Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada".

07
Jan 14

Começa a ser viral, nas redes socias nacionais (facebook e twitter, pelo menos) a foto que aqui é mostrada.

Uns dizem que é Photoshop, outros dizem que é uma vergonha para o clube (SLB), outros dizem que o que é mostrado não reflecte a verdade (sendo que, neste caso, a verdade significa que não estavam a ser retirados os cachecóis mas sim a serem colocados, a pedido de um grupo de adeptos sportinguistas).
Eu acrescento… é-me completamente indiferente qual a verdade que a imagem pretende demonstrar.
Já não me é indiferente que, independentemente da verdade dos factos, a memória e o falecimento do Eusébio sirva para a intriga, o ataque, a calúnia e a polémica. Isso sim… é VERGONHOSO.
Mas é o país que temos…  e, nestes casos, merecemos.

publicado por mparaujo às 16:49

24
Mai 12

A "CAUSA" foi até à TVI...

Presença da Carla (e da Mariana), do Armando e do Vitor Branco no programa "A Tarde é Sua" da TVI, no dia 23 de maio.

"A Tarde é Sua: Concerto solidário"... Unidos com a Mariana.

E eu que tinha tanta vontade de estar lá no sábado...

publicado por mparaujo às 23:54

13
Mai 12

Muitas são as causas que, pelas mais diversificadas razões e áreas, proliferam no nosso dia-a-dia. Umas, felizmente poucas, duvidosas e falsas, muitas, infelizmente demasiadas, legitimas, dignas e nobres. A dimensão das causas que conhecemos, seja porque motivo for, levam.nos à necessida de tomarmos opções, sermos selectivos e criteriosos.

A minha selecção e opção estão feitas...

A Mariana tem 11 anos. É uma criança com sonhos e com um sorriso que derrete os nossos corações. A Mariana é portadora do síndrome de dravet ou epilepsia mioclónica grave do lactente, o que tem vindo a dificultar a sua mobilidade. A casa onde vive (com os pais e irmão) não tem elevador e subir até ao 3º andar tem vindo a revelar-se uma tarefa árdua. São cinquenta e seis degraus e sete lanços de escada que se revelam um verdadeiro obstáculo, sobretudo quando há necessidade de transportar a menina para casa, rapidamente, em caso de crise.

Porque queremos que a Mariana continue a sorrir, gostaríamos de ajudar os seus pais, Carla e Miguel, na aquisição de uma cadeira elevatória eléctrica, que será instalada no prédio, para permitir que a Mariana suba e desça até ao 3º andar com conforto e segurança.
O valor a pagar pela cadeira elevatória e sua instalação no prédio não se encontra ao alcance dos pais da Mariana. Por isso, criámos este movimento, Unidos com a Mariana, de forma a tornar acessível a aquisição da cadeira- Assim, no dia 26 de Maio, na Voz do Operário em Lisboa sobem ao palco os Espelho Mau, Susana Félix, Laurent Filipe, Massimo Cavalli, Miguel Máximo, António Raposo, Carlos Ruivo, Life Sound Choir; e também Pedro Giestas, Paulo Vasco, Miguel Correia,  Paula Neves e Fernanda Freitas.
O objectivo é um só: permitir que a Mariana sorria e que o caminho até casa seja rápido e confortável, para si e para os seus pais.
Esta é a minha causa. Porque a Mariana merece, (a Caral e o Miguel mercem pela incansável dedicação à filha, sempre com um sorriso e uma esperança no futuro que é contangiante)... Unidos com a Mariana. Por respeito, consideração, amizade e solidariedade.

 

publicado por mparaujo às 19:24

10
Set 11
Nós na Rede, um blogue JN, com assinatura da Daniela Espírito Santo, apresenta um breve retrato da rede social Twitter, nos dias de hoje.

 
 
