Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

16.Mai.19

De repente... o Reino descobriu que tinha um "bobo da corte"

mparaujo
Até aos finais do século XVII, nas monarquias europeias, o Bobo da Corte tinha como funções fazer rir/divertir o Rei e a Rainha, a Corte do Reino, usando a ridicularização e o sarcasmo, sem sofrer consequências dos seus actos. Além disso, através do escárnio, apontava os vícios e as características da sociedade de modo grosseiro. Em plena campanha eleitoral europeia e em plena Comissão Parlamentar, o "Reino" sobressaltou-se com a perturbadora surpresa ao descobrir que tinha um (...)
12.Mar.17

Offshore pariu um rato

mparaujo
publicado na edição de hoje, 12 de março, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Offshore pariu um rato Andava o país inquietantemente à espera e à espreita trocadas entre o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, quando, de repente, a modos que caídos do nada, surgem 10 milhões de euros e 20 declarações não tratadas pela Autoridade Tributária de transferências para Offshores e que provocam um tsunami na (...)
15.Jun.16

Nem só as vacas voam

mparaujo
publicado na edição de hoje, 15 de junho, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Nem só as vacas voam Confesso que não me trouxe estranheza nenhuma a alegoria usada pelo Primeiro-ministro na apresentação da reforma do Programa Simplex quando usou a imagem da “vaca voadora”. É do senso comum o recurso a essa analogia, como a do “já (...)
21.Mar.16

das incoerências políticas...

mparaujo
ou neste caso em particular o mais correcto seria titular "das incoerências da banca". A questão é simples... alguém anda claramente a tentar iludir ou a querer minar o mercado bancário. Corre uma obsessão e um histerismo infundamentados contra a presença de Espanha na banca portuguesa ao ponto de haver quem queira aludir a uma (...)
21.Dez.15

das incoerências políticas

mparaujo
É sempre evitável e lamentável quando, politicamente, se pretende atirar "pedras ao telhado do vizinho" esquecendo-nos que o nosso é de "vidro". E em política para além de lamentável é criticável. Vem isto a propósito do caso e da venda do BANIF. Já o afirmei em outras ocasiões e expressei recentemente aqui ("No mealheiro não se pode tocar (...)
18.Dez.15

No mealheiro não se pode tocar

mparaujo
Muitos de nós estarão recordados dos mealheiros de infância (muito antes destes Ágata Ruiz de la Prada), de mil e um feitios, para mil e um objectivos de poupança. A maior parte deles com chave ou sem abertura (apenas a ranhura para a introdução dos escudos - notas ou moedas) mas que, por força da tentação, facilmente se descobriam (...)
10.Dez.14

lavar roupa suja familiar

mparaujo
O caso despoletou um misto de surpresa e apreensão há mais de meio ano. Um dos maiores bancos portugueses, aquele sobre quem recaía a epíteto de “o coração da economia e das empresas, aquele que tinha na sua cadeira do poder “o dono disto tudo”, colapsou embrulhado num manto de ilegalidades graves. Daqui resultaram investigações judiciais, a (...)
10.Out.14

Afinal podemos ser todos BES

mparaujo
É certo que os impactos públicos (custo para o Estado e contribuintes) da participação do Estado na recapitalização do BES em nada terão a ver com o valor injectado no BPN que ronda os sete mil milhões de euros (qualquer coisa como cerca de 700 euros a cada português). A dimensão do caso BES é menor que a do BPN (em parte pela estratégia de (...)
17.Set.14

Caderno de Notas - apontamentos I

mparaujo
publicado na edição de hoje, 17 de setembro, do Diário de Aveiro. Caderno de Notas Apontamentos I 1. O defraudar político de Marinho e Pinto Neste espaço foram já várias as notas que deixei relacionadas quer com o rescaldo das eleições europeias de maio passado, quer com as posições de abandono e de defraudar assumidas pelo cabeça de lista eleito eurodeputado (e demissionário) pelo MPT. Mas Marinho e Pinto é uma pessoa claramente insatisfeita. Poder ou querer capitalizar (...)
14.Set.14

"Olhar a Semana"... o resumo

mparaujo
Três notas para este resumo semanal (semana 37)… 1. O defraudar político de Marinho e Pinto O Francisco Castelo Branco, na sua escala das “Figuras da Semana XVI” coloca o ex-bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho e Pinto, a meio da “tabela”. Do meu ponto de vista, o Francisco é um mãos largas. Pessoalmente acho que Marinho e Pinto deveria ficar ainda bem (...)
10.Ago.14

A brincar com os números...

mparaujo
publicado na edição de hoje, 10 de agosto, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos A brincar com os números… Os últimos dias (semanas) revelam um país capaz dos mais extraordinários feitos matemáticos. Uma capacidade inolvidável de “brincar com os números”. Sejam eles financeiros, sejam sociais. E a semana foi profícua nestes dois aspectos. Primeiro a questão do BES. Muito para além dos clientes da instituição bancária a verdade é que todo o caso BES caiu que nem (...)
02.Nov.08

O que é Nacional

mparaujo
nem sempre é bom...O Governo prepara-se para "nacionalizar" o BPN (fonte TSF).Enquanto a faixa esquerda (por exemplo o PCP) rejubila de alegria por haver "mais Estado", é grave que esta situação tenha o "compadrio" do Governo, dos Partidos Políticos com assento (...)
07.Ago.08

Roubalheiras...

mparaujo
Nos espaços informativos das televisões foi noticiado que os assaltos às casas aumentaram cerca de 3,3%. Eu já comuniquei à PJ de Aveiro a minha lista de suspeitos... os do costume, aliás: Totta, CGD, BCP, BPI, Banif, Montepio, etc... E os "assaltos" são mensais e às claras...