Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

29
Set 19

image1170x530cropped.jpg

(créditos da foto: Christopher Reardon / ACNUR-ONU)

A ONU declarou instituiu, desde 2000, o dia 20 de junho como o "Dia Mundial dos Refugiados". Hoje, 29 de setembro, a Igreja Católica celebra o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado.
Podendo parecer uma duplicação de datas, independentemente de crenças e credos, a verdade é que todas as datas, todos os momentos são importantes para lembrar e alertar para o maior flagelo da humanidade, nos dias de hoje. Por mais movimentações, greves, manifestações, intervenções que, legitimamente e com toda propriedade, nos avisem para a vertente ambientalista. Nada vale mais que a dignidade e vida humana.

Importa, por isso, lembrar. A ACNUR (Agência de Refugiados das Nações Unidas) estima (em 2018) que mais de 70 milhões de pessoas, em todo o mundo, fujam da guerra, de perseguições e conflitos políticos, étnicos e religiosos, e da ausência de condições de sobrevivência (muito por culpa das alterações climáticas que alguns teimam em negar). Sendo que este número representa um aumento de mais de 50% do número de refugiados na última década.
Das 70,8 milhões de pessoas... 25,9 milhões (50% são crianças, sendo que milhares estão sozinhas) foram forçadas a sair dos seus países por causa da guerra, conflitos e perseguições ou pela sobrevivência "natural"; 3,5 milhões de solicitaram refúgio (nomeadamente por razões políticas, sociais e humanitárias); e 41,3 milhões de pessoas são considerados "deslocados internos" (foram obrigadas a abandonar as suas casas mas permanecem no país). Os principais países de origem são a Síria, Palestina, Iémen, Sudão do Sul, Afeganistão, Ucrânia, Mianmar/Bangladesh, Somália, Burundi, Ucrânia, África Subsaariana (República Centro-Africana, Senegal, Mali, Costa do Marfim, Nigéria, Gâmbia, República Democrática do Congo, Uganda), Venezuela e El Salvador, Nicarágua e Guatemala (que atravessam o México para chegar aos Estados Unidos).
Retomando o número apurado de refugiados (25,9 milhões fora dos seus países de origem) e contrariando o estigma instalado em muito do discurso comum (quer na Europa, quer nos Estados Unidos), 80% destas pessoas vive nos países vizinhos aos de origem (mesmo que em campos de refugiados). Aliás, os três países que mais refugiados acolhe são a Turquia, o Uganda e o Paquistão (6,3 milhões de pessoas).

Interessante é a abordagem do Vaticano à problemática e a forma como a questão dos Migrantes e dos Refugiados foi apresentada, neste dia.
NÃO SE TRATA APENAS DE MIGRANTES... Trata-se também dos nossos medos.
Ou se preferirmos... a desconstrução desses medos. Da multiculturalidade, da diferença, da "invasão".
NÃO SE TRATA APENAS DE MIGRANTES... Trata-se também da nossa humanidade.
Da responsabilidade que os chamados países desenvolvidos, as potências, os países dominantes, tiveram e têm nas regiões empobrecidas, escravizadas, exploradas, desfeitas pelos conflitos e guerras (alimentados, interessadamente, à distância).
NÃO SE TRATA APENAS DE MIGRANTES... Trata-se de não excluir ninguém.
Porque todo o ser humano tem direito à vida e vida com dignidade. Porque ninguém é refugiado porque quer, por opção, mas sim por imposição, por uma questão de sobrevivência.
NÃO SE TRATA APENAS DE MIGRANTES... Trata se de colocar os últimos em primeiro lugar.
Porque a todos devem ser garantidas as mesmas oportunidades. Porque todos devem ter direito a um lugar para viver. Porque para com os mais frágeis, os mais desprotegidos, há o dever colectivo de proteger e ajudar.
NÃO SE TRATA APENAS DE MIGRANTES... Trata se da pessoa toda e de todas as pessoas.
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade. (artigo 1.º da declaração Universal dos Direitos Humanos).

Enquanto que no primeiro semestre de 2019, 34.226 migrantes e refugiados chegaram à Europa através do Mediterrâneo e, no mesmo período, 683 não chegaram a sentir o sabor (mesmo que condicionado) da liberdade e de uma nova vida. Fugiram da morte para encontrar a morte.
Enquanto que, naquele que é uma dos maiores ataques à dignidade, direitos universais e ao respeito pelo outro, na fronteira dos Estados Unidos com o México, mais de 911 crianças (20% das quais são bebés ou com idade inferior a 5 anos) foram retiradas à sua mãe, ao seu pai, às suas famílias. Para além das condições desumanas com que o Centro de Detenção em Homestead, na Florida, acolhe mais de 2.000 crianças e jovens (dos 13 aos 17 anos).

