Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

30
Nov 19

Enquanto uns se deslumbrem com as aparências ou com fugazes efeitos cénicos, Aveiro viveu, hoje (no encerramento de mais um mês), o verdadeiro espírito da social democracia. A verdadeira, a real, a paradigmática... sem populismos, sem demagogias.
A social democracia que importa para o PSD, para os portugueses e para o país.

O auditório do Parque de Feiras e Exposições de Aveiro encheu, de forma simples mas muito real, para ouvir Rui Rio afirmar-se como um verdadeiro líder: frontalidade, transparência, saber, experiência e, principalmente, um inequívoco sentido de Estado bem cimentado no que são os verdadeiros pilares da social-democracia - igualdade de oportunidades, solidariedade e justiça social.

Rui Rio foi mais uma vez, para além de igual a si mesmo, muito realista, directo e concreto: «Candidato-me a presidente do PSD por Portugal». O PSD é o contexto instrumental, o meio para atingir o sublime sentido da política: servir o país e os portugueses, com o olhar e pensar ideológico e político da social-democracia (bem ao centro, sem desvios dos princípios, dos valores e da génese que nortearam o partido). Com o objectivo de alcançar 'Melhores empregos, melhores salários, melhores serviços públicos, melhor qualidade de vida para os portugueses'.

Só com Rui Rio será possível um PSD em condições de servir melhor Portugal, de ser alternativa governativa, de reconquistar o centro e honrar a história do partido e dos seus fundadores.
Um PSD dos sociais-democratas, das bases do partido, (re)implantado e de novo enraizado no poder local, aberto à e com a sociedade, focado no país e nos portugueses.

Com RUI RIO: PORTUGAL AO CENTRO.

rio-aveiro-2-702x320.jpg

publicado por mparaujo às 22:59

01
Jun 19

Faltam 7 dias para terminar a campanha de crowdfunding para apoiar o projecto de cidadania no Bairro de Santiago, em Aveiro: "Fotojornalismo na redação Santiago".
Dos 3.085,00€ estão angariados cerca de 42% (1.326,00€)... faltam apenas 1.759,00€ para que as crianças e jovens de Santiago possam concretizar o seu sonho de exporem, no próximo dia 10 de junho, os trabalhos fotográficos que fizeram no âmbito do projecto "Lab Cívico Santiago".
Um clique e 1,00€ podem fazer toda a diferença.
É só isto que basta... 1 clique + 1,00€ (ou os euros disponíveis e possíveis).

O projecto "Fotojornalismo na Redacção Santiago", coordenado pelo fotojornalista Adriano Miranda, é uma das iniciativas criada no âmbito do laboratório cívico e consiste na ideia de colocar crianças e jovens a fotografarem o seu bairro.

60109044_397760714287804_981327463663534080_n.jpg

publicado por mparaujo às 10:07

12
Mai 19

57345622_383991285664570_8898891303501168640_o.png

Passe (ou exclua-se, por completo) o saudosismo da expressão, a verdade é que "ainda sou do tempo" de ver nascer e crescer o Bairro de Santiago. Ou, sem qualquer tipo de constrangimento, porque é essa a sua génese... a Urbanização Social (habitação económica de promoção pública estatal - FFH, IGAPHE, IHRU e CMA) Bairro de Santiago.

Planeada por volta de 1973, seria com Girão Pereira que o Bairro ganha corpo e execução física, em 1983, com um conjunto significativo de complexidades processuais e pressões da comunidade. Por exemplo, recorda-se a expropriação/compra dos terrenos, o tão falado (à data) "muro da vergonha" que pretendia separar/delinear o bairro da Rua Dr. Mário Sacramento, ou, ainda hoje sentida, a problemática da inclusão/inserção social.

Se a gestão patrimonial e imaterial do Bairro, com mais ou menos intensidade (em função das conjunturas) a Junta de Freguesia (agora) da Glória e Vera Cruz e, principalmente, a Câmara Municipal de Aveiro têm sabido desempenhar o seu papel e cumprir com as suas responsabilidades, o facto é que o Bairro de Santiago é muito mais que os cerca de 1000 fogos, os 50 espaços não habitacionais ou o seu Centro Escolar (para além da sua envolvendo, como o ISCAA, a Universidade, a escola João Afonso, o Hospital ou o Parque Infante D. Pedro).

A Urbanização de Santiago é, essencialmente, um complexo e emaranhado de existências e histórias muito particulares, uma realidade social difícil e labiríntica porque assenta nas vivências das pessoas que habitam, vivem e sobrevivem no Bairro. E é sobre esta complexidade social que importa dar nota e dar o devido mérito a quem intervém, de forma activa e desprendida, em projectos de cidadania participada.

Cumpridas, pelas entidades públicas, as suas responsabilidades, é importante realçar projectos mobilizadores de cidadãos para dar respostas práticas que cabem aos próprios cidadãos, e não estarem à espera, constantemente, que o Estado/Público responda a tudo.

Se o Bairro de Santiago é feito, também, das vivências e histórias das pessoas, devem ser "as pessoas" a dar vida ao Bairro, a cumprir a sua função social, inclusiva e participativa.
Deste modo, só posso curvar-me e "aplaudir" o projecto de cidadania "Lab Cívico Santiago", espelhado neste artigo no jornal Público da jornalista Maria José Santana (Eles estão a melhorar o bairro, “sem orçamento e apenas com voluntários”).
Aos AMIGOS José Carlos Mota, Gil Moreira e Adriano Miranda, à equipa técnica das Florinhas do Vouga e aos mediadores/coordenadores da Universidade de Aveiro (DCSPT e DECA), à Associação Mon Na Mon, entre outros, a cidade e o Bairro agradecem.
Eu, pessoalmente, fico orgulhoso pelo trabalho desenvolvido. Bem hajam!

publicado por mparaujo às 16:14

17
Jun 18

e politicamente (in)correcto.

Aveiro anda em "sobressalto", diga-se bastante agitada, por causa do Rossio (Aveiro).

A uma semana do tema ter "honras de Estado" na próxima sessão da Assembleia Municipal importa "concordar em discordar".

