Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

19.Jan.19

"Resgatar Sorrisos" para as crianças do Gana

mparaujo
Há cerca de dois ou três anos tive o primeiro contacto com a "causa", infelizmente mais uma, na defesa dos Direitos Humanos, concretamente dos Direitos das Crianças. A defesa dos direitos fundamentais e da dignidade humana de qualquer cidadão, por razões acrescidas quando se trata de crianças, não devem conhecer fronteiras, nem distâncias e, muito menos, indiferença. No Gana, bem no coração dessa África esquecida e explorada, os pais vendem os seus filhos por menos de 30 euros (...)
02.Nov.18

Infelizmente... não há coincidências nos Direitos Humanos

mparaujo
Mas há um turbilhão de sentimentos: revolta, solidariedade, impotência, comoção, choque, desassossego, (...). E há igualmente uma premissa que importa, desde já, destacar: não colhe o argumento "cá também há situações de..." ou "isso é lá longe, o que conta são os 'nossos'". Não! Não é assim... Primeiro, a vida, os direitos e a dignidade humana são universais e não conhecem fronteiras. Segundo, existem realidades e contextos bem distintos. Terceiro, a preocupação (...)
20.Nov.17

Para as Crianças... Pelas Crianças.

mparaujo
A 20 de Novembro de 1989 a ONU adoptou, por unanimidade, a a Convenção sobre os Direitos da Criança. É pena que essa unanimidade do plenário pouco se traduza na aplicação prática e concreta da Convenção. É pena que as nações e as comunidades se tenham esquecido que a assinatura da Convenção, ainda por cima por unanimidade, após ratificada, passa a constituir ordem jurídica. É pena que o dia-a-dia de muitas regiões do mundo não só esqueça como atropela permanentemente (...)
09.Nov.17

Uma vida não tem preço... muito menos a de uma criança.

mparaujo
A solidariedade e a defesa dos direitos fundamentais e da dignidade humana de qualquer cidadão, por razões acrescidas quando se trata de crianças, não deve conhecer fronteiras nem distâncias. No Gana, bem no coração dessa África esquecida e explorada, os pais vendem os seus filhos por menos de 30 euros a traficantes que os revendem aos pescadores do Lago Volta. Estas crianças são obrigadas a trabalhar 14 horas por dia, 7 dias por semana, a troco de um único prato de mandioca. (...)
20.Nov.15

Portugal melhorou os direitos das crianças

mparaujo
Nem de propósito ou, melhor, bem a propósito... Hoje assinala-se o Dia Internacional dos Direitos das Crianças em que se regista e celebra a aprovação da Declaração Universal dos Direitos das Crianças. E Portugal faz história. A Assembleia da República aprovou hoje a adopção de crianças por casais do mesmo sexo. N (...)
06.Set.15

O poder da imagem

mparaujo
publicado na edição de hoje, 6 de setembro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos O poder da imagem Ditam os cânones que uma imagem vale mais que mil palavras. Não tenho a certeza de tal rigor matemático mas afigura-se como certo que perante determinada imagem fica-se sem qualquer palavra e assola-nos um turbilhão de emoções e reacções, essas sim (...)
03.Ago.14

Virado do avesso

mparaujo
publicado na edição de hoje, 3 Agosto, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Virado do avesso A agenda mediática tem um duplo impacto. O primeiro tem a faculdade de focar a opinião pública num assunto/tema relevante no momento. O segundo tem o revés de desviar a atenção sobre outras realidades. Recordando o ditado: foca a árvore e esquece a floresta. O recente caso do BES tem essa vertente mediática. Sendo certo que o assunto é de relevante importância nacional, pelos (...)
01.Jun.14

Vale a pena pensar nisto (#5)... as Crianças

mparaujo
Entre as algazarras, as correrias, os jogos, as visitas a espaços temáticos, os balões e as gomas, os almoços familiares, etc., a verdade é que hoje, 1 de Junho, não é o Dia da Criança. Erradamente, a abreviação da efeméride cria, no senso comum e na opinião pública, a ilusão e a desvalorização do que verdadeiramente se comemora no dia 1 de Junho: O Dia Internacional dos Direitos da Criança. Algo bem diferente, parece-me… É bem verdade que o excesso de efemérides, dias (...)
31.Jan.14

Vale a pena pensar nisto (#1)

mparaujo
Segundo o Relatório da Unicef sobre a situação mundial da infância, divulgado recentemente, em 2012 morreram seis milhões e meio de crianças com menos de cinco anos, e 15% da população infantil está sujeito ao trabalho e à exploração. Mais ainda, ao fim de 25 anos sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança, a cada criança foi garantido (prometido) o direito a um nome e a uma identidade: cerca de 230 milhões de crianças menores de cinco anos nunca foram registadas. Oficialmente, essas crianças não existem (...)