Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Hoje é dia...

DOS AVÓS...
É altura para reflectir, agradecer o muito que ajudam a cuidar dos pequenotes nas horas dificeis, a "deseducação" que dão aos mais pequenos (fazem aos netos o que não fizeram aos filhos).
Mas também é altura para lembrar aqueles que são "abandonados", que se sentem sós e que são marginalizados. E há tantos assim...

Um EXCELENTE proposta.

Não é comum uma comissão de trabalhadores ter uma perspectiva de gestão e de sustentabilidade do futuro da sua empresa.
Existe estrutura, Know-How, Logística (Plataforma e ligação ferroviária) e Acessibilidades perfeitas, bem como estratégica geográfica.
Haverá condições melhores?!
Aveiro só ficaria a ganhar.

Uns vão...

Outros poderão vir (entrar).
Enquanto a Assembleia da República vê partir o seu deputado poeta, e consequentemente, José Sócrates e o PS ficam mais aliviados internamente, Manuela Ferreira Leite e o PSD pderão vir a ter o seu próprio "Manuel Alegre", personalizado por Pedro Passos Coelho.
É interessante o artigo de opinião de João Miguel Tavares, no DN do passado dia 21 de Julho.
Posso concordar com a reflexão de João Miguel Tavares, mas também posso alvitrar um outro desfecho, que não o "engolir o sapo" que o jornalista adianta.
É que não incluir Pedro Passos Coelho numa lista (elegível) de um circulo eleitoral para as próximas legislativas poderá ser analisada por duas perspectivas:
1. Retirar do hemicíclo legislativo uma voz, porventura, dissonante e incómoda (tal como o tem feito, exceptuando a fase pós-europeias).
2. E, em caso de vitória eleitoral nas próximas legislativas, o tempo se encarregará de "abafar" e "esconder" Pedro Passos Coelho.
No entanto, não há bela sem senão, seja na vida, seja na política.
A opção de não incluir Pedro Passos Coelho num circulo eleitoral poderá "vitimizar" o político e lançá-lo como alterantiva ao poder "laranja", caso Manuela Ferreira Leite perca o combate com José Sócrates.
É uma questão de ponderação dos riscos... e ver até que ponto Manuela Ferreira Leita vence esta batalha interna.

Despedidas Democráticas

Não são as minhas... Não precisam de fazer já uma festa!
Manuel Alegre, o político, deputado e poeta, despediu-se, ontem da Assembleia da República.
É indiscutível que Manuel Alegre representa a democracia, a luta pela liberdade, o direito à livre expressão e à cidadania.
Também é inquestionável, goste-se ou não, que Manuel Alegre personaliza, entre outros, a raíz do socialismo.
No entanto, é unânime que Manuel Alegre personaliza o melhor da essência da política, da sua missão e responsabilidade social. Isso é inegável!
Pena que esse sentido de missão (ou mesmo de "vocação") se venha a perder, cada vez mais, na política e nos políticos portugueses.

Descanso...

Descanso merecido. Ou melhor, mais que merecido!!!
Licenciatura feita (felizmente... bem feita) e umas merecidas férias em Islantilla, Huelva (nuestros hermanos)... muito bom e relaxante.
De REGRESSO!

30 anos de saúde...

1979 - 2009.
O Serviço Nacional de Saúde, comemora este ano (com data de referência para 15 de Setembro, segundo a Ministra da Saúde - bem perto das eleições, só por coincidência) o seu trigésimo aniversário.
Fundado ou criado por um socialista, é curioso que é num "reinado" socialista que se assiste à sua degradação e descaracterização.

Voltando à "vaca fria" (II)

A Assembleia da República deve ser um espaço nobre, soberano, representativo da nação e do estado.
A Assembleia da República deve ser um espaço de virtude.
A Política deveria ser uma arte, cultura, respeito e dignidade. Deveria ser um serviço e um exemplo.
A Assembleia da República virou circo e espectáculo de revista à portuguesa.
A Política está perfeitamente descredibilizada e longínqua do cidadão.
Mas não é só por gestos... é por omissões e por palavras.
É indesculpável a atitude do ex-ministro Manuel Pinho (o do fim da crise, da mão-de-obra barata, da China, da velocidade na auto-estrada, etc, etc, etc).
Mas porque razão se desculpou e se manteve em funções, por exemplo, o deputado José Eduardo Pereira do PSD que usou todo o dicionário que sabia no confronto com o deputado Afonso Candal?!
E outros tantos casos de falta de respeito institucional e parlamentar?!
Até nisso se vê que na política, nos partidos e na Assembleia da República, dignidade, coerência e democracia é algo que não abunda.