A passividade, a apatia, a falta de participação e intervenção cívicas, no dia-a-dia, nos "espaços públicos" ou nos momentos cruciais da vida comunitária e do país (seja no direito ao exercício do voto, seja nas simples sugestões ou contributos) da generalidade dos portugueses é igualmente proporcional à forma como manifestam indignação e descontentamento perante resultados (mais ou menos) finais. Daí a sabedoria popular raramente errar no espelhar das realidades: "casa roubada, trancas à porta" ou "lembrar Sta. Bárbara quando troveja", como exemplos. Imagine-se que até já há quem, agora, venha "desejar" a tão malfadada ponte sobre o canal, ligando o Rossio ao Alboi.

projeto rossio.jpg

Quando reparei, pela primeira vez, na imagem que retrata o projecto de requalificação do Rossio o impacto não foi, diga-se, positivo. Não pela proposta em si mas pelo que ela contrasta com as memórias vividas e "fotográficas". Joguei ali "à bola"... foi ali que andei na 'Roda Gigante' da Feira de Março, pela primeira vez. Entre outras (muitas) coisas.
Mas o mundo é feito de mudanças e são muitos os exemplos dos chamados novos tempos. Aveiro já assistiu a muitos, de forma mais ou menos pacífica: as Pontes (que passaram a uma 'ponte'), o nascimento do Bairro de Santiago, a urbanização da Forca, o 'fecho' da Rua Direita, a requalificação do Teatro Aveirense, a praça Marquês de Pombal, o novo Estádio Municipal, o túnel da Estação (tornando esta um elo de ligação e não de separação ou isolamento), a antiga Fábrica Jerónimo Pereira Campos, a nova Estação da CP, por exemplo (e para todos os 'gostos').

Nas muitas discussões que tenho assistido há uma pergunta que tem faltado, mais do que qualquer teoria a polemizar o eventual estacionamento subterrâneo: o que é, hoje, o Rossio? O que significa ele para a cidade de Aveiro?
Já foi palco de romarias e devoções. Já foi espaço de feiras e trocas comerciais. Já teve um bar sobre parte dos seus muros. Já foi... Porta de entrada na cidade e um dos cartões de visita, a verdade é que o Rossio já não dá, nem tem capacidade de, resposta para um conjunto de funções lúdicas, culturais e sociais às quais nos habituou durante várias décadas. Querer manter este espaço nobre e central da cidade como está é votá-lo à sua degradação e conceder-lhe uma lamentável agonia.

A atractividade turística é, hoje, muito elevada, seja pelo natural aumento do turismo em Portugal e na Região Centro, seja pela atractividade da Ria. E o Rossio tem que saber sobreviver e complementar esta realidade.

A proposta apresentada, à qual, garantidamente, a "habituação visual" e a convivência darão uma inquestionável resposta positiva, dá nova vida ao Rossio, requalificando-o e repensando a sua funcionalidade e potenciando a sua atractividade.
O novo desenho projecta uma praça rejuvenescida, aberta, ampla, com novos suportes, com elementos urbanísticos que defendem melhor o ambiente (a manutenção de espaços relvados tem custos e impactos ambientais que são, nos dias de hoje, insuportáveis... para além de uma total ausência de cultura e de civismo, por exemplo, com os dejectos animais em pleno espaço onde as crianças teriam direito a pular e brincar). E tem mais... tem, pela sua amplitude, a capacidade de acolher um considerável e multifacetado conjunto de respostas culturais e sociais que hoje estão totalmente abandonadas (eventos artísticos, feiras e exposições). E tem ainda mais... para aqueles que, e bem, preservam a identidade e as "estórias", tem um interessante destaque da história e cultura daquele espaço aveirense.

A proposta apresentada traduz a duplicidade actual do Rossio: espaço de recepção e de cartão de visita para os turistas e um espaço permanentemente disponível para os aveirenses. Haja vontade e empenho para tornar o Rossio um "enorme espaço público" com intensa actividade.

Este Rossio, de hoje, é que já não respira saúde, nem serve os aveirense, nem os muitos que acolhemos ao longo do ano.
Este Rossio precisa de nova vida.

safe_image.php.png

E importa lembrar: (Dicionário Priberam da Língua Portuguesa)
ros·si·o (substantivo masculino)
1. Terreno largo, fruído em comum pelo povo.
2. Logradouro público. = BALDIO
3. Lugar espaçoso; praça larga. = TERREIRO

publicado por mparaujo às 18:48

10
Dez 17

25152243_1778999755491708_5442320899660298106_n.jp

A estruturação de uma comunidade é feita e alicerçada nas suas histórias e nas "estórias" das suas gentes.

E a riqueza de uma comunidade vê-se, nota-se e sente-se na forma como valoriza as suas figuras de referência, seja a que nível for: político, social, cultural, religioso, associativo ou desportivo. Todos os pilares são importantes para a consolidação e solidez de uma comunidade.

Aamnhã, Aveiro despede-se de uma das suas figuras míticas e relevantes. Às 15:00 horas, na Igreja da Vera Cruz, Aveiro diz o último adeus ao seu Comendador "Atita" que deu ontem sua última "braçada".

Tanta gente para ensinar a nadar e tanta gente para salvar de afogamentos "lá em cima". O céu ganhou um mestre e um anjo-da-guarda... Aveiro ficou mais pobre.

Até sempre...

publicado por mparaujo às 20:04

15
Nov 17

Untitled.jpg

No início deste mês o projecto de crowdfunding do João Vieira para a edição de trabalho de originais ganhou, merecidamente, lugar de destaque aqui no Debaixo dos Arcos.

Com o mesmo mérito e merecimento, João Vieira volta a ser destaque no Diário de Aveiro, num trabalho de página completa assinado pelo jornalista Adérito Esteves.

Clicar na imagem para aceder ao recorte completo da notícia.

Joao Vieira DA.jpg

Faltam apenas 21 dias.

Mecenato: crowdfunding da Verkami.

publicado por mparaujo às 11:14

05
Nov 17

joao vieira.jpg

Com um abraço ao João Vieira...

Dia 11 de maio de 1982 (tinha que ser maio, claro) é a data de registo do nascimento de um gafanhense / aveirense / cidadão do mundo / adoptivamente catalão (sem a conotação conjuntural actual).

Seriam longas algumas histórias que a memória vai resguardando do tempo.

O que interessa agora é uma em particular... em casa havia (penso que ainda há) um piano, mas curiosamente seriam "os tachos, os testos e as colheres de pau" a marcar o ritmo da opção profissional e artística, para além do modo de vida.

