Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

26
Mar 18

Praticamente desde o início do ano que não se fala noutra coisa, com um ou outro intercalar, que não seja a limpeza das florestas e terrenos, tendo a temática, nesta semana, assumido contornos de desígnio nacional ao ponto de assistirmos, no terreno, ao "exemplo" do Presidente da República e do Primeiro-ministro.

Se os incêndios do verão de 2017 foram marcantes na sociedade portuguesa e deixarão, infelizmente por muitos anos, marcas muito significativas em muitas comunidades e famílias, apesar da factualidade, a verdade é que há outras realidades que importa destacar e que têm sido relegadas para segundo (ou terceiro ou quarto ou...) plano na agenda.

E esta semana que termina arrancava com uma nota preocupante, demasiado preocupante, para deixar cair no esquecimento: há cerca de mil pessoas internadas nos hospitais, após terem alta clínica, por não terem para onde ir. E alguns órgãos de comunicação social reforçavam a questão com o foco no custo anual na ordem dos 100 milhões de euros para o Sistema Nacional de Saúde.

O valor em causa, conhecida que é a realidade financeira do SNS e da Saúde em Portugal, é revelador e significativo. 100 milhões de euros, num ano, é "dinheiro".

Mas mais do que todos estes euros o que é, de facto, preocupante são os dados que revelam uma triste realidade: a do abandono das pessoas, a indiferença da família, ou a incapacidade que as mesmas famílias têm para garantir um serviço "mínimo" de cuidados paliativos ou continuados.

Segundo a Associação Portuguesa dos Administrados Hospitalares, em fevereiro deste ano, estavam apuradas cerca de 960 pessoas em internamento continuado por razões sociais (os chamados "internamentos sociais").
Destas, 533 aguardam resposta de integração na Rede de Cuidados Continuados e 350 pessoas continuam numa cama de um hospital porque a família a abandonou ou não tem capacidade de resposta (estrutural e financeira) para garantir os cuidados necessários.
Mas é ainda preocupante o dado que revela que 73% destes "internamentos sociais" correspondem a pessoas com mais de 65 anos.

Quando no mais recente período de recessão e da intervenção externa Portugal assistiu a uma considerável vaga de emigração era uso corrente afirmar-se que "este país não era para os jovens".

Retomando a questão dos incêndios, por mais matas e terrenos que se limpem, a questão é essencialmente demográfica e social (muito para além das faixas de combustível, dos eucaliptos ou do siresp): o despovoamento das aldeias, o envelhecimento do país, a migração para os grandes centros e para o litoral, o abandono agrícola, entre outros, tornam a questão administrativa e legislativa um mero exercício político do combate aos incêndios. E tal como na saúde é caso para, nos dias de hoje, podermos dizer com a mesma assertividade: este país não é para velhos (passe a expressão).

thumbs.web.sapo.io.jpg

(créditos da imagem: Luís Forra / Lusa - in sapo lifestyle)

 

publicado por mparaujo às 00:26

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

29 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

28
29
30


Visitas aos Arcos
Siga-me
links