publicado por mparaujo às 00:19

10
Ago 11
A ferro e fogo poderá ser uma das expressões que melhor identifica o cenário dantesco que se vive por terras de "Sua Majestade" e que, como muitos previam, já extravasou os limites da capital londrina.
Por mais que tente não consigo encontrar justificações para aqueles actos.
Não merecem o mínimo de respeito e de consideração por aquilo que fazem às suas cidades, às suas comunidades e à população inocente! Se não fossem cobardes e "assassinos" destapavam a cara! Tudo pelo simples "gozo" de ver tudo pilhado, danificado e a arder.
Mas não são totalmente isentos de responsabilidades o Governo e as forças policiais britânicos, pela tardia resposta e pela forma insípida como foi assegurada a segurança das pessoas e bens. Não se impunha um recolher obrigatório?! Não se impunha a presença dissuasora de mais reforços e da intervenção militar?! Ou isso é apenas para o terceiro mundo, independentemente das consequências?!
O Governo Inglês e a Polícia britânica nunca esperariam uma dimensão destas, por subvalorização dos acontecimentos e por acharem que estas coisas só acontecem nos outros países: os que são pobres, incultos, anti-democráticos, subdesenvolvidos, etc.
E, por outro lado, começa a ser preocupante que tenham de ser as próprias comunidades a assegurar a sua segurança e bem-estar, com os perigos de uma escalada de radicalismos, fanatismos e extremismos!
E nem se preocuparam em perceber a génese dos acontecimentos. Algo aliás que tem motivado os mais diversos diálogos, como o que tive, ontem, no Twitter com as colegas Daniela Espírito Santo e a Susana Martins.
Do "debate" saíram opiniões como as questões relacionadas com a disfunção geracional, a crise de valores e a ausência de referências, o reforço da democracia e da ligação dos partidos e dos políticos com os cidadãos, exclusão comunitária e social...
Como dizia a Daniela "chamem-lhes the iPhone generation, the internet generation, downloads, etc. Acho que é mais lost generation!", por não se sentirem parte de nada.
E o que mais deveria preocupar todos (cidadãos, comunidades locais, entidades como a escola, governos, etc) é que o fenómeno da criminalidade gratuita vai alastrar a muitos lados, face à realidade social, económica e política que vivemos.
E não se pense que não começou já... Veja-se os acontecimentos constantes na zona de Lisboa e a onda de assaltos no Algarve. Não é apenas o que arde ou o que é vandalizado que deve ser preocupante.

À parte, este comentário do jornalista do Público, Luciano Alvarez, é soberbo: "Não há por ai uma rede social que acabe com a matança na Siria ou com a fome no Corno de África?" (a propósito da explosão dos acontecimentos ter sido, também, programada nas redes sociais).

publicado por mparaujo às 16:54

18
Abr 10
Mesmo correndo o risco da extensão do texto, penso que vale a pena pela temática da discussão em causa.
Via Paulo Querido, no twitter e facebook, com a introdução do tema:
(Paulo Querido) "é engraçado porque os argumentos contra o acordo [ortográfico] são usados para o tentar impedir."

