Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

20.Jul.20

Lembrar Santa Bárbara só quando troveja

das coerências políticas (ou da falta dela) aos seus aproveitamentos mediáticos.

mparaujo
Daquelas razões políticas que a própria razão política desconhece. Aos anos que a Holanda é Holanda... desde a Comunidade do Carvão e do Aço. São generalizadas as críticas ao comportamento do Primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, nas negociações do Apoio Europeu à crise da pandemia no seio do Conselho Europeu. Mesmo que para tal se esqueçam, convenientemente, a Suécia, a Finlândia e a Dinamarca, pelo menos. Basta de ilusionismo política carregado de populismo. Sejamos, (...)
19.Jul.20

Sentimento defraudado

entre confinamentos e desconfinamentos... um enorme risco para que tudo acabe mal.

mparaujo
A frase da "reflexão (desta) semana" recorda Sá Carneiro, no ano de 1978, e termina com a expressão forte: "(...) nós estamos a ver mais uma vez que o Povo Português foi defraudado da sua boa-fé". E fomos... Havia, apesar de alguns erros, alguma perspectiva de que Portugal sairia por cima no combate e na mitigação da COVID-19. Mas do expectável "milagre português" e de algumas referências como "exemplo internacional", rapidamente se passou a um sentimento de decepção e (...)
20.Jun.20

Penálti Falhado...

o mesmo será dizer: bola ao lado com a baliza escancarada.

mparaujo
Relembro, antes de tudo: em março, todos nós batemos muitas palmas à janela e à varanda como reconhecimento pelo trabalho dos (todos) Profissionais da Saúde. Já na altura, mesmo com a vénia devida, lançava um... MAS! Continuando... Estava tudo a correr demasiado bem para não se desconfiar que, nos momentos mais importantes e cruciais, tínhamos que bater (...)
31.Mai.20

Às portas da crise... o governo "autodesconfinou"

Afinal, em tempos de guerra, mudam-se generais (e com muitas estrelas)

mparaujo
É, hoje, mais que claro que o Governo, mais precisamente António Costa, tem um problema político interno, que não será de fácil (di)gestão: chama-se Mário Centeno. Abrandada (pelo aparentemente) a principal vertente da pandemia - a saúde - entrando já, com sinais evidentes, na preocupante vertente das respostas sociais, afiguram-se, para bem breve, os sintomas e os impactos na economia (nacional e global). É neste contexto que, no mínimo, surge como curiosa e surpreendente a (...)
13.Mai.20

#poracasofoiideiaminha (02)

Presidencialismos e eleições presidenciais. Futurologia política.

mparaujo
Não sei se mais mas pelo menos ao mesmo nível que a polémica da injecção secreta de capital no Novo Banco por Mário Centeno (o agente 007 ministerial do governo), a agenda política mediática de hoje ficou marcada pela declaração de António Costa no apoio claro à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa ao segundo mandato presidencial. O facto teve lugar na visita conjunta, hoje, à Autoeuropa, um dos grandes motores da economia nacional, mas que terá deixado Presidência da (...)
13.Mai.20

Da série... os inconseguimentos #05

Uma falha de comunicação ou Mário Centeno borrifou-se para António Costa?

mparaujo
De forma telegráfica... conta-se rápido: o Ministro das Finanças do XXI Governo Constitucional de Portugal, Mário Centeno, quer sair do Governo. Mais... Mário Centeno fez tudo para criar ou potenciar uma crise política governamental. Mas....... com o consentimento (e, porque não, apoio) do próprio Primeiro-ministro, António Costa, apesar de todos os disfarces e ilusionismos políticos. Por partes... Mário Centeno já tinha afirmado na Assembleia da República (há cerca de dois (...)
08.Mar.20

Os "generais" e a batalha política governativa

mparaujo
Mudar ou não mudar "generais" na batalha política. Para o Governo e António Costa, depende se, politicamente, dá jeito ou não. O Presidente da República, agora em casa de pantufas e termómetro na mão, enalteceu, ontem, a forma “madura, tranquila e serena” (sic) como os portugueses estão a reagir ao COVID-19. Embora a observação presidencial seja marcadamente cívica (e, face ao que é o notório alarmismo social, algo questionável) se os portugueses têm sido maduros e (...)
10.Jan.20

Sobre OE2020... curto e grosso

mparaujo
O Orçamento de Estado para o ano de 2020 entrou na sua fase de apresentação e discussão parlamentar com vista à sua (para já, garantida) aprovação na generalidade (globalidade). BE, PCP, Os Verdes, Livre, PAN, a chamada "liga das esquerdas", anunciaram o seu sentido de voto: Abstenção. António Costa e Mário Centeno, desde a primeira hora das abordagens ao OE2020,  apelidaram este Orçamento de continuidade (em função da anterior legislatura) e de esquerda. Face às criticas (...)
10.Out.19

O rescaldo, após todos os rescaldos, das legislativas 2019

mparaujo
Muito resumidamente… breves notas sobre os resultados eleitorais do passado domingo e que, factualmente, irão permitir a António Costa e ao Partidos Socialista formar o 22.º Governo Constitucional da Terceira República Portuguesa. O PS ganhou as eleições, falhando, apesar disso, o objectivo mais que camuflado na campanha mas, óbvia e claramente, mais que desejado, sonhado e esperado: uma maioria absoluta.Ao contrário do que António Costa tem vindo a apregoar, os portugueses (...)
15.Set.19

