Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

15.Abr.18

O défice é de Centeno e não se mexe

mparaujo
O Orçamento de Estado para este ano de 2018 previa um défice na ordem dos 1,1%. Mário Centeno, não querendo defraudar as expectativas geradas em torno das suas aptidões financeiras que o levaram até à liderança do Eurogrupo, convenceu PS e Governo (e pelos vistos também Rui Rio) a reverem, em baixa, o valor do défice orçamental de 2018. Na apresentação do Programa de Estabilidade e Crescimento 2018-2022, o ministro das Finanças fixava o valor do défice em 0,7% (...)
24.Set.15

E terem uma conversa com o Tsipras?

mparaujo
No passado domingo as eleições gregas ditaram, de novo, a vitória do Syrisa e a reeleição de Tsipras (com o apoio repetido dos nacionalistas de direita Gregos Independentes). Apesar de alguma polémica com as sondagens e a eventualidade de um empate técnico ou de uma hipotética vitória do Nova Democracia, era muito mais expectável a vitória do Syrisa. O que não se percebe é a leitura que a dirigente do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, faz dos resultados das eleições (...)
10.Mar.15

Onde param as palmas e os foguetes?

mparaujo
Quando o Governo de Passos Coelho implementou a "Factura da Sorte" choveram raios e coriscos sobre o tema: porque é transformar o contribuinte num fiscal das finanças; porque é invasão da vida privada; porque é enganar os contribuintes; porque a economia paralela comparada com o "grande capital" são peanuts; etc., etc., etc. Expressei, por (...)
25.Fev.15

O facilitismo da banalidade discursiva

mparaujo
publicado na edição de hoje, 25 de fevereiro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos O facilitismo da banalidade discursiva Em pleno processo negocial do programa de ajustamento financeiro à Grécia, são mais as polémicas e as movimentações paralelas do que o confronto de posições políticas entre a Alemanha, a União Europeia e o Governo grego. As mais recentes boçalidades políticas demagógicas vieram pela voz e intervenção do ex-primeiro ministro luxemburguês (...)
03.Fev.15

Afinal, nem pela metade

mparaujo
Os resultados das recentes eleições gregas criaram uma onda de efeitos sistémicos, em função de interesses e convicções diversas. Para uns, tudo não passou de demagogia eleitoral, de falta de percepção da realidade económico-financeira do país, de um "conto infantil".Para outros, as posições assumidas pelo Syriza, em plena campanha eleitoral e que o novo governo grego promete não abandonar (pelos vistos está apenas a negociar e a ser mais moderado), concretamente as que se (...)
01.Fev.15

A Europa vê-se ‘grega’…

mparaujo
publicado na edição de hoje, 1 de fevereiro, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos A Europa vê-se ‘grega’… As recentes eleições na Grécia têm marcado a agenda política nacional e internacional ou as discussões políticas mais ‘caseiras’. Os gregos, de forma legítima e democrática, marcaram a sua posição anti-austeridade e de oposição à Troika. Mas a posição da Grécia, o discurso radical do Syriza em matéria da dívida ou as afirmações e as opções (...)
27.Jan.15

Irá a montanha "parir um rato"?

mparaujo
Os recentes acontecimentos eleitorais gregos e os respectivos impactos têm surgido com uma extrema velocidade não muito vulgar quando se trata da "coisa política". No domingo, aguardavam-se com enorme expectativa os resultados finais. A vitória do Syriza era algo perfeitamente expectável, mas havia significativas dúvidas para saber se haveria, ou (...)
25.Jan.15

O rufar dos tambores no Olimpo....

mparaujo
A marca desta semana, independentemente de outros contextos relevantes (a venda PT aos franceses da Altice ou as mortes ocorridas, em esperas, nas urgências dos hospitais portugueses) é, inevitavelmente, o resultado eleitoral grego, com a vitória da extrema-esquerda do Syriza. Os gregos disseram Basta e bem alto... disseram-no à Troika, à União Europeia, ao (...)
21.Mai.14

não nos tomem por parvos (desemprego)

mparaujo
publicado na edição de hoje, 21 de maio, do Diário de Aveiro. (revisto e republicado) Debaixo dos Arcos Da série… não nos tomem por parvos (desemprego) A um Governante, ao caso o Primeiro-ministro, pede-se Honestidade e Verdade, entre outras características. Algo que em Passos Coelho se afigura difícil de encontrar, bastando, para tal, recordar o que foram as suas promessas eleitorais em 2011 [corrigo: anteior estava, erradamente 2001] e o que foi o resultado da sua (...)
18.Mai.14

