Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

21.Jun.20

Vale a pena pensar nisto #07

Refugees lives matter... Dia Mundial do Refugiado. pessoas iguais a nós

mparaujo
(fonte da imagem: ACNUR/ONU) Há uma péssima "tradição" na sociedade portuguesa de argumentar contextos e realidades longínquas (violência, racismo e xenofobia, pobreza, migração, guerra, fome, direitos humanos) com dois infelizes e dispensáveis argumentos: "isso é lá longe, no país (terra) deles" ou, ainda, "preocupem-se é com as pessoas de cá". Mas mesmo em situações "à nossa porta", temos reacções semelhantes: fechamos os olhos à pobreza (lá damos um quilo de arroz (...)
29.Jan.20

Em política as palavras contam... e muito.

mparaujo
A proposta da (ainda) deputada do Livre na Assembleia da República, Joacine Katar Moreira, que prevê a devolução às antigas colónias portuguesas de património cultural e histórico que faz parte do acervo museológico nacional é, no mínimo, discutível e polémica. Mas isso não justifica, nem legitima, que, ao abrigo da impunidade parlamentar ou da suposta liberdade de expressão, se use uma retórica clara e inequivocamente xenófoba e racista. A ironia, ou, no caso, o completo (...)
29.Nov.17

Escravatura em pleno século XXI

mparaujo
(crédito da foto: Getty) Basta percorrer a página portuguesa da Aministia Internacional (deveria ser um hábito para todos) para percebermos que o Mundo tem permanentes conflitos que condicionam, atropelam e ofendem os mais básico, elementares e fundamentais Direitos Humanos. Conflitos que, infelizmente, passam longe dos holofotes do mediatismo, passam longe da "nossa porta", mas que merecem especial e cuidada atenção e acção: o desrespeito pela dignidade da vida humana (Farid (...)
09.Nov.17

Uma vida não tem preço... muito menos a de uma criança.

mparaujo
A solidariedade e a defesa dos direitos fundamentais e da dignidade humana de qualquer cidadão, por razões acrescidas quando se trata de crianças, não deve conhecer fronteiras nem distâncias. No Gana, bem no coração dessa África esquecida e explorada, os pais vendem os seus filhos por menos de 30 euros a traficantes que os revendem aos pescadores do Lago Volta. Estas crianças são obrigadas a trabalhar 14 horas por dia, 7 dias por semana, a troco de um único prato de mandioca. (...)
30.Dez.15

Oh Boaaaa…

mparaujo
publicado na edição de hoje, 30 de dezembro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Oh Boaaaa… A Assembleia da República aprovou uma alteração legislativa ao Código Penal que introduz o assédio sexual na moldura penal como crime, acrescentando ao comportamento indesejado de natureza sexual não-verbal ou físico a forma verbal. Neste sentido, o artigo (...)
22.Set.14

Em pleno sec. XXI mas na Idade da Pedra

mparaujo
A guerra traz-nos imagens e realidades cruéis. Facto. A fome traz-nos imagens e realidades que abominamos e dificilmente compreendemos face aos recursos que existem no mundo e nos países. Facto. A morte, por mais natural que seja, afigura-se-nos sempre “estúpida”. Facto. Portugal tem todas as potencialidades para ser um país exportador de serviços de inovação e tecnologia. Facto. O 25 de Abril de 74 trouxe-nos liberdade, democracia, mais educação, mais saúde, mais emprego (...)
23.Jan.14

Nojento! Asqueroso! Revoltante! Infame!

mparaujo
Venham os argumentos culturais, históricos, sociais, religiosos… Venha a complexidade do ser humano, o machismo, o feminismo… Venham os horrores da guerra, das contestações sociais violentas, das repressões policiais… Venham as tragédias da natureza, o “azar” dos acidentes, os desaparecimentos, os raptos… Venha tudo... Por mais que queiram, nada me conseguirá vergar perante aquele que é o maior crime de todos: o desprezo pela dignidade humana. Com uma referência (...)