A passagem pelos estudos secundários na Escola Homem Cristo (Aveiro) não preencheram a paixão. Seria o conservatório e as escolas de música a cumprir a sua função. Acresce a sorte de ter a tia como vizinha e não propriamente alguém "duro de ouvido" para a música e sem paciência e compreensão para o soar e rufar de caixas, tambores e pratos de uma bateria. Estilos havia (e hoje haverá mais ainda) para todos os gostos e feitios... o feeling, o infinito criativo do improviso, impôs um compromisso assumido desde a primeira hora, qual amor à primeira vista, com o jazz.

Compromisso que o levou aos estudos em Barcelona, a uma passagem por terras do Tio Sam, e ao regresso profissional e criativo a Barcelona.

É já significativo o percurso musical, o estudo constante, o trabalho criativo, as participações artísticas.

Ainda têm lugar de reserva, merecida, cinco composições que constituíam uma maquete pública, penso que de 2006 (se a memória não me falha) do trabalho produzido pelo Zenhit Quartet. Ainda está presente uma interessante passagem ao vivo pelo Mercado Negro, em Aveiro.

Passados estes anos, é assumidamente a altura para o importante passo da gravação e edição de um trabalho inédito. Vertente criativa pronta falta o outro lado da arte: o financiamento. O projecto de crowdfunding, via Verkami, arrancou há nove dias, restando 31 e leva já 35% do objectivo cumprido. As nove composições deste trabalho inédito do músico/compositor/professor João Vieira só verão a luz ao fundo do túnel cumpridos os restantes 65%.

E já só restam 31 dias...

Mecenato: crowdfunding da Verkami.

Sem título.jpg

publicado por mparaujo às 14:38

29
Out 17

jf_gvc_0.jpg

publicado na edição de hoje, 29 de outubro, do Diário de Aveiro

Debaixo dos Arcos
Carta Aberta à Assembleia de Freguesia

Realizada, na passada terça-feira, a Sessão de Instalação dos Órgãos Autárquicos na União de Freguesias de Glória e Vera Cruz, terminaria aí, formalmente, o mandato do quadriénio 2013-2017 na Assembleia de Freguesia, à qual muito me orgulho ter presidido.

Terminado esse ciclo e iniciado o novo mandato com os recém eleitos, fruto da vontade democrática expressa pelos eleitores no processo eleitoral de 1 de outubro passado, recorrendo à expressão usada pelo Presidente da Assembleia Municipal de Aveiro, Prof. Doutor António Nogueira Leite, na sessão de instalação da Câmara e Assembleia municipais, como “freguês (munícipe) e contribuinte” legitima-me esta breve nota de despedida.

É consciência assumida e generalizada, é da própria concepção da democracia, mas, simultaneamente, não pode, nem deve ser mera retórica ou demagogia, que o exercício da função pública e política autárquica numa freguesia transporta um importante e nobre princípio democrático: o da proximidade política e pública com o cidadão e com a comunidade. E isto tem que ser, cada vez mais, valorizado no papel do autarca. Mesmo numa Assembleia de Freguesia que reúne, por norma e salvo as raras e devidas excepções, quatro vezes por ano. O que diga-se, é, na maioria dos casos, face ao número, redutor do papel e do trabalho dos eleitos que o foram por livre vontade dos fregueses eleitores para serem seus representantes e defensores das suas vontades, necessidades, preocupações e bem-estar, bem como da coesão social e identitária, do desenvolvimento e da afirmação de cada comunidade.

Espera-se, pois, de cada um em particular que a vossa acção seja muito mais pessoal do que partidária, mesmo que política porque tudo na vida pública é política na sua verdadeira acepção. Se é certo que a ideologia nos talha a visão que temos do mundo e da sociedade e foi, maioritariamente, condição para a candidatura nas respectivas listas partidárias, a vida das pessoas e das comunidades é um valor social e político muito mais grandioso e prioritário do que a confrontação ou a dialética partidária. Espero, como freguês da Glória e da Vera Cruz, que haja no debate e na exposição de ideias e realidades, na acareação política em cada intervenção vossa, a capacidade de expressar o sentimento colectivo da comunidade e a vontade particular de cada cidadão de forma transparente, clara, responsável, realista e sustentável, com o merecido respeito que a legítima diferença de olhares, ideias e concepções da realidade que a democracia exige e eleva.

Os tempos não serão, como não o foram outrora, fáceis e exigem uma vontade e motivação fortes, mesmo que o desânimo e alguma desilusão, fruto da concepção administrativa territorial e da moldura legislativa em vigor do Poder Local, possa vir, com o tempo e face aos diminutos espaços de participação política na fiscalização à governação da Freguesia, ganhado presença e toldando as intervenções e as acções de cada um dos eleitos. Assim como não deve servir de argumento para inacção, para o encolher de ombros, para a apatia governativa, infelizmente algumas vezes referido, requerido e usado, a sobreposição administrativa e legal da gestão territorial e hierárquica entre Câmara e Freguesia. O respeito, a relação próxima, a relação institucional com a Câmara Municipal, por todas e quaisquer razões, deve ser privilegiada e promovida, deve ser permanentemente procurada e não (in)comodamente ou resignadamente (mesmo que inconformada) aguardada num gabinete ou atrás de uma secretária. Mas isso não pode, nem deve impedir que a Freguesia encontre e procure o seu espaço próprio e legítimo de acção, de forma inovadora e premente. E há tantos desafios para vencer, nomeadamente, mais que a obra e o betão, a coesão e promoção social, a defesa dos valores culturais e identitários das freguesias e da Cidade, as pequenas mas relevantes intervenções no espaço público por forma a contribuir para a melhoria do bem-estar e da qualidade de vida da Glória e da Vera Cruz.

Por último, uma palavra para o recém-empossado Presidente da Mesa da Assembleia de Freguesia, António Andias. Foi extremamente fácil, demasiado até, o trabalho da presidência da Assembleia de Freguesia no último mandato unicamente porque o respeito, a relação franca e próxima, o livre exercício democrático, entre todos os vogais da Assembleia facilitou, em tudo e em todo, o exercício de gestão do órgão autárquico. Para além dos votos de um excelente trabalho, manifesto o desejo e a esperança que o ambiente e a transparência com que os anteriores autarcas da Assembleia de Freguesia sempre exibiram nas suas funções, pelo menos, se mantenha.