Ligeiramente atrás (3 meses, precisamente)

mparaujo
Regressemos ao pós-eleições Europeias 2019. Da vitória expressiva (pré)anunciada pelo PS ao abismo e afundamento do PSD, restou o sabor a "poucochinho". Dos cerca de 4% de votos conquistados, em relação a 2014, pelos socialistas resultou a eleição de 9 eurodeputados (e não 10 como esperado), mais 1 que nas anteriores eleições. Dos cerca de 2,48% a mais dos votos somados (PSD e CDS, já que em 2014 tinham concorrido coligados - 27,73% contra os 30,21% em 2019) resultou a (...)
03.Jul.19

A "vitória moral europeia" de António Costa

mparaujo
Apesar de alguns dos resultados das negociações de bastidores na União Europeia necessitarem do escrutínio final são já conhecidas as atribuições de alguns cargos e as propostas de nomes para outros. Quer numa circunstância, quer noutra, há, no entanto, um facto inquestionável: o eixo franco-germânico continua a dominar a política e a economia da Europa (com todo o afundar do peso britânico com o processo do Brexit), ao qual se junta a actual capacidade negocial de países (...)
19.Abr.19

Tocam os sinos nos interior do PS após a greve. O país já não vai em ilusões.

mparaujo
A premissa é mais que válida, responsável e politicamente ética. Rui Rio tem toda a razão quando afirmou, sobre os constrangimentos causados pela greve dos motoristas de matérias de perigosas: (o Governo) «Não pode fazer mais, não vou atacar o Governo naquilo que o Governo não tem responsabilidades, senão não estaria a ser sério». Se, de facto, existe (e deve existir sempre) uma barreira de legitimidade de intervenção do Estado na vida privada, também não deixa de ser (...)
24.Nov.18

A história é lixada...

mparaujo
É lamentável e condenável que António Costa (acompanhado por uma boa parte do país) não tenha a humildade, a coragem e o respeito políticos para referir um facto inquestionável da história política recente: muito do actual "estado de graça" se deveu ao indiscutível esforço dos milhares de portugueses e à inevitável gestão do Governo de Passos Coelho sob os fortes constrangimentos impostos pela Troika (com erros, é um facto, com muito muito sacrifício político) e pelo (...)
23.Set.18

da politização das opções

mparaujo
A politização das opções tomadas na gestão ou governação em determinados sectores, que se esperam blindados a determinadas influências ou pressões e baluartes da independência, comporta riscos acrescidos numa eventual responsabilização futura. António Costa e, por decisão última e final, Marcelo Rebelo de Sousa, optaram por substituir a liderança da Procuradoria Geral da República, não reconduzindo Joana Marques Vidal e nomeando para o cargo Lucília Gago. Vamo-nos (...)
11.Ago.18

A "vitória moral" do Governo, em Monchique

mparaujo
Primeira nota. Não há nada, nem coisa alguma, que tenha igual ou mais valor que a vida. É o direito mais supremo, inalienável, sem qualquer preço. Daí que seja perfeitamente admissível e normal que em qualquer situação e, nomeadamente, em circunstâncias extremas, a prioridade seja o valor da vida e a sua defesa/preservação. Que mais não fosse pelos exemplos de Pedrógão Grande, Pampilhosa, Góis, em 2017. Mas daí a vermos o ministro da Administração Interna a agitar a (...)
28.Fev.18

A (má) tendência para "apagar" a história

mparaujo
António Costa afirmou hoje que «os bons resultados económicos não são obra do acaso mas das políticas» implementadas. Quase que corria o "risco" de concordar com o Primeiro-ministro, o que face à conjuntura que se avizinha com a nova política de oposição do PSD até nem seria nada de extraordinário ou comprometedor. Mas o problema é que António Costa recorre a um mau hábito do PS: o tradicional recurso socialista ao desvalorizar dos factos e da história política, (...)
11.Nov.17

E o povo é estúpido, claro

mparaujo
Não tem havido tema mais criticado e polémico na agenda de hoje, mesmo que no país haja, de facto, assuntos mais prementes (por exemplo, saúde e educação... lá iremos) Mas o facto é que muitos portugueses indignaram-se com a realização do jantar de encerramento da Web Summit 2017 que teve lugar, pasme-se, em pleno Panteão Nacional (na Igreja de Santa Engrácia) mesmo ao lado dos túmulos de Amália, Eusébio, Humberto Delgado, Aquilino Ribeiro, Óscar Carmona, Teófilo Braga, (...)
16.Out.17

Decepcionante, Sr. Primeiro-ministro.

mparaujo
O país não merecia... As populações, as empresas, as comunidades, os combatentes deste flagelo, não mereciam... As vítimas e as suas famílias muito menos mereciam... Foi mau, muito fraquinho, soube rigorosa e objectivamente a nada. A tragédia, o dantismo, a inferno que se vive desde ontem não precisa de ser comparado a Pedrógão Grande. Não tem que ser comparado. Pedrógão teve o impacto do número de vítimas e a trágica forma como faleceram; o cenário que se vive a norte (...)
02.Out.17

Nota prévia pós-eleitoral

mparaujo
O assunto das eleições autárquicas 2017, panorama nacional, será tema a abordar no Debaixo dos Arcos na edição do próximo domingo do Diário de Aveiro (para quarta-feira a análise será outra). Mas há um aspecto relevante nas imensas afirmações proferidas por quem de direito e que merecem esta nota prévia. Há dois factos que são (...)
19.Fev.17

A política da sms

mparaujo
publicado na edição de hoje, 19 de fevereiro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos A política da sms É normal e concebível que um país pare por causa de uma sms? Não... a menos que esse país seja Portugal. Só mesmo aqui. Por mais que o Partido Socialista e o Governo queiram justificar o injustificável o recente processo da CGD foi uma completa trapalhada e confusão política desde o seu início. E por tudo o que até agora foi revelado, quer na comissão parlamentar, quer (...)