E porque a história nunca deve ser travada... vem à memória as imagens de Alan Kurdi (numa praia da Turquia) e do pai a abraçar a sua filha bebé, ambos mortos, no Rio Grande, na fronteira México-Estados Unidos - Óscar Ramírez e Valeria.

2716e32bc76b46ca7b599ab37b420db5-783x450.jpg645x344-americas-aylan-kurdi-moment-salvadoran-fat

publicado por mparaujo às 20:54

25
Set 19

Os resultados do recente processo eleitoral na Madeira têm leituras que mostram uma diversidade de "estados de alma" e distintas interpretações que acumulam vitórias e derrotas numa mesma análise.

Registo, numa primeira abordagem, para o aumento do número de votantes e para a consequente diminuição da taxa de abstenção que condicionou, em parte, os resultados finais.

Contra a vontade de todos os outros partidos candidatos, sem excepção, o PSD ganhou as eleições regionais na Madeira com 39,42% dos votos expresso, elegendo 21 deputados.
Apesar de ter, pela primeira vez em 43 anos, perdido a maioria, a verdade é que foi o partido vencedor e tudo indica para que continue a governar a Madeira.
Mas há ainda outro dado importante. Embora tenha perdido a maioria, obtido menos 4,93% dos votos, em relação a 2015, em termos absolutos, o PSD perdeu apenas 121 votos expressos.

Em relação ao PS, que nestas eleições conquistou mais 36.633 votos, mais 24,33% que em 2015, é clara a sua subida eleitoral, mesmo que isso não signifique uma maior representatividade do partido na Madeira, já que é claríssima a transferência de votos do BE, da CDU e do Juntos pelo Povo (JPP) nas urnas.
Para além disso, os resultados espelham um sabor agri-doce, uma manifesta "morte na areia da praia": os socialistas não venceram as eleições e não retiraram o PSD do poder (apesar do forte investimento político e de recursos).
Mais ainda... com as enormes derrotas da CDU e do BE (menos 4.483 votos e menos 1 deputado, e menos 2.361 votos, com 0 deputados, respectivamente) e uma clara transferência de eleitorado proveniente do JPP (menos 5.284 votos e menos 2 deputados), o PS não ganhou, não obteve uma maioria absoluta tão desejada e planeada, não retirou o poder ao PSD e, ainda, não conseguiu projectar para o arquipélago o quadro político do continente patente na geringonça.

Curiosamente, quem mais aclamou vitória foi o CDS, um dos partidos que mais perdeu nas eleições (menos 9.243 votos e menos 4 deputados).
O facto é que este partido da direita acaba por ter a "faca e o queijo na mão", sendo a porta da continuidade do PSD na liderança governativa do arquipélago ou a mudança da conjuntura política insular. E tal como acontece no continente, o CDS mantém-se à "boleia" do poder desde 1974.

Não sendo previsível que o CDS insular crie uma crise partidária interna, o mais provável, com maior ou menor negociação política, é que o PSD tenha o apoio dos centristas para governar a Madeira, com apoio parlamentar ou, até, com a cedência de cargos governativos.

Mas a principal leitura dos resultados das Eleições Regionais na Madeira é a notória perda eleitoral da esquerda (por exemplo, a perda de todos os deputados bloquistas) e a incapacidade de repetir o que António Costa conseguiu em 2015: o afastamento do PSD e do CDS do poder e uma aliança das esquerdas.
Um mau presságio para as legislativas de 6 de outubro? A ver vamos...

800.jpg

publicado por mparaujo às 21:32

21
Set 19

As questões ambientais, mais do que estarem na moda, são o grande tema da agenda política internacional, desde a ONU (são várias as afirmações e intervenções de António Guterres sobre o ambiente) ao Vaticano (nota para a Carta Encíclica, do Papa Francisco, Laudato Sí, sobre os cuidados com a "casa comum"). E são-no pela sua importância e impactos para a sobrevivência humana, para todos os seres vivos, e para a preservação do planeta, salvaguardando o presente e precavendo o futuro.

Por outro lado, recentemente, entrou também no espaço público a temática da nutrição e da alimentação saudável, apesar da confusão entre o que é "comer saudável" e o que são opções alimentares. Estas últimas mais relacionadas com modas e caprichos sociais do que propriamente com opções alimentares (mesmo que as haja).