Pela Glória e pela Vera Cruz.

publicado por mparaujo às 12:28

09
Out 17

aveiro-noite-28-638.jpg

Corre por aí muita tinta e muito comentário, uns avulsos, outros descontextualizados, sobre os resultados das eleições autárquicas do passado dia 1 de outubro.

Não quero, não devo, nunca o fiz e muito dificilmente o farei, tecer qualquer reflexão ou análise subjectiva ou política dos mesmos. Ao fim de quase 13 anos (o Debaixo dos Arcos está de "parabéns", ou não, amanhã) independentemente de algumas considerações tidas sobre Aveiro, sobre a cidade, sobre a região, sempre deixei de parte e à parte, por razões mais que óbvias, a Câmara Municipal. Para o bem e para o mal. Assim foi, assim é e assim será.

No entanto, como os números são o que são, sem qualquer pretensão de extracção subjectiva dos mesmos, afigura-se relativamente fácil expô-los.

Nota 1
Mais do que lugares, mandatos, votos, freguesias, etc., o dado mais relevante neste processo eleitoral foi a abstenção, taxa registada em Aveiro acima do valor médio nacional (45,04%). No município de Aveiro a taxa de eleitores que ficaram em casa (ou que, pelo menos, não se dirigiram às respectivas mesas de voto) foi de 50.91%. E como já o tinha referido há dias, a responsabilidade cabe inteiramente ao cidadão eleitor. Não há desculpas (excepto, obviamente, as de reconhecida força maior)... não colhe o tempo, a imagem dos políticos e da política, etc., etc. O direito ao voto livre, consciente e democrático foi uma conquista árdua, das melhores que a liberdade nos trouxe, mas que implica, simultaneamente, um dever cívico de participação que a omissão ou exclusão, em cada acto eleitoral, enfraquecem e invalidam. Não participar, não votar, reduz naturalmente a capacidade de intervir e de criticar e transfere para os outros a nossa liberdade de escolha.

Nota 2
Não é conhecido qualquer estudo ou análise aos valores da abstenção, o que do ponto de vista sociológico e político seria interessante, resta a especulação e a intuição quanto à sua distribuição. Afigura-se provável que parte tenha tido impacto negativo no número de votos, essencialmente, na coligação Aliança com Aveiro e no Partido Socialista, sendo expectável que tenha havido quem não votou porque acreditou que os resultados estavam previamente clarificados. Seja porque alguns não acharam que fosse necessário o seu voto para que Ribau Esteves fosse eleito e outros porque entenderam que o seu voto no PS não chegaria para contrariar o favoritismo da coligação PSD-CDS. A maioria da abstenção é reflexo do condenável alheamento dos cidadãos em relação à importância política do voto.

Nota 3
Ribau Esteves, recandidato ao lugar de presidente da autarquia, é eleito com cerca de 93 votos mais que em 2013 (16694 / 16787). Se é um facto que não houve alteração substancial ou significativa em relação ao resultado de 2013 a verdade é que, vencendo as eleições e conquistando a maioria, os números significam que os aveirenses mantiveram a sua opção e a sua escolha, mantendo a confiança depositada há quatro anos.

Nota 4
A Coligação Aliança com Aveiro conquista mais um vereador, subindo de 5 para 6 os lugares no Executivo. Apesar da ligeira subida do número de votos expressos ela representa uma pequena transferência dos votos em 2013 no movimento Juntos por Aveiro mas suficiente, pela distribuição proporcional, para consumar a eleição do sexto vereador que, por muito pouco, não tinha sido conseguida nas últimas eleições.
Há, no entanto, um outro factor que permitiu essa realidade. A votação alcançada pelo PAN (1139 votos) que retirou ao BE a possibilidade de eleger um vereador, apesar da subida significativa do número de votos expressos no seu candidato Nelson Peralta (mais 991 votos que em 2013).

Nota 5
Contrariando o que eram as expectativas, mesmo internamente, que apontavam para uma redução de mandatos e para um eventual descalabro eleitoral do PS, os socialistas aveirenses mantiveram o número de vereadores e viram o seu registo eleitoral aumentar em cerca de 2344 votos.

Nota 6
A eleição para a Assembleia Municipal teve, na prática, o mesmo reflexo das opções dos eleitores. A coligação Aliança com Aveiro repetiu o mesmo número de lugares na Assembleia Municipal (14), conquistando a maioria. Os três lugares que pertenciam aos eleitos em 2013 pelo movimento Juntos por Aveiro foram distribuídos pelo PS que passa de 8 para 9 vogais, pelo BE que passa de 1 para 2 lugares e pelo PAN que, de forma inédita, conquista um lugar de vogal na Assembleia Municipal, tendo o PCP mantido o seu elemento eleito em 2013. Todos os partidos aumentaram o número de votos expressos (entre os 500 e os 2400 votos) comparados com as eleições de 2013, excepção feita para o PCP.

Nota 7
No que respeita às Freguesias, o resultado não traz grandes novidades quer em relação ao que era previsível, quer em relação a 2013: a coligação conquista, para já, mais uma Freguesia e o PS mantém as duas freguesias conquistadas há quatro anos. Apenas três aspectos relevantes. O primeiro, refere-se à transferência óbvia da Freguesia de S. Bernardo do movimento Juntos por Aveiro para a coligação PSD-CDS já que a recandidatura do presidente da Junta de Freguesia a isso conduziria. O segundo aspecto está relacionado com alguma queda de votos em algumas freguesias (por exemplo, em Sta. Joana e em Cacia para a coligação), pela conquista de maiorias expressivas em outras (Oliveirinha e S.Bernardo, PSD-CDS e Eixo-Eirol, PS) e para as vitórias esperadas nos restantes casos apesar de algumas dúvidas expressas por algumas opiniões quanto a Aradas, o que não se verificou com a vitória clara e a conquista da maioria por parte da coligação Aliança com Aveiro. O terceiro aspecto isola o caso da Freguesia de Esgueira. A igual distribuição de votos entre PSD-CDS e PS desempatados com a eleição de um vogal da Assembleia de Freguesia para o BE faz prever três cenários possíveis: Ângela Almeida assume o seu lugar de Presidente mas terá que alicerçar o seu Executivo com uma maioria PS/BE; PS e BE assumem a maioria que têm na Assembleia de Freguesia e permitem que o PSD forme Executivo, exercendo a sua função fiscalizadora na Assembleia; ou nada disto tem viabilidade e restará novo processo eleitoral na freguesia de Esgueira.

