Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

14.Jun.20

Statues Matter... ou como "A História Nunca pode ser Travada".

Vemos, Ouvimos e Lemos... não podemos ignorar.

mparaujo
(créditos da foto: Nuno Fox, Expresso) Se há momentos em que Sophia de Mello Breyner Andresen ganha um dimensão ainda maior do que a (merecidamente) tem, esses momentos são os de agora, os dos últimos acontecimentos e dias. Ressoam na memória partes do poema "Vemos, Ouvimos e Lemos" (penso que de janeiro de 1969), bem como uma "velha frase batida", com pelo menos 36 anos: «a história nunca pode ser travada" (MCE - Movimento Católico de Estudantes). Vemos, ouvimos e lemos Não (...)
06.Jun.20

Ou se desconfina ou não se desconfina

das incoerências pandémicas. Ou há moralidade...

mparaujo
O mesmo equivaleria a dizermos: "ou há moralidade ou comem todos". O que não faz sentido é a subjectividade do princípio ou a sua aplicabilidade conforme soprar o vento. A regra, definida pelo Governo e pela DGS, nesta terceira fase do desconfinamento determina a proibição da realização de actividades e iniciativas com uma concentração de pessoas superior a 20 (por exemplo, no exterior). Na conferência de imprensa de hoje, com todos os condicionalismo da ausência de valores (...)
16.Abr.20

Um lugar de destaque... com saudade.

mparaujo
A descoberta do autor foi (demasiado) tardia... há cerca de 14 anos (em 2006). A descoberta da sua escrita foi "amor à primeira vista", incondicionalmente. Até hoje, e espero que sempre, Luís Sepúlveda teve e tem um muito especial destaque na modesta biblioteca doméstica. De activista político, a jornalista, passando por realizador, fotógrafo e argumentista, seria como escritor, um excelente escritor, que deixou a sua marca na literatura mundial. Vai deixar um vazio enorme e uma (...)
02.Fev.20

SCULP, do Joaquim Pavão, a 5 dias da grande estreia

mparaujo
Com o argumento de Isabel Fernandes Pinto, a produção de Fugir do Medo - Associação Cultura (e a ajudinha conceptual do Gil Moreira), o "fifty-fifty" portuense/aveirense Joaquim Pavão concebeu e realizou: "SCULP - Os Sonhos". Os sonhos como experiência, a realidade como ausência... um projecto cinematográfico do Joaquim Pavão a partir de um desafio da Câmara Municipal de Santo Tirso e do acervo do Museu Internacional de Escultura Contemporânea, em Santo Tirso. A estreia (...)
19.Nov.19

Referências são Referências...

mparaujo
É um facto inquestionável que a cultura tem "ideologias" (assim... no plural). Apesar de niguém poder (ou dever) ser dono e proprietário da Cultura, a verdade é que a dinâmica cultural, nomeadamente a individual, é património da ideologia e concepção social do seu criador (músico, escritor, artistas plástico, actor, encenador, programador, whatever). Não há isenção concepcional na Cultura. Ela é o espelho e reflexo da individualidade. Mas neste contexto, goste-se ou não, (...)
15.Out.18

A cosmética política

mparaujo
No dia em que o Governo entrega na Assembleia da República a proposta do Orçamento de Estado para 2019, tomaram posse quatro novos Ministros: Defesa (João Gomes Cravinho), Saúde (Marta Temido), Economia (Siza Vieira) e Cultura (Graça Fonseca). E como diz (e suspeita) o povo... "isto anda tudo ligado". Vejamos... Porquê e para quê esta remodelação governamental? e ainda estão para vir os Secretários de Estado... Várias razões e nenhuma substância concreta... Excluindo o (...)
17.Jun.18

Je Suis "Rossio"...

mparaujo
e politicamente (in)correcto. Aveiro anda em "sobressalto", diga-se bastante agitada, por causa do Rossio (Aveiro). A uma semana do tema ter "honras de Estado" na próxima sessão da Assembleia Municipal importa "concordar em discordar". A passividade, a apatia, a falta de participação e intervenção cívicas, no dia-a-dia, nos "espaços públicos" ou nos momentos cruciais da vida comunitária e do país (seja no direito ao exercício do voto, seja nas simples sugestões ou contributos) (...)
06.Dez.17

projectos com "estórias"... Artes de Maior Idade

mparaujo
O tempo (a vida) traz, independentemente da intensidade e das vivências, o saber, a experiência, a tradição e muitas e muitas "estórias". Uma comunidade que não sabe aproveitar e promover este "tempo" não é estruturada no presente, nem saberá alicerçar o seu futuro de forma consistente. Não tem, nem deve, viver agarrada ao passado... até porque "águas passadas já não movem moinhos". Mas não pode, nem deve, deixar de valorizar a experiência, a tradição e o saber presentes (...)
29.Nov.17