Juntar as duas temáticas, embora possam ser relacionadas, traz uma mistura que, passando a linha racional, corre o risco de facilmente se tornar explosiva, pela demagogia, pelo populismo e extremismo, desvalorizando e menorizando a sua importância, o seu papel e o seu impacto.

Mas se ainda se pode entender (mesmo que não se concorde) que estas confusões e misturas surjam no cidadão comum, o mesmo torna-se incompreensível e inaceitável quando em causa está o universo científico e o espaço do saber e do conhecimento por excelência.

Esta semana, a Universidade de Coimbra (UC) decidiu abolir, proibindo a partir de janeiro de 2020, o consumo de carne de vaca nas suas 14 cantinas universitárias.

Que a Universidade de Coimbra (ou qualquer Universidade, ou qualquer entidade pública ou privada, ou qualquer comunidade, ou qualquer cidadão, ou qualquer...) tenha como preocupação o cuidado ambiental e as alterações climática (graves e cada vez mais frequentes) é de louvar. Que a UC queira tentar ser descabornizada (pegada zero de carbono) é um desafio e uma meta louváveis. Que uma instituição de ensino superior, essencial para a promoção da ciência e do saber e para a valorização do conhecimento, embarque em sensacionalismos e extremismos, pondo em causa o racionalismo e, até mesmo, os valores científicos, é de bradar aos céus.

Com a medida anunciada pelo Reitor da mais antiga Universidade do país, Coimbra até poderá ser a primeira (como o Reitor definiu) instituição portuguesa de ensino superior neutra em carbono. Mas também não deixa de ser a primeira universidade a cair no ridículo, no facilitismo de decisões demagogas, num alvo fácil para as críticas (fundamentadas) e para a chacota.
Primeiro, porque o aumento da produção de CO2 tem outros factores e origens muito mais relevantes que a influência bovina (que produz metano há séculos). Por exemplo, os transportes, a indústria, o plástico, a energia, etc.
Segundo, porque a consciencialização do mundo rural para as alterações climáticas é hoje muito elevada, já que elas têm, na agricultura, um impacto muito forte.
Terceiro, porque a produção animal (nomeadamente a criação de bovinos) faz-se, hoje, com elevados cuidados ambientais e uma melhoria considerável nas suas práticas. E não é líquido que a denominação de "alimento mau", substituído por hipotéticos "alimentos bons", traga benefícios no excesso de produção alimentar nacional e mundial. Isto porque, por exemplo, a substituição da carne de vaca pela soja, exigindo um produção extensiva desta
leguminosa provoca, igualmente, conflitos ambientais (como, por exemplo, o excesso de consumo de água).
Quarto, porque a agricultura é o sector que mais fixa carbono, mas contribui também com 10% para as emissões. Destes 10% apenas 2,5% dizem respeito aos ruminantes e destes só 1,5% diz respeito aos bovinos de carne. A descarbonização da sociedade portuguesa não se resolve à custa dos bovinos de carne, nem reside aí a sua maior preocupação (dados Ministério Agricultura, dezembro 2018).
Quinto, porque a decisão não democratiza a opção e liberdade de escolha da dieta alimentar de cada um (seja com carne, peixe, vegetais, fruta, etc.).
Sexto, porque é um ataque e uma afronta à comunidade científica, nomeadamente ao processo de ensino presente no Instituto Politécnico de Coimbra, nomeadamente na sua Escola Superior Agrária.
Sétimo, porque a coesão territorial, a defesa da interioridade e da ruralidade, dos impactos demográficos, devia estar presente nas opções e acções da Universidade de Coimbra. Há, nesta decisão, um claro e óbvio sentimento de superioridade do urbano em relação ao rural.
Oitavo, porque não são conhecidas, nem foram tomadas, medidas mais eficazes para a mitigação ou para a descabornização da Universidade de Coimbra, como, por exemplo, eficácia energética, redução (ou eliminação) do plástico, entre outros.
Nono, porque os alunos que aplaudiram a opção da Reitoria da UC são os mesmos que optam por "dietas sociais", por pseudoambientalismos, mas que não deixam de lado os pópós novos que os papás ofereceram quando terminaram o 12.º ano.
Décimo e por último, porque é muito fácil contrariar o Magnífico Reitor da Universidade de Coimbra. Contrariar e banalizar... basta perguntar que exemplo o mesmo reitor dá na defesa e preservação do ambiente e do planeta. Por ventura, segue o exemplo do autarca de Amesterdão que se desloca para o trabalho de bicicleta? Isto seria, seria o melhor contributo para uma pegada ecológica mais verde na Universidade de Coimbra.