Outras leituras políticas cabem a quem de direito.

(créditos da foto: Jorge Soares - aveiro à noite)

publicado por mparaujo às 19:11

04
Set 17

A propósito da notícia do Diário de Aveiro a página oficial do filme "O Reencontro" pergunta «Foi um dos que encheu o Centro Cultural e de Congressos de Aveiro?» no passado sábado. A resposta é pronta e clara: Sim... eu estive lá.

59ac1c58d9e4b.png

O propósito era o de presenciar a estreia da jovem aveirense, assistente de informação na RTP, como realizadora e assistir à estreia absoluta do seu primeiro trabalho cinematográfico "O Reencontro".

A escolha de Aveiro, terra natal, para esta primeira revelação resultou numa interessante aposta. O risco inerente a uma estreia, o nervosismo óbvio de quem desconhece, de todo, o que serão a reacção e as expectativas do público (consideravelmente heterogéneo, geograficamente distinto) rapidamente se transformou numa ambiência geral informal, descontraída, à imagem da personalidade da realizadora, muito por força da apresentação desinibida e descontraída do jornalista e pivot da RTP, João Fernando Ramos, também ele com ligações pessoais a Aveiro.

Aliás, Aveiro foi referência inicial nesta estreia desde o apresentador, à mensagem de boas-vindas e de felicitações do Presidente da Câmara Municipal de Aveiro, Eng. Ribau Esteves, passando por um conjunto de parceiros/patrocinadores da região, até à própria Daniela Guerreiro que não esqueceu uma das identidades culturais de Aveiro - a cerâmico - apresentado-se no Centro Cultural de Congressos com um fantástico vestido estampado de azulejos.

21246295_981690171973813_2058817912817566674_o.jpg

O filme, que espelhou a capacidade e a coragem da Daniela Guerreiro em concretizar e tornar realidade o seu sonho de realização (que não será, garantidamente, passo único) apresenta-nos um enredo que se descobre bem perto do final mas que se reconhece consistente e coerente com o desenrolar dos vários contextos que nos são apresentados desde o início. E é, igualmente, coerente com o título e a mensagem de apresentação: um jovem que, por razões e vivências familiares, se vê na "obrigação moral" de percorrer o Caminho de Santiago (entre Viana do Castelo e Santiago de Compostela) de forma solitária, encontrando-se a cada passo, em cada etapa, terminando por Reencontrar a sua própria história de vida e interioridade.

Não é, nem parece que tenha sido esse o propósito, um filme sobre os Caminhos de Santiago (mesmo que se tenha baseado em duas obras literárias daquele que é considerado o maior escritor português sobre o Caminho de Santiago, Luís Ferreira, presente na estreia). Mas mesmo para aqueles que já foram peregrinos (mesmo que pelas mais diversas razões e meios) o filme  não deturpa a essência da peregrinação a Santiago de Compostela: momentos de interioridade e de reencontro pessoal. A simplicidade da história e das paisagens (muito bom no que respeita à imagem e fotografia), a aposta na inexperiência de representação, tornam o filme mais próximo e mais realista e verdadeiro.

Os cerca de 60 minutos que prenderam tantos que encheram as cadeiras do Grande Auditório do Centro Cultural e de Congressos de Aveiro foram bem despendidos, o que só pode ter como resultado final a motivação da Daniela e de toda a equipa (actores, técnicos, produção) para continuarem a promover este interessante projecto e a concretizarem outros sonhos futuros com novos projectos. Com a mesma ambição, a mesma dedicação, o mesmo empenho e a mesma coragem.

Que venham mais Reencontros.

publicado por mparaujo às 22:14

29
Ago 17

Cartaz oficial.png

"O Reencontro" é o primeiro filme da Daniela Guerreiro e projecta na tela a aventura de um jovem que percorre o Caminho de Santiago, por trilhos portugueses e espanhóis, ao (re)Encontro com vivências intensas, com descobertas que transformam, com o presente e as memórias vivas de outras gerações, que permitem construir uma forte interioridade e que permitem um Reencontro consigo. Um caminho difícil, tortuoso, solitário, mas rico de experiências.

Este é o seu primeiro sonho tornado realidade. O seu primeiro filme como realizadora e argumentista, com estreia marcada para o dia 2 de setembro, às 21:00 horas, no Centro Cultural e de Congresso de Aveiro, não é mais do que o primeiro passo para trilhar futuros caminhos e muitos mais e excelentes "Reencontros".

Quisemos saber o porquê, o como e o futuro. A Daniela Guerreiro revelou-nos tudo... sem esconder nada.

(Debaixo dos Arcos) É perceptível que este filme resulta de um sonho bem claro de abraçares a projectos cinematográficos e a realização. Está concretizado o sonho... Mas porquê um filme sobre o percurso dos Caminhos de Santiago? O que levou à escolha deste tema? Poderia ser sobre a emigração jovem, sobre um Reencontro mas numa ida a Fátima, sobre tanta outra coisa... mas foi sobre algo que ainda é, apesar de secular, muito restrito e obscuro aos olhos da maioria dos portugueses.
(Daniela Guerreiro) É difícil escolher o tema de um filme, confesso. Eu tinha vontade de fazer um projeto cinematográfico e passei muito tempo a pensar sobre o que deveria retratar. Conversei e partilhei essa minha vontade com pessoas de confiança e acabou por suscitar essa ideia dos Caminhos de Santiago. Depois foi preciso tempo para a desenvolver. O tema em si tem muita história e há cada vez mais pessoas, de várias idades, a querer passar por essa experiência. Achei que poderia ser interessante retratar essa realidade. Os peregrinos têm um espírito e entrega incríveis – quem por lá passa é que o sabe bem! Por outro lado, a nível de produção, como implicaria viagens e uma logística maior porque a cada dia estávamos mais longe de casa – também seria um desafio maior para mim.

