Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

15.Jul.15

À terceira será de vez?

mparaujo
publicado na edição de hoje, 15 de julho, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos À terceira será de vez? Seis meses de conversações, de impasses sucessivos, de conjunturas diversas, foi demasiado tempo para que a solução encontrada para a crise grega seja tudo menos limpa, afável; bem pelo contrário, é uma enorme carga de austeridade, (...)
22.Jun.15

É agora...

mparaujo
ou talvez não. O que é significativo é o número de vezes, desde que o actual governo grego tomou posse e encetou negociações com a Troika (mudem-lhe o nome é rigorosamente a mesma coisa), que se lê nos jornais, na net, se vê nas televisões, se ouve na rádio: semana decisiva para a Grécia e a União Europeia/Euro. E semana decisiva após semana decisiva, tudo é adiado e não há acordo que valha a qualquer uma das partes. Hoje foi mais um dia: era o dia "D" para todos. Resultado? "Uma hora de reunião, a decisão de sempre: não há acordo para a Grécia (...)
10.Abr.15

da série... "temos os cofres cheios" - sumário

mparaujo
Com a aproximação do fim-de-semana, acrescido do augúrio de tempo incerto e instável, importa aproveitar a deixa da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, sobre a importância das almofadas e meditar sobre o assunto, para que a memória não seja curta. É já daqui a cerca de dois meses e meio que se regista o primeiro "aniversário" do fim (...)
05.Out.14

Caderno de Notas - Apontamentos III

mparaujo
Publicado na edição de hoje, 5 de outubro, do Diário de Aveiro Caderno de Notas Apontamentos III A semana em resumo (29 de setembro a 4 de outubro) 1. O poder de Costa Após a inquestionável e esmagadora vitória de António Costa nas primárias de domingo passado, o candidato socialista a primeiro-ministro e, eventualmente, a secretário-geral do partido, não perdeu tempo a movimentar as suas peças no xadrez político do PS. Com a anunciada candidatura de Álvaro Beleza (...)
21.Mai.14

não nos tomem por parvos (desemprego)

mparaujo
publicado na edição de hoje, 21 de maio, do Diário de Aveiro. (revisto e republicado) Debaixo dos Arcos Da série… não nos tomem por parvos (desemprego) A um Governante, ao caso o Primeiro-ministro, pede-se Honestidade e Verdade, entre outras características. Algo que em Passos Coelho se afigura difícil de encontrar, bastando, para tal, recordar o que foram as suas promessas eleitorais em 2011 [corrigo: anteior estava, erradamente 2001] e o que foi o resultado da sua (...)
18.Mai.14

Brindar a quê?

mparaujo
publicado na edição de hoje, 18 de maio, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Brindar a quê? Portugal chegou ao fim do processo de ajuda externa de resgate financeiro. Isso é um facto. A opção tomada (e imposta) foi a da chamada “saída limpa”, sem outro resgate ou qualquer programa cautelar. Mas também importa referir, a bem da verdade, que, por mais que o Governo queira fazer acreditar, tal realidade não significa um “adeus” à Troika, já que a monitorização e (...)
07.Mai.14

O algodão não engana

mparaujo
Publicado na edição de hoje, 7 de maio, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos O algodão não engana Este título espelha uma frase publicitária, bem conhecida dos portugueses, referente a um produto de limpeza. Mantendo a eficácia publicitária, a verdade é que o algodão continua a não enganar. De tal modo que ao passarmos o algodão por cima do anúncio, no passado domingo, proferido pelo Primeiro-ministro sobre o tipo de saída do memorando de ajuda externa a conclusão é uma: (...)
21.Abr.14

Vale a pena pensar nisto (#4)

mparaujo
A ler os outros... Andrea Diegues. Pela partilha fui dar de caras com este texto e este testemunho (por razões profissionais) da Andrea. Dei de caras... engoli em seco... contive o nó na garganta... e fiquei em silêncio. E um silêncio que incomoda cá dentro. E muito. Sim... porque às vezes o silêncio também compromete, também solidariza, também expressa. Mas também incomoda e tira-nos do (...)
07.Abr.14

Ainda as incongruências verbais.

mparaujo
A propósito do artigo publicado ontem, no Diário de Aveiro (“O país das incongruências”), não se pense que as incoerências verbais apenas se confinam ao contexto político-partidário. Nem por sombras. A sociedade, nomeadamente naqueles que têm responsabilidades públicas relevantes e reconhecidas, não é isenta, nem vazia, de incongruências discursivas. Ainda (...)
25.Mar.14

da série... não nos tomem por parvos.