Bastavam 10 "mandamentos" para uma decisão mais ponderada, mais ambientalista, mais racional e científica. No mínimo...

71071240_516254659154291_8965074997185871872_n.jpg

publicado por mparaujo às 23:17

15
Set 19

Reza o segundo dos 10 Mandamentos que não se deve invocar o nome de Deus em vão.

A propósito de se assinalar, hoje, o 40.º aniversário da criação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), António Costa evocou a memória de Mário Soares e de António Arnaut para os qualificar de "pai e mãe" do SNS.
Importa, primeiro, dar nota que, aquando da criação do SNS (1979), António Arnaut era Ministro de Estado dos Assuntos Sociais, no II Governo Constitucional liderado por Mário Soares em coligação, curiosamente, com o CDS (Freitas do Amaral) e que durou, apenas, cerca de 8 meses.

É inegável e inquestionável o papel do então ministro António Arnaut e a opção política e social protagonizada pelo governo de Mário Soares na implementação de um sistema que abriu as portas dos cuidados de saúde, do direito à protecção da saúde, a todos os cidadãos (portugueses ou estrangeiros), independentemente da sua condição económica e social. Este é um dos símbolos da Revolução do 25 de abril de 74 e da Democracia do 25 de novembro de 75, permitindo criar condições para um país mais desenvolvido, mais produtivo (por haver cidadãos mais saudáveis e mais activos) e economicamente mais estável.
É indiscutível que o SNS trouxe um desenvolvimento tecnológico e um maior conhecimento técnico e profissional na área da saúde, possibilitou melhores cuidados, criou uma rede de prestação médica (hospitais, centros de saúde, etc.), baixou a taxa de mortalidade infantil e contribuiu para o aumento, em 10 anos, da esperança média de vida, entre outros.
Mas também é claro que a Saúde trouxe uma bipolarização no seu conceito, na sua estruturação, nos seus princípios, nomeadamente do ponto de vista ideológico e político.
E é na vertente ideológica que o SNS enfrenta o seu maior desafio, a par com os conhecidos e sinalizados problemas de sustentabilidade, na resposta a uma população envelhecida e no aumento e alteração da tipologia das patologias actuais (cardiovasculares, respiratórias e oncológicas, por exemplo).

Para o Presidente da República, numa declaração pública, emitida hoje, sobre o SNS, "o que une os portugueses é muito mais do que aquilo que os separa". No entanto, a realidade contraria Marcelo Rebelo de Sousa. Há duas questões que são comuns aos portugueses: os cidadãos são o princípio e o fim do SNS e as críticas ao actual estado da saúde em Portugal. Mas a diferença ideológica em relação ao SNS cria muito mais clivagens que uniões. A interpretação da responsabilidade do Estado (governo) na "definição e coordenação global da política de saúde" (número 1, do artigo 3.º) divide direita, esquerda e centro.

E nesta matéria, o que a realidade actual demonstra é que a Esquerda, a tal que se afirma como titular exclusiva da defesa do SNS, foi a que, nos últimos 4 anos mais atacou e colocou em causa a sobrevivência e o futuro do SNS, facto que culminou com a aprovação da surreal e irrealista Lei de Bases da Saúde, naquela que é a maior contradição entre a realidade e a ideologia.

Os factos são evidentes.
Quer a Organização Mundial de Saúde (OMS), quer o Conselho Nacional de Saúde, referem que Portugal é dos quatro países da União Europeia com menos investimento na saúde (despesa de 9% do PIB, sendo que só 4,6% são investimento... 40% da despesa na saúde cabe aos portugueses).
É o próprio Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, responsável pela área financeira do SNS, que contraria as declarações de Mário Centeno a propósito do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) e questiona a sustentabilidade da Saúde em Portugal. Para essa sustentabilidade é preciso o dobro dos 300 milhões previstos, sugerindo um aumento da carga fiscal (diminuindo os benefícios fiscais na saúde, em sede de IRS, de 15% para 5%).
Além disso, o espírito que sustentou a criação do SNS, o princípio da equidade social e da universalidade está longe de ser cumprido, não garantindo (tal como na justiça e na educação) um acesso igual a todos os cidadãos. Por exemplo, actualmente há cerca de 600 mil cidadãos, em Portugal, sem médico de família.
Por outro lado, o SNS é um poço de contradições políticas e ideológicas espelhadas no caos que foi a gestão da pasta da saúde durante estes quatro anos.
Importa recordar a tensão entre médicos e enfermeiros e o Governo, durante a legislatura que agora termina. Podendo acrescentar-se o número de médicos e enfermeiros que preferem (ou são obrigados) a deixar o país (entre janeiro e junho deste ano, foram entregues 386 pedidos de certificados de médicos que querem exercer no estrangeiro, o triplo face ao mesmo período do ano passado que foi de 130).
Por mais que Mário Centeno queira provar o contrário, as inúmeras demissões das direcções clínicas e administrações hospitalares, o desinvestimento, as permanentes carências dos serviços são o espelho, mais que óbvio, das chamadas cativações que assolaram o SNS.