(DB) Como é que surgiu a selecção do elenco, da equipa técnica? Como é que conseguiste reunir à tua volta este interesse por um filme com esta temática?
(DG) Posso dizer que sempre que apresentava o projeto a alguém tinha imensa recetividade. Apesar de tudo, o que estava a proporcionar era uma experiência única, intensa e desafiadora. O Gabriel [actor principal] eu já conhecia e foi das primeiras pessoas com quem falei sobre a ideia – ainda nem nome tinha. Em relação ao elenco, procurei referências junto de pessoas que já estivessem no meio e pesquisei muito – dentro daquilo que precisava e das personagens que tinha idealizado. Relativamente à equipa técnica, tentei arranjar pessoas com experiência para cada um dos cargos que tinha. Alguns acabaram por ser pessoas que tinham estudado na minha faculdade, nem todas no meu ano.

(DB) Acredito que o que te tenha dado mais prazer, onde te terás sentido mais feliz, foi teres um resultado final, chegares ao fim do projecto, fazer (agora) a sua apresentação pública. Mas o percurso adivinho que não terá sido fácil.
(DG) O percurso não foi nada fácil. Pelo contrário… Até partir em viagem, pensei em ligar para toda a gente a dizer “Não venham!”. Deu muito trabalho preparar tudo ainda para mais quando tinha 14 pessoas (contando comigo) à minha responsabilidade. Mas foi muito bom! Aprendi a lidar com imprevistos, com pessoas diferentes, a sair dum ambiente em que me sentia confortável. Esta experiência mostrou-me que não há impossíveis. Foi uma grande lição! Perceber que me superei a mim mesma, com tantas adversidades, faz-me sentir orgulhosa deste projeto, de quem participou e de quem o apoiou.

(DB) Em recente notícia do Diário de Aveiro afirmaste que uma das maiores dificuldades foi a vertente dos apoios. Sentiste esta dificuldade porque as várias entidades e empresas não apostam no cinema ou foi por algum cepticismo em relação ao projecto?
(DG) A maior parte das empresas fecham-se a patrocínios e apoios, fogem só de ouvir falar. E comparando com outros países, em Portugal a cultura não é uma área onde por si hajam muitos apoios. Muito menos quando se fala no nome de alguém desconhecido. Eu tinha uma folha – frente e verso – com nomes de empresas a quem pedi apoios - monetários e em produtos… Apresentei o projeto via email, pessoalmente ou por telefone de acordo com aquilo que conseguia. Perdi muitas horas em frente ao computador e ainda mais ao telefone. A minha lista resumiu-se a poucas entidades. Era a realidade que tinha e tive de me adaptar a isso. Como se costuma dizer – poucos e bons! Estou muito grata… a quem apostou no meu filme e confiou em mim. Procuro não os desiludir. Até para não fechar portas de outras pessoas que sonham como eu.

(DB) Aconteça o que acontecer (e vão acontecer coisas boas no próximo sábado, de certeza) o filme está pronto, a estreia vai realizar-se. O sonho está concretizado. E agora? Como é que vai ser daqui para a frente, no futuro, a tua faceta comunicacional? Não acredito que este vá ser "filho único".
(DG) Estou muito concentrada neste "filho" que também eu espero que não seja o único. Tenho várias ideias, mas tenho de dar a este o tempo que ele precisa. Quero encher o auditório do Centro Cultural de Congressos de Aveiro e viver esse dia na sua plenitude. É meu e ninguém mo vai tirar da memória. Depois quero chegar a várias localidades, mostrar o meu trabalho a Portugal inteiro e quem sabe, percorrer o mundo. A minha faceta comunicacional fica sempre, as imagens e histórias também falam...

Aveiro tem o privilégio de ser o primeiro local escolhido para a estreia deste "O Reencontro" que terá lugar no dia 2 de setembro, às 21:00 horas, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro, com entrada livre. Uma estreia que promete mexer com Aveiro.

da03.jpg

publicado por mparaujo às 00:07

17
Ago 17

Cartaz oficial.png

Quem de nós nunca procurou ou quem nunca necessitou, como ar que respiramos, de um Reencontro consigo mesmo, com a sua interioridade, com a redefinição de um "Eu" mais consistente e mais fortalecido?

São inúmeros os meios que se podem descobrir para atingir esse objectivo... são vários os caminhos que podem ser percorridos até essa descoberta, até esse Reencontro.

Um desses caminhos que permite um intenso Reencontro é o "Caminho de Santiago" que a jovem aveirense Daniela Guerreiro soube, majestosamente, espelhar numa curta metragem.

"O Reencontro" é o primeiro filme da Daniela Guerreiro e projecta na tela a aventura de um jovem que percorre o Caminho de Santiago, por trilhos portugueses e espanhóis, ao (re)Encontro com vivências intensas, com descobertas que transformam, com o presente e as memórias vivas de outras gerações, que permitem construir uma forte interioridade e que permitem um Reencontro consigo. Um caminho difícil, tortuoso, solitário, mas rico de experiências.

Aveiro tem o privilégio de ser o primeiro local escolhido para a estreia deste "O Reencontro" que terá lugar no dia 2 de setembro, às 21:00 horas, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro, com entrada livre. Uma estreia que promete mexer com Aveiro.

Cerca de 34 minutos vão deixar-nos, garantidamente, pregados ao ecran também à procura dos nossos "reencontros".

Um filme, uma viagem, uma aventura, um REENCONTRO que merecem ser descobertos.

10858409_917130504973058_7216410790444279547_n.jpg

Daniela Guerreiro é uma jovem aveirense, com 23 anos, que após a conclusão da licenciatura em comunicação social e o estágio na RTP (Lisboa e Porto) lançou-se no seu próprio reencontro pessoal e profissional.

Este é o seu primeiro sonho tornado realidade. O seu primeiro filme como realizadora, argumentista e também produtora, com estreia marcada para o dia 2 de setembro, não é mais do que o primeiro passo para trilhar futuros caminhos e muitos mais e excelentes "Reencontros". Garantidamente...

da03.jpg

publicado por mparaujo às 22:45

30
Jul 17

03-ria-aveiro_750x422-1.jpg

O Turismo Portugal - Turismo Centro Portugal "levou" Aveiro até à TF1 (França).

Pessoalmente não me provoca qualquer constrangimento que se misture Aveiro e Ílhavo (Costa Nova). Bem pelo contrário...

Mas das duas, uma... a reportagem errou o(s) alvo(s).

Se era para juntar Aveiro e Ílhavo, fazia sentido incluir a tradição do mar e da pesca do bacalhau, o Museu Marítimo, para além da Costa Nova e da Barra (Farol, por exemplo).

