Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Laranja eleitoral

http://www.psddistritalaveiro.com/wp-content/images/logo_PSDDistritalAveiro.png

Enquanto o país se vai dispersando pela teoria da conspiração da tragédia da Praia do Meco ou se o pequeno Daniel, na Madeira, regressa ou não a casa dos pais, passou, praticamente, despercebido um conjunto de processos eleitorais internos no PSD. Alguns com claro impacto no futuro, tal como aqui referi: Dois recados “laranjas”…, ou seja, a reeleição de Passos Coelho como líder social-democrata.

De facto, na continuidade dessa reflexão feita no referido post, é notória uma realidade relevante: os 88% de votos conquistados por Pedro Passos Coelho representam metade dos votos conquistados nas directas, em 2010. Nas eleições internas desse ano (ainda na oposição) Passos Coelho derrotou Paulo Rangel e Aguiar-Branco, conquistando cerca de 31700 votos (num universo de cerca de 51750 militantes votantes). Neste fim-de-semana, o actual líder do PSD e Primeiro-ministro obteve cerca 15500 votos (num universo de pouco mais de 17600 votantes). Razões, poderíamos apontar diversas, realçando duas: primeiro, o fim do “estado de graça” e de alguma ilusão sentida em 2010 por muitos militantes do PSD, face à forma como o Governo tem liderado a recuperação do país; segundo, o facto do partido, infelizmente (para o partido e para o país), não ter encontrado qualquer alternativa a Passos Coelho.

Apesar do gáudio centrista, continuo com a convicção que esta não foi a melhor notícia nem para o PSD, nem para o País, neste fim-de-semana.

Mas nem tudo azedou no universo político “laranja”.

Em Aveiro, Ulisses Pereira renovou a sua liderança à frente da distrital do PSD, com cerca de 95% dos votos. Isto num universo de mais de 63% de militantes eleitores (em cerca de 2500 votantes, Ulisses Pereira conquistou mais de 2300 preferências).

E esta foi uma semana cheia para o deputado aveirense social-democrata. No decorrer da passada semana, dando continuidade ao seu

trabalho no anterior mandato, Ulisses Pereira foi o escolhido para coordenador do PSD na Comissão de Agricultura e do Mar na Assembleia da República.

E é curioso que Aveiro tem vindo a ver crescer o seu peso político no interior do PSD: o presidente e o vice-presidente do Grupo Parlamentar (Luís Montenegro e Amadeu Albergaria), o presidente do Conselho de Administração da Assembleia da República (Couto dos Santos), o coordenador do Grupo de Trabalho Desporto (Paulo Cavaleiro), a coordenadora da Subcomissão de Igualdade (Paula Cardoso), o vice-coordenador da Comissão de Ambiente e Poder Local (Bruno Coimbra), e a vice-coordenadora da Comissão de Saúde (Carla Rodrigues). Isto para além da referida escolha de Ulisses Pereira.

Bom era que o impacto desta realidade na governação fosse outro… esperemos por melhores marés.

Hoje é dia de … Holocausto.

Em 2005 a Organização das Nações Unidas instituiu o dia 27 de janeiro como o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

A data tem uma relação directa com um dos acontecimentos mais marcantes da história contemporânea (II Guerra Mundial), nomeadamente com a chegada do exército da então URSS ao mais mortífero e “emblemático” campo de concentração: Auschwitz-Birkenau.

Este foi o maior centro de destruição humana que marcou a história da II GG: cerca de 1,3 milhões de pessoas foram mortas nas câmaras de gás e, posteriormente, incineradas, ou simplesmente fuziladas. Foram homens, mulheres, crianças. O maior atentado contra a dignidade humana não respeitou judeus, polacos, ciganos ou prisioneiros de guerra e de opositores ao regime Nazi, entre outros; não respeitou raças, etnias, credos e religiões ou orientações sexuais.

Pela memória…