Mas a principal questão do SNS centra-se no preconceito ideológico da esquerda, nomeadamente extremismo do BE e do PCP: as questão do sector privado e das Parcerias Público Privadas.
A maior contradição entre a utopia e a realidade, o irrealismo da obsessão partidária, esteve bem patente nesta legislatura.
Face à realidade do SNS e aos desafios que lhe são colocados, nos dias de hoje, face ao reconhecimento da falta de investimento público no sector e da insustentabilidade financeira da Saúde, a presença dos privados no SNS é inevitável. E foi-o durante estes 4 anos, com a conivência do Ministério e de Marta Temido, do PCP e BE.
A título de exemplo.
A ministra Marta Temido admite contratar serviços a privados para fazer face à falta de médicos, aumentando as parcerias e criando uma maior precariedade laboral.
Por outro lado... o facto: o número de cirurgias, no SNS, atingiu, em 2018, o valor mais alto de sempre, com quase 595 mil doentes operados. Crescimento que se deveu ao recurso ao sector privado e sector social.
É este o outro lado da moeda que faz cair por terra a utopia do BE e PCP: Em 2018 registou-se um aumento de 25,8% de doentes operados em hospitais convencionados e um aumento de 15,5% de doentes operados em unidades do sector privado e social com protocolo com o SNS. Já os hospitais públicos registaram uma redução, fizeram menos 4.787 operações do que em 2017.

As voltas que a ideologia dá, nos 40 anos do SNS.

9e8c45d8feb956dc88dbc4415f8ea008_XL.jpg

 

publicado por mparaujo às 18:45

Regressemos ao pós-eleições Europeias 2019.

Da vitória expressiva (pré)anunciada pelo PS ao abismo e afundamento do PSD, restou o sabor a "poucochinho". Dos cerca de 4% de votos conquistados, em relação a 2014, pelos socialistas resultou a eleição de 9 eurodeputados (e não 10 como esperado), mais 1 que nas anteriores eleições. Dos cerca de 2,48% a mais dos votos somados (PSD e CDS, já que em 2014 tinham concorrido coligados - 27,73% contra os 30,21% em 2019) resultou a manutenção de 6 e 1 eurodeputados, respectivamente.

À contabilidade eleitoral, António Costa adicionou ainda mais contratempos políticos e meias vitórias.
Depois de embandeirar em arco em relação às lideranças do Parlamento e da Comissão, o Primeiro-ministro não só não foi capaz de criar a tão desejada geringonça europeia, como falhou, claramente, nas suas apostas políticas.
Mas António Costa falharia mais duas vezes... Não vale a pena negar o óbvio: a campanha eleitoral europeia centrou-se na aposta e perspectiva de eleger o cabeça de lista do PS, Pedro Marques, para um lugar na Comissão Europeia.
A alteração da "cadeira" da liderança da Comissão de Frans Timmermans para Ursula von der Leyen fez com que António Costa perdesse o seu "benjamim" para Elisa Ferreira (e ainda bem, diga-se, para Portugal e a própria União Europeia). A par disso, o líder socialista pretendia e sonhava com uma vice-presidência que acabou por não se concretizar, tendo-aa perdido para países emergentes no xadrez europeu, como a Eslováquia, a Dinamarca ou a Letónia.