Brindar a quê?

mparaujo
publicado na edição de hoje, 18 de maio, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Brindar a quê? Portugal chegou ao fim do processo de ajuda externa de resgate financeiro. Isso é um facto. A opção tomada (e imposta) foi a da chamada “saída limpa”, sem outro resgate ou qualquer programa cautelar. Mas também importa referir, a bem da verdade, que, por mais que o Governo queira fazer acreditar, tal realidade não significa um “adeus” à Troika, já que a monitorização e (...)
07.Mai.14

O algodão não engana

mparaujo
Publicado na edição de hoje, 7 de maio, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos O algodão não engana Este título espelha uma frase publicitária, bem conhecida dos portugueses, referente a um produto de limpeza. Mantendo a eficácia publicitária, a verdade é que o algodão continua a não enganar. De tal modo que ao passarmos o algodão por cima do anúncio, no passado domingo, proferido pelo Primeiro-ministro sobre o tipo de saída do memorando de ajuda externa a conclusão é uma: (...)
21.Abr.14

Vale a pena pensar nisto (#4)

mparaujo
A ler os outros... Andrea Diegues. Pela partilha fui dar de caras com este texto e este testemunho (por razões profissionais) da Andrea. Dei de caras... engoli em seco... contive o nó na garganta... e fiquei em silêncio. E um silêncio que incomoda cá dentro. E muito. Sim... porque às vezes o silêncio também compromete, também solidariza, também expressa. Mas também incomoda e tira-nos do (...)
16.Mar.14

Um manifesto à dívida.

mparaujo
publicado na edição de hoje, 16 de março, do Diário de Aveiro. Debaixo dos Arcos Um manifesto à dívida. Se William Shakespeare fosse vivo provavelmente “reestruturava” uma das suas mais emblemáticas expressões poéticas face à agenda política nacional, nestes dias mais recentes: “Reestruturar ou não reestruturar, eis a questão”. Isto para não irmos mais longe (...)
15.Mar.14

A ler os outros... uma terceira via.

mparaujo
A propósito do Manifesto da reestruturação da dívida e como antecipação do texto que será publicado na edição de amanhã do Diário de Aveiro. O Prof. Doutor Marques-Mendes apresenta, mesmo que sumariamente, uma alternativa (ou uma terceira via) quer à "birra" política de Passos Coelho, quer ao Manifesto: uma mudança de paradigma da gestão da dívida pública por iniciativa exclusivamente nacional. Haja vontade política... A ler... "Reestruturação da dívida pública: sim, não ou talvez?" (...)
13.Mar.14

A carta errada e os anti-manifesto

mparaujo
A propósito do Manifesto a defender a reestruturação da dívida portuguesa (“Manifestamente…”) têm surgido vozes, legitimamente, com posições opostas e críticas ao documento subscrito por 70 personalidades da sociedade portuguesa, das mais diversificadas convicções ideológicas, sociais e partidárias. Algo que representa, por si só e para além do contexto, um (...)
12.Mar.14

Manifestamente...

mparaujo
Se William Shakespeare fosse vivo provavelmente “reestruturava” uma das suas mais emblemáticas expressões poéticas face à agenda política nacional, nestes dias mais recentes: “Reestruturar ou não reestruturar, eis a questão”. Isto para não irmos mais longe e não cairmos na tentação fácil e radical do “pagar ou não pagar, eis a questão”. A verdade dos factos e da realidade (hoje) demonstram que a monstruosidade do valor da divida pública (com as novas regras (...)
21.Fev.14

E esta gente governa-nos...

mparaujo
Isto é a sério??? Esta capa do JN da edição de hoje (21.02.2014) só pode ser "brincadeira de Carnaval"... Como é possível que alguém com responsabilidades políticas acrescidas (líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro) tenha uma afirmação destas: "A vida das pessoas não está melhor mas o país está muito melhor". Logo no arranque do 35º congresso (...)