mparaujo
É salutar que o Governo, a Assembleia da República, os partidos políticos, em função do reconhecimento da realidade possam, a determinada altura e em função das circunstância, alterarem os seus conceitos. É sabido que, principalmente em processos eleitorais, a demagogia é o prato forte do dia. Embora, infelizmente, ao fim de 40 anos de democracia, isso ainda aconteça. E mais infelizmente muitos de nós, cidadãos, ainda caírem nas tramas dessa demagogia. O que é inaceitável (...)
21.Fev.14

E esta gente governa-nos...

mparaujo
Isto é a sério??? Esta capa do JN da edição de hoje (21.02.2014) só pode ser "brincadeira de Carnaval"... Como é possível que alguém com responsabilidades políticas acrescidas (líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro) tenha uma afirmação destas: "A vida das pessoas não está melhor mas o país está muito melhor". Logo no arranque do 35º congresso (...)
08.Jan.14

As incoerências de Belém

mparaujo
publicado na edição de hoje, 8 de janeiro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos As incoerências de Belém O que mudou entre 2013 e 2014 para que Cavaco Silva promulgasse o Orçamento de Estado sem que o tenha enviado para fiscalização do Tribunal Constitucional? Nada. A não ser a incoerências políticas a que Cavaco Silva sempre nos habituou, desde que se sentou na cadeira do Palácio de Belém. Ainda em novembro último foi extremamente zeloso no envio para o Tribunal (...)
26.Dez.13

Ainda é Natal…

mparaujo
Publicado na edição de hoje, 26 de dezembro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Ainda é Natal… Tal como o ditado popular afirma que “até ao lavar dos cestos é vindima”, até aos Reis será Natal. Escrever o que quer que seja nesta altura do ano ou soa a demasiado “dejá vú”, a que se adicionam um conjunto de frases feitas e conceitos repetitivos, ou então será algo que sai completamente fora do contexto. No fundo, “preso por ter e por não ter”. Mas que seja. H (...)
19.Set.12

Remodelação para quê?

mparaujo
Hoje, depois da hecatombe vivida nestes últimos dias, é clara a evidência de que a política, os partidos e o próprio governo estão em crise. Já não é apenas e tão só o país em termos financeiros, económicos e sociais. Aliás, apesar das novas e recentes medidas de austeridade, com mais taxas ou menos impostos, a maior crise é a da democracia e a dos partidos políticos. E o primeiro sinal foi dado no passado sábado, com uma expressividade já há muitos anos não vivida e (...)
19.Set.12

Da Proa até à Ré

mparaujo
Em 2011, após a derrota eleitoral do então governo de José Sócrates, PSD e CDS entraram no mesmo barco governamental, fruto de horas de acordos e compromissos que resultaram na actual coligação governamental pós-eleitoral. E este “pós-eleitoral” não é de todo descabido, nem despropositado. Primeiro, porque é importante referir que os programas eleitorais com os quais os partidos se apresentaram a sufrágio eleitoral não são iguais. Basta relembrar, por exemplo, o (...)
16.Set.12

O "Um" e o "Outro"...

mparaujo
Publicado na edição de hoje, 16 de setembro, do Diário de Aveiro. Entre a Proa e a Ré O “Um” e o “Outro”… 1. Quatro minutos de vazio… Foi com alguma expectativa que aguardei a comunicação de António José Seguro (na passada quinta-feira, dia 13 de setembro) após toda a polémica e crítica em torno das recentes medidas e políticas do governo. António José Seguro usou cerca de quatro minutos (...)
14.Set.12

A austeridade partidária

mparaujo
No seio de toda a discussão sobre o caminho que o Governo delineou para a saída da crise e recentemente divulgado já aqui expressei a minha opinião sobre a vertente político-financeira e político-social. Falta referir um aspecto não menos importante, não tanto para a vida dos cidadãos mas para a vida política nacional: a vertente político-partidária. E a questão é simples: que consequências político-partidárias resultam desta quinta avaliação da Troika e das medidas (...)
13.Set.12

Comunicação governativa péssima

mparaujo
A entrevista que Pedro Passos Coelho concedeu hoje, 13 de setembro, à RTP foi um verdadeiro mau momento político e comunicacional. Primeiro, porque o país esperou mais de cinco dias (desde a comunicação ao país na passada sexta-feira) para ouvir explicações que deveriam ter sido dadas na altura. Isto apesar de continuar a achar que a comunicação de sexta-feira foi (...)
13.Set.12

Quatro minutos de vazio…

mparaujo
Foi com alguma expectativa que aguardei a comunicação de António José Seguro após toda a polémica e crítica em torno das recentes medidas e políticas do governo. António José Seguro usou cerca de quatro minutos do prime-time, em pleno horário informativo, para, afinal… não dizer nada. Ou pelo menos, não dizer nada de novo, nem de relevante. Quatro minutos… quatro pontos. Primeiro, anunciar o sentido de voto em relação a um Orçamento do Estado que nem sequer tem um (...)