Mas do mal o menos, Portugal tem um lugar na Comissão, ocupado pela primeira vez por uma mulher, com um vasto currículo e uma invejável experiência (partidarices à parte... aliás só não elogiada, curiosamente, à esquerda - BE e PCP): Elisa Ferreira.
Nomeada para uma pasta, ou pelouro, que irá gerir um investimento na ordem dos 300 mil milhões de euros, a ex-Administradora do Banco de Portugal ficará responsável pelo FEDER, pelo Fundo de Coesão, pelo futuro Fundo da Transição Energética e o InvestEU (sucessor do plano Juncker para estimular o investimento no emprego e na criação de emprego), através das políticas europeias de coesão da Europa;, do investimento em comunidades e infra-estruturas locais, como o desenvolvimento sustentável das cidades e áreas urbanas europeias; na ajuda às regiões a recuperar o atraso e a reduzir as disparidades geográficas; no combate à crescente divisão rural ou ao envelhecimento e declínio da população, em diferentes partes da Europa; no apoio às regiões e às pessoas afectadas pelas transições digital e climática. Para além do apoio técnico aos Estados-membros que se estão a preparar para aderir ao Euro.

Mas esta inquestionável excelente notícia para Portugal traz algumas dúvidas e inquietações.
Para Portugal, e eventualmente para a própria Elisa Ferreira, seria mais benéfico e importante outra área de gestão na Comissão. O país, sendo claramente dependente do investimento inerente aos Fundos Europeus como garante de uma boa parte do nosso desenvolvimento (económico, estrutural e social), poderá ficar "refém" da necessária e obrigatória isenção política que é exigida a Elisa Ferreira.
Por outro lado, face à sua elevada experiência (economista, ex-ministra do Ambiente, do Planeamento e ex-Administradora do Banco de Portugal), os seus três mandatos como eurodeputada (2004 a 2016) fazem-nos recordar que fez parte da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários, que foi relatora de várias propostas legislativas relacionadas com o sistema financeiro e com matérias de política económica, orçamental e fiscal. Em 2010, foi responsável pelo relatório sobre a gestão de crises transfronteiras no sector bancário; em 2014, foi a relatora da proposta do regulamento que estabeleceu as regras e procedimentos para a resolução de instituições de crédito e de certas empresas de investimento, no quadro do Mecanismo Único de Resolução, e também da proposta do Fundo Único de Resolução Bancária; bem como relatórios de natureza fiscal.
Neste sentido, uma pasta ligada ao Orçamento, à Economia ou ao Ambiente, não só se ajustavam melhor à sua vasta experiência, como permitiriam uma maior pressão sobre quem titulasse a pasta dos Fundos de Coesão.

Fica a dúvida, não em relação ao seu desempenho e empenho, mas sim ao impacto para Portugal.

1024x600.jpg

publicado por mparaujo às 11:55

08
Set 19

Por mais que se queira negar os factos, a verdade é que desde a última tomada de posse nos comandos do destino brasileiro, aumentaram cerca de 80% as queimadas na Amazónia brasileira.

A mais recente tragédia ambiental assume uma dimensão não só natural, mas social e humanitária. À devastação do "pulmão verde do planeta", segue-se a apropriação abusiva das terras e da madeira, e, principalmente, um claro ataque aos direitos dos Povos Indígenas da Amazónia e dos seus territórios, supostamente, protegidos, culminando numa clara e inaceitável crise de direitos humanos. São sete as regiões que acomodam 28 tribos.
Na região de Acre: Amawáka; Arara; Deni; Nawa. Na região de Amapá: Karipuna; Palikur; Wayampi. Na região de Amazonas: Kambeba; Jarawara; Korubo; Wanana. Na região de Pará: Anambé; Jaruna; Kayapó; Munduruku. Na região da Rondónia: Arara; Aruá; Nambikwara; Tupari. Na região de Roraima: Macuxi; Yanomami; Waiwai; Ingaricô. Na região de Tocantins:  Apinaye; Guarani; Karaja; Kraho; Xerente

5 500 000 km² de floresta tropical, mais 1 500 000 km² de bacias hidrográficas (como o Rio Amazonas, entre muitos outros), numa extensão geográfica (quase duas vezes a União Europeia) que integra grande parte do Noroeste Brasileiro (60% da floresta encontra-se no Brasil), o Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa, incorporam a maior biodiversidade do planeta (2,5 milhões de espécies de insectos, pelo menos 40 000 espécies de plantas, 3 000 de peixes, 1 294 aves, 427 mamíferos, 428 anfíbios e 378 répteis foram classificadas cientificamente na região).

(dever cumprido: https://www.amnistia.pt/peticao/queremos-a-protecao-dos-direitos-dos-povos-indigenas-e-da-amazonia/)

Capturar.JPG

(crédito da foto: Amnistia Internacional Portugal)

publicado por mparaujo às 14:46

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20

22
23
24
26
27
28

30


Siga-me
links