Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

26
Jan 20

naom_533139b445e8b.jpg

É um marco incontornável da realidade e história contemporânea: a II Guerra Mundial e o extermínio étnico - Holocausto - que vitimou um número estimado superior a 11 milhões de cidadãos, 6 dos quais homens (3 milhões), mulheres (2 milhões) e crianças (1 milhão) judeus.
Sob o desígnio político-nacionalista Endlösung der Judenfrage (Solução Final), com a ignóbil desculpa/justificação dos lebensunwertes Leben (indignos da vida), foram condenados à morte, morreram pela exaustão do trabalho escravo (o tal que "libertaria") ou pelas condições deploráveis, nos 48 campos de concentração nazi, milhares e milhares de judeus, ciganos, eslavos, polacos, comunistas, homossexuais, maçons, prisioneiros de guerra, deficientes físicos e mentais.

No total,  foram erguidos cerca 48 Campos de Concentração nazis (os mais relevantes) distribuídos por países como a Alemanha, Polónia, Áustria, Noruega, Itália, França, Países Baixos, Croácia, Lituânia, Estónia, Ucrânia, Bielorrúsia, Letónia e República Checa, dos quais 13 eram marcadamente campos de extermínio étnico.

De todos eles o que ganhou uma maior dimensão histórica e social foi o de Auschwitz-Bikernau (que, na verdade, era uma rede de 3 campos no sul da Polónia: Stammlager Auschwitz (administrativo); Auschwitz-Bikernau (extermínio) e Auschwitz-Monowitz (trabalho forçado), e ainda mais 45 pequenos campos satélites) pelo seu peso, pela sua dimensão e relevância no terrível genocídio.

A 27 de janeiro de 1945, no final da II Grande Guerra, as tropas soviéticas iniciaram o processo de libertação dos prisioneiros dos Campos de Concentração de Auschwitz.
São 75 anos de muitas histórias de sobrevivência, de clamor pemanente por justiça, de intensas memórias...

Porque a história nunca pode ser travada...
Para que a MEMÓRIA «Nunca esqueça que, na história e na vida de milhões de pessoas, existiu um lugar chamado Auschwitz»...
Pelos 'auschwitz' e 'holocaustos' que vivemos, promovemos e assistimos HOJE!

Auschwitz (2020)(créditos das fotos: Memorial Museum Auschwitz e ONU)

Livros Auschwitz

publicado por mparaujo às 15:50

27
Jan 19

27 de janeiro... data escolhida pela ONU para assinalar o "Dia Internacional da Lembrança do Holocausto".
Este é o dia que assinala a libertação dos prisioneiros do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau pelo Exército Vermelho (27 de janeiro de 1944, processo terminado em 1945).

74/75 anos depois... 75 anos que a história ainda tem a obrigação, o dever, de lembrar:

  • em 6 anos (1939-1945), o genocídio de cerca de 6 milhões de judeus (1 milhão de crianças, 2 milhões de mulheres, 3 milhões de homens);
  • 11 milhões de pessoas: além dos 6 milhões de judeus, mais 5 milhões de ciganos romenos, homossexuais, deficientes físicos e mentais, eslavos da Europa Oriental, Poloneses Sérvios, prisioneiros de guerra.

74/75 anos depois, numa Europa mergulhada numa total indefinição quanto ao seu futuro e à sua sobrevivência, quer como Continente (do ponto de vista histórico, geopolítico e geoestratégico), quer no âmbito da União Europeia, importa não deixar morrer a memória colectiva... porque a História nunca deve ser travada.

ausch.jpg

publicado por mparaujo às 18:59

27
Jan 14

Em 2005 a Organização das Nações Unidas instituiu o dia 27 de janeiro como o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

A data tem uma relação directa com um dos acontecimentos mais marcantes da história contemporânea (II Guerra Mundial), nomeadamente com a chegada do exército da então URSS ao mais mortífero e “emblemático” campo de concentração: Auschwitz-Birkenau.

Este foi o maior centro de destruição humana que marcou a história da II GG: cerca de 1,3 milhões de pessoas foram mortas nas câmaras de gás e, posteriormente, incineradas, ou simplesmente fuziladas. Foram homens, mulheres, crianças. O maior atentado contra a dignidade humana não respeitou judeus, polacos, ciganos ou prisioneiros de guerra e de opositores ao regime Nazi, entre outros; não respeitou raças, etnias, credos e religiões ou orientações sexuais.

Pela memória…

publicado por mparaujo às 11:18

27
Jan 12
27 de Janeiro... a História nunca pode ser travada!

67 anos após o encerramento de Auschwitz, hoje é dia de lembrar o Holocausto.
Não só as vítimas dos campos de concentração, como todos os que foram vítimas das experiências médicas medonhas do regime Nazi, bem como as perseguições e execuções sumárias nas cidades dos países ocupados durante a Segunda Grande Guerra...


7 milhões de polacos dos quais 3 milhões de polacos judeus
6.1 milhões de judeus dos quais 3 milhões de judeus polacos
6 milhões de outros civis eslavos
4 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos
1.5 milhões de dissidentes políticos
800 000 roma e sinti
300 000 deficientes
25 000 homossexuais
publicado por mparaujo às 22:56

pesquisar neste blog
 
arquivos
2020:

 J F M A M J J A S O N D


2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


Siga-me
links