E se fossemos ao Circo? Na Casa da Cultura de Ílhavo

mparaujo
As memórias infantis e juvenis ligadas ao circo transportam-nos para malabaristas e palhaços, trapezistas e domadores... entre contorcionistas e equilibristas. Mas o circo é muito mais que essas realidades do entretenimento. O Circo é... Arte. É criatividade, arte da rua, ocupação artística dos espaços públicos. É história da criação artística com mais de 4000 anos. Ou, se não quisermos regressar ao passado tão distante, pelo menos a partir dos anos do Império Romano, (...)
23.Nov.17

Regresso ao passado... das memórias

mparaujo
Não é preciso ter-se nascido há muitos anos para ainda haver a memória da ligação de Aveiro a Ílhavo pela travessia dos canaviais da Sacor em direcção à Barra, com acesso à praia através da ponte de madeira no Forte da Barra/Oudinot. Passados estes tempos de fraldas e calções, a ligação a Ílhavo e à Gafanha da Nazaré faz-se também das memórias longas e regulares com a Colónia Agrícola. Obviamente que a referência tem um contexto temporal bem recente, no pós 25 de (...)
18.Nov.17

Já para além das Bodas de Diamante... com muito mérito

mparaujo
O Dia Nacional do Mar (16 de novembro) foi, e ainda está ser, assinalado com um conjunto de acções no Museu Marítimo de Ílhavo, ao mesmo tempo que se encerraram as comemorações do 80º aniversário do Museu (8 de agosto de 1937 / 2017). Do conjunto de actividades programadas pela Autarquia e pelo Museu destaque para a visita guiada à exposição "Invisível" que estabeleceu uma ponte, um reflexo, entre as peças que suportam a exposição permanente e o que é o lado "invisível" (...)
11.Nov.17

E o povo é estúpido, claro

mparaujo
Não tem havido tema mais criticado e polémico na agenda de hoje, mesmo que no país haja, de facto, assuntos mais prementes (por exemplo, saúde e educação... lá iremos) Mas o facto é que muitos portugueses indignaram-se com a realização do jantar de encerramento da Web Summit 2017 que teve lugar, pasme-se, em pleno Panteão Nacional (na Igreja de Santa Engrácia) mesmo ao lado dos túmulos de Amália, Eusébio, Humberto Delgado, Aquilino Ribeiro, Óscar Carmona, Teófilo Braga, (...)
05.Nov.17

Das saudades e do respeito... sempre.

mparaujo
Com um abraço ao João Vieira... Dia 11 de maio de 1982 (tinha que ser maio, claro) é a data de registo do nascimento de um gafanhense / aveirense / cidadão do mundo / adoptivamente catalão (sem a conotação conjuntural actual). Seriam longas algumas histórias que a memória vai resguardando do tempo. O que interessa agora é uma em particular... em casa havia (penso que ainda há) um piano, mas (...)
26.Out.17

Quanto vale a história das "estórias"?

mparaujo
Não sei se alguma vez alguém conseguirá quantificar o valor da história no desenvolvimento das comunidades. Mas é mais que óbvio que cada comunidade, hoje, no presente, é estruturalmente aquilo que foi a sua história, o seu passado, e o peso que essa história representou no desenvolvimento e na consolidação social, cultural e económica. Não há presente, nem faz sentido projectar o futuro, sem que esteja bem vincada a memória do que foram as realidades passadas das gentes, (...)
17.Jul.17

RIP... Gaspar Albino

mparaujo
Teve um papel importantíssimo no sector marítimo e das pescas em Aveiro/Ílhavo. Mas foi pela sua filantropia, pelas suas ligações à sociedade aveirense e ao seu associativismo e, principalmente, pela sua estreitíssima relação com a Cultura (história, Teatro, edição literária, informação e Artes) que Gaspar Albino deixou uma marca de registo inquestionável em Aveiro. Faleceu ontem, a poucas semanas de completar 79 anos. Não tem sido um mês fácil (ainda há poucos dias (...)
11.Nov.16

So long... Mr. Cohen

mparaujo
Foi demasiado tempo... muito tempo mesmo. Mas foi do melhor tempo. Leonard Cohen não foi apenas um, entre uma elite, que se fixou na minha mais que modesta "musiteca". Para além de ter sido uma das principais referências foi também alguém que marcou a minha adolescência cultural e musical. Foram cerca de 35/36 anos (com início numas férias de verão (...)
20.Fev.16

A "rosa" secou... o "pêndulo" parou.

mparaujo
Nada é eterno. Nada é imortal. Mas o mundo ficou mais vazio e a nobreza do pensamento crítico mais pobre. Podia falar dos livros tão "históricos" como "O nome da rosa" ou o "Pêndulo de Foucault". Recordarei sempre Umberto Eco pela marca que deixou no meu percurso formativo (semiótica e comunicação), a par do "espaço público" de Jürgen Habermas (...)