Se era para falar de Aveiro... era escusado falar da Costa Nova e deixar a única praia do Concelho de fora (S. Jacinto, a Ria, os Moliceiros no seu "habitat natural", a Reserva, o turismo militar).
Se era para falar da cidade de Aveiro, faltou o Sal e as Salinas e faltou a cerâmica e o azulejo.

Mas fica, de facto, o contributo e o empenho em promover a região.

Para memória futura...

(créditos da foto: Turismo Centro Portugal)

publicado por mparaujo às 18:05

25
Jul 17

G_419.jpg

Amanhã, em Aveiro, vai ser possível contrariar o dito popular. É que nem sempre apontar é sinónimo de falta de educação. No caso concreto é, aliás, imperativo que se aponte.

A plataforma de cidadania "Plataforma Cidades" desafiou os candidatos à Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Glória e Vera Cruz (cidade de Aveiro) para as próximas eleições autárquicas do dia 1 de outubro a apontarem duas ou três coisas que considerem decisivas e alcançáveis em benefício dos Cidadãos, da Freguesia e da Cidade.

Este desafio público, tornado debate e confronto de ideias e concepções, terá lugar já amanhã, dia 26 de julho, no Auditório Pompílio Souto (em Aveiro, rua Dr. Nascimento Leitão, nº28 - junto ao Hotel Imperial).

O objectivo é claro e estruturado: permitir que os candidatos apresentem duas ou três concepções e projectos (realistas e concretizáveis) para a cidade e que os mesmos sejam capazes de criar, naquele momento, algum debate e confronto de ideias.

Programa

19:30 horas - reunião geral da Plataforma
Ponto de situação de "Duas ou três coisas boas para a Cidade"; agenda de trabalhos próxima reunião geral da Plataforma.

20:00 horas - jantar (custo 11€)

21:00 / 23:00 horas - A palavra dos Candidatos à União de Freguesias de Glória e Vera-Cruz (Aveiro)
Apresentação das propostas
Sistematização e colocação de questões
Debate das Propostas e das Questões da Assistência.

23:30 horas - Encerramento

publicado por mparaujo às 14:58

17
Jul 17

Teve um papel importantíssimo no sector marítimo e das pescas em Aveiro/Ílhavo.

Mas foi pela sua filantropia, pelas suas ligações à sociedade aveirense e ao seu associativismo e, principalmente, pela sua estreitíssima relação com a Cultura (história, Teatro, edição literária, informação e Artes) que Gaspar Albino deixou uma marca de registo inquestionável em Aveiro.

Faleceu ontem, a poucas semanas de completar 79 anos.

Não tem sido um mês fácil (ainda há poucos dias Aveiro sentia o desaparecimento de Vítor Silva).

Há uma voz e uma figura aveirense, AVEIRENSE com "maiúscula", que perdurará na memória de muitos.

Ficamos mais pobres... Descanse em Paz.

Gaspar04.jpg

publicado por mparaujo às 11:23

01
Jul 17

Conhecia-me desde os meus tempos de berço...
Percorri com ele alguns desafios na JC e no CDS, até ao meu abandono da causa...
Foi pela sua mão que acedi à administração local.

Figura incontornável de Aveiro, braço mais que direito dos mandatos de Girão Pereira nos destinos da autarquia aveirense e, nomeadamente, na gestão dos Serviços Municipalizados de Aveiro, para além da vice-presidência da antiga e extinta Região de Turismo Rota da Luz.

A cerca de um mês (11 de agosto) de completar 70 anos, o Eng. Vítor Silva faleceu (ontem).

Vão ficar imensas saudades, inúmeras histórias, e uma amizade que não dá para esquecer.

Até sempre... engenheiro.

vitor silva.jpg

publicado por mparaujo às 15:49

02
Mai 17

18159490_1525597070792943_1913523807_o.jpg

O movimento "Plataforma Cidades", sediado em Aveiro desde 2003, com a coordenação do Arq. Pompílio Souto, vai promover amanhã, dia 3 de maio, um novo momento de reflexão cívica sobre urbanidade, tendo como objectivo a identificação do que possa ser decisivo para qualificar a vida urbana e o que possa constituir o (essencial) do caderno de encargos da acção futura da Plataforma.

O evento, sobre o mote "Duas ou três coisas boas para a cidade", terá lugar amanhã, 3 de maio, no Auditório Atelier Pompílio Souto, na rua Dr. Nascimento Leitão, 28 (em frente ao Hotel Imperial), em Aveiro, a partir das 19:30 horas (a inscrição no jantar e debate tem o custo de 11 euros e pode ser efectuada em plataformacidades@gmail.com ).

Nesta iniciativa é mais um exemplo da importância da participação cívica de todos nas suas comunidades e nos seus grupos. No caso concreto, as reuniões da "Plataforma Cidades" procuram suscitar reflexões sobre o espaço público, sobre o espaço urbano, sobre a qualificação territorial em todas as suas vertentes, sobre a vida (ou as vidas) das comunidades, com vista à construção de uma "cidade" (comunidade) mais fortalecida e enriquecida.

Paralelamente ao debate e à reflexão será inaugurada a exposição fotográfica "Caligrafias na Água", da autoria do Arq. Jorge Freitas Costa (natural do Porto e residente em Aveiro desde 1987). O momento da inauguração será complementado com declamação poética de Isabel Pinto sob extractos do álbum Water, da pianista
Hélène Grimaud, e será comentada pelo Prof. Doutor Aníbal Lemos, da Universidade Europeia e do IADE da
Universidade de Lisboa.
A exposição é pública e poderá ser visitada de segunda (10:00 - 2:00 horas) a sábado (10:00 - 17:00 horas).

publicado por mparaujo às 15:21

04
Abr 17

Muito poucos acreditariam ser possível realizar um terceiro congresso face ao regime vivido.

Muito poucos acreditariam que alguém próximo do regime de então, o Governador Civil (Dr. Francisco Vale Guimarães), pudesse dar cobertura, apesar do desfecho final.

Mas a verdade é que entre os dias 4 e 8 de Abril de 1973, o então Teatro Avenida acolhia o III Congresso da Oposição democrática que terminaria com uma forte carga policial sobre os congressistas no final do Congresso quando pretendia rumar até ao Cemitério Central da cidade de Aveiro para prestarem homenagem a Mário Sacramento, falecido em finais de março de 1969.

