feito de um dos exlibris desta cidade???!!! Quantas marinhas são preservadas, protegidas, apoiadas e divulgadas??!!!
Segundo uma noticia de hoje do JN, estiveram a funcionar 8 marinhas em Aveiro, este ano.
Devido à situação climatérica (óptima para estes casos) a produção foi a melhor dos últimos 10 anos (só em 2 produziram-se 480 toneladas desses grãos brancos).
No entanto, alguns marnotos (sim... esses mesmos da nossa tradição aveirense) ainda não conseguiram vender toda a produção do ano anterior. Com as rendas das marinhas e o excesso de produção (há quem procure sal mais barato, de pior qualidade, noutras paragens), foi um ano em que para alguns dos marnotos se trabalhou para nada... Nem para turista ver!!!

Aveiro - desemprego aumenta em Agosto

(fonte Jornal de Noticias)
Durante o mês de Agosto, o distrito de Aveiro teve mais 335 desempregados, aumentando para 31670 os "profissionais" deste ramo de (in)actividade (aumento de 1,4% em relação a Julho).
Outros dados indicados referem que entre Agosto de 2004 e Agosto de 2005 o aumento do número de ex-trabalhadores foi de 10,9%, enquanto a média nacional foi de 3,25%.
Os Concelhos mais críticos neste mês de Agosto foram S.João da Madeira - Santa Maria da Feira - Oliveira de Azeméis - Sever do Vouga - Ovar - Vale de Cambra e Vagos, com valores entre os 36,49% e 11,87%, acima da média do distrito (10,97%) e da do resto do país (3,25%).
O distrito de Aveiro é já o 5º do ranking nacional do desemprego. Estamos perto de nos tornármos não num "Vale do Ave" mas num "Vale da Ria".
Ainda há quem não entenda o que é descontentamento eleitoral.