Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Referências são Referências...

É um facto inquestionável que a cultura tem "ideologias" (assim... no plural). Apesar de niguém poder (ou dever) ser dono e proprietário da Cultura, a verdade é que a dinâmica cultural, nomeadamente a individual, é património da ideologia e concepção social do seu criador (músico, escritor, artistas plástico, actor, encenador, programador, whatever). Não há isenção concepcional na Cultura. Ela é o espelho e reflexo da individualidade.

Mas neste contexto, goste-se ou não, estejamos mais próximos ou liminarmente no oposto, uma REFERÊNCIA da cultura, património e identidade de uma comunidade é, e deverá ser sempre, uma REFERÊNCIA.

E quando um referência parte ficará sempre um vazio irreparável e insubstituível. Goste-se ou não.
Apesar do "lado oposto", lamento... ficámos cultural e patrimonialmente mais pobres na música: R.I.P. JOSÉ MÁRIO BRANCO.

José-Mário-Branco.jpg

(crédito da foto: Isabel Pinto, in Comunidade Cultura e Arte)