E a História é isto... é para ser vivida, para não ser travada, para não apagar a memória, para que ela seja instrumento de construção de uma identidade, da vivência do presente e no desenho do futuro. Para comemorar virtudes e corrigir erros.

15304353_327728774279603_6625139273523040686_o.jpg

publicado por mparaujo às 10:49

21
Fev 17

Já aqui tinha avançado a estranheza no anúncio público da concelhia aveirense do Partido Socialista de uma lista de quatro potenciais candidatos à liderança da Câmara Municipal de Aveiro. Isto porque estávamos a mais de um ano de distância das eleições e, por outro lado, tornar público um conjunto de personalidades como opção para o combate eleitoral com Ribau Esteves era, claramente, condicionar as opções, criar constrangimentos entre os pseudo-candidatos e esvaziar o partido de opções alternativas caso a lista falhasse.

Na política há momentos próprios para que se assumam publicamente determinadas opções. Mas curiosamente a pressa para marcar e demarcar a agenda política autárquica e eleitoral deste ano nunca foi boa conselheira para o PS da região (basta recordar o caso já igualmente abordado de Ílhavo, embora em âmbitos distintos).

A ser verdade o que o jornalista Júlio Almeida publica no seu site informativo - Notícias de Aveiro (para já não há desmentido oficial do PS Aveiro), o que parecia ser um dado quase adquirido transformou-se num riscar de mais um dos nomes sonantes da lista dos quatro honoráveis candidatos a candidatos: depois de Alberto Souto, Armando França e Manuel Ruivo é agora a vez de Gil Nadais (actual presidente da autarquia de Águeda) dar uma valente nega à concelhia do PS Aveiro, apesar das noticiadas influências do líder da distrital e Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, bem como do próprio Primeiro-ministro António Costa. Como diria o próprio António Costa... é a vida.

Eu vou mais longe e vem-me à memória Marques Pereira e um determinado título de um artigo de opinião com a sua assinatura: PIM-PAM-PUM...

untitled.JPG

publicado por mparaujo às 14:29

18
Jan 17

eu_DA_debaixo-dos-arcos.jpg

publicado na edição de hoje, 18 de janeiro, do Diário de Aveiro.

Debaixo dos Arcos

De novo… a cidadania e as cidades

O assunto foi abordado pelo Primeiro-ministro, em finais de 2016, aquando da realização, na Póvoa do Varzim do XX Congresso da Juventude Socialista. No discurso proferido aos jovens socialistas congressistas António Costa afirmou que «não há futuro para as nossas cidades se o centro dessas cidades não for reocupado pela vossa geração que é a geração que tem de ter oportunidade para viver no centro da cidade que é onde podemos construir o futuro para todos nós». Com esta afirmação surgem de novo as temáticas da degradação social (económica e demográfica, por exemplo) e urbana (edificado, reabilitação) dos centros das cidades e, ainda, questões ligadas às responsabilidades de cidadania e do Poder Local.

Já por diversas vezes foi mote nestas páginas a defesa do princípio de que, mais do que qualquer outra vertente ou válido conceito, a recuperação dos centros das cidades, das chamadas zonas históricas (no seu sentido lato), só faz sentido, só terá impacto e sucesso, se as pessoas voltarem a viver (e a conviver) nesses espaços urbanos. São os casos concretos aveirenses da Rua Direita e suas envolventes, da zona do Alboi, do bairro da Beira Mar e, obviamente, da cada vez mais desertificada Avenida.

Podemos falar do “estado de alma” do chamado comércio tradicional que proliferou durante muitas décadas nestas zonas dos centros urbanos, umas mais típicas, outras mais históricas; podemos acrescentar a esta anterior vertente a maior ou menor quantidade de oferta de serviços (públicos ou privados) e as suas interferências nestes espaços; podemos falar sobre os impactos, positivos ou negativos, do crescimento (em muitos casos excessivos) do turismo local que tem sido relevante para a estagnação de muito do edificado mas que traz alguns problemas à descaracterização social destes centros; podemos, também, abordar a problemática (porque é, de facto, um problema) da reabilitação urbana e do espaço público; podemos, por último, avaliar os impactos que medidas e projectos de socialização, mais ou menos esporádicos e pontuais, possam ter na revitalização dos centros urbanos; mas a verdade é que sem as pessoas, principalmente, sem as pessoas voltarem a habitar e a dar vida, diária e permanente, a estas zonas emblemáticas das identidades das cidades, tudo não passará de exercícios pontuais, esporádicos, ou de medidas de cosmética.

Deste modo, a questão da requalificação urbana tem mais significado e relevância, numa responsabilidade partilhada entre o Poder Local (aplicação de medidas e políticas como os planos urbanos inseridos nos PEDUs e/ou ARUs, no caso concreto de Aveiro os recém aprovados PEDUCA e ARU) e a responsabilidade de cada cidadão, nomeadamente os proprietários de imóveis, investidores e comerciantes. Não basta, a estes últimos exigir que as cidades sejam devolvidas às pessoas se não houver corresponsabilização no seu cuidado, na sua gestão, no seu desenvolvimento.

Será, neste sentido de responsabilidade cívica e de pleno exercício de cidadania, sem que os cidadãos estejam constante e permanentemente à espera ou dependentes dos poderes locais e centrais, que se aguarda por uma iniciativa inédita em Aveiro e que será realizada a 4 de Fevereiro: o Aveiro Soup, sob o lema “Mudara a cidade, Sopa a Sopa”. Este recente exercício pleno de cidadania (que teve a sua origem há seis anos nos Estados Unidos, em Detroit) tem como objectivo a apresentação, num jantar simples e informal, de quatro projectos com impacto na cidade e na sua comunidade (previamente escolhidos por um colectivo de personalidades ligadas às áreas científicas, empresariais, sociais e culturais) que serão avaliados pelos presentes e destes seleccionado/votado um que será implementado.

Apesar de desconhecer por completo os quatro projectos a serem apresentados, este poderia ser um excelente e interessante momento para que possam surgir propostas sólidas para se revitalizar os vários centros urbanos da cidade de Aveiro. Que seja uma boa “sopa” de ideias e de cidadania.

publicado por mparaujo às 10:48

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Siga-me
links