E a "discussão" começou...
Jorge Laiginhas
Paulo, essa coisa do acordo ortográfico, ou do desacordo passa ao lado da evolução da língua. É uma violência! Se leres a minha crónica aos domingos no JN verás o quando eu desacordo o acordo e, ao que sei, os leitores entendem-me. Deixem a língua caminhar...
Nuria Pons
Concordo com Jorge. O acordo é o desacordo da língua.
Filipe Guedes Ramos
O desacordo tem muito que se lhe diga... uma peça de lixo motivado por interesses económicos e políticos...
Temos de falar brasileiro para sermos competitivos? Será que é mesmo isso?
Quantas variações de inglês existem? E de francês? E de espanhol? Será que eles andam feitos parvos a fazer desacordos como nós?...
Enfim!...
Paulo Querido
Discordo de ambos e já o disse várias vezes. A língua não evolui por acordo, nem por contra-acordo. O que o acordo faz é proteger alguns interesses e tentar algumas experiências políticas. Ora, eu como autor só posso concordar com um maior entendimento editorial (porque é disso que trata o acordo, fundamentalmente) entre estes dois países. Dispenso-me de listar as razões ;)
Paulo Querido
Filipe, o argumento das variantes do Inglês não me diz nada. Há línguas sem unificação e outras com unificação.
Além disso, o acordo visa menos pormenores linguísticos e mais interesses editoriais. E protege o mais pequeno (Portugal). Se alguém devia ignorar o acordo, eram os brasileiros. Não nós.
Paulo Querido
Filipe, além do mais não posso deixar de olhar para o reacionários ao acordo senão com complacência. Não têm argumentos, mas emoções (muitas delas duvidosas, em meu entender), medos, um desejo de nada fazer... Caramba, não querem não adiram. Não somos obrigados por lei nem ninguém nos aponta uma arma para escrevermos segundo o acordo. Os erros são livres de dar. Sempre foram. Sempre existiram.
Miguel Pedro Araújo
Paulo Querido... neste caso, permita-me discordar de si. De facto a l... Ver maisíngua não evolui por acordo... e esse é que é o problema, porque estão a tentar evoluí-la por mero acordo. Não por razões lunguísticas (léxico, fonética) mas sim por questões (maior entendimento editorial) económicas. E será que com o acordo se vende mais livros portugueses no Brasil ou nos PALOPs?! E porque é que o acordo aproxima mais o "português" ao "brasileiro", e não ao contrário?! Qual é a língua mãe?!
Não vimos o Inglês (mesmo por razões editoriais) a fazer qualquer acordo como o "americano", "o canadiano" (com a excepção do "colonato francês"), o "australiano", o "neozelandês", etc, etc... ;)
Paulo, entendo a questão editorial mas... insisto: gostaria mais que a língua fizesse o seu caminho desacordada. Também sei que o acordo é sustentado por interesses económicos...
Filipe Guedes Ramos
Paulo, não é só o Inglês. Existem mais línguas nessa situação. E é um argumento tão válido e capaz como os seus.
CLARO! Foi o que eu disse! Mas que raio de pensamentos!!! A língua é dos seus falantes e não é pertence de interesses económicos/editoriais!!! Bonita lógica... fazer um acordo para favorecer editoras...
Protege Portugal? Como eu gostava que esse argumento não fosse falacioso... os brasileiros perdem o trema, e nós perdemos metade da grafia que influencia a fonia!! E somos protegidos??
Filipe, a língua não é nada dos falantes, ou dos escreventes, mas que coisa. A língua não é uma propriedade.
Porque não faz uma ILC para lhe devolverem o ph?!?
Miguel Pedro Araújo
Acresce ainda...
Mesmo nas questões editoriais que Paulo Querido refere, onde é que o acordo é relevante?!
Cá continuaremos a dizer "comboio" e no brasil "trem".
Cá temos o nosso "casaco" (do fato) e lá "palitó".
Cá o chocolate é (nalguns casos) "castanho", no brasil "marron"...... Ver mais
Isto aproxima editorialmente?!!!
A língua é dos falantes, dos escrevantes e é propriedade... enquanto for identidade histórica, social e cultural de um povo.
Nuria Pons
Paulo, entendo todas as necessidades deste acordo, como ponto econ... Ver maisômica, por questões que sejam editoriais etc e tal, porém, além de se colocar um entrave entre brasileiros e portugueses, que não entendem este acordo assim, somos sim, ao menos aqui no Brasil, obrigados a utilizar o acordo, portanto a Lei se fará cumprir e jovens ao caminho de Vestibulares *e aqui a coisa pega, terão de usar a língua que não é dela, que raios, adoro tremas! não poderei mais usá-los, é um exemplo entre tantos outros que já perdi as contas e, de verdade, era a última coisa que queria fazer, comprar gramáticas atualizadas da língua portuguesa. Desde além mar, não gostaria de haver de passar por isto agora.
Miguel, aproxima. As revisões das editoras que queiram (e possam) publicar nos 2 países terão em conta o que for de ter em conta. Fato e paletó (que continua em Portugal a ser usado), comboio e trem, castanho e marrom são sinónimos. Eu, que sou antigo (cumpro meio século este ano), não tenho a mínima dificuldade em percebê-los.
Filipe Guedes Ramos
Subscrevo a última resposta do Miguel Pedro Araújo. Disse exactamente aquilo que eu iria dizer.
Paulo Querido
Miguel, se é identidade histórica, social e cultural, como dizer que é propriedade? E porque razão tenho eu, nascido há 50 anos, mais direito à sua propriedade que os estrangeiros que morreram nesse ano tendo nascido a falar português?
Miguel Pedro Araújo
Mas Paulo... a mim, que ainda me faltar... Ver maisão 6 anos para o meio século :))), também não me custa entender... até porque tenho, por força de casamento, ligações familiares ao Brasil.
Mas nós não podemos servir de "bitola", nem de regra (quanto muito, de excepção à regra).
E o que tentei dizer é que este acordo não aproxima significados e significantes.
De tal modo que, ainda em recente visita a Portugal de familiares Brasileiros, os "desentendimentos" linguísticos" foram muitos... e não é este acordo que os anulará.
sinônimos em português além-mar, entendo seu sinónimo, sem precisar de acordo, quero usar de forma correta a minha fôrma...não poderei mais!! deixarei uma velha canção de Caetano Veloso em que ele diz o que que
"Gosta de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias... Ver mais
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa...
É isso aí, adoro roçar a língua de Luís de Camões com seus factos, sinónimos é rico demais, não gostaria de mudar nada de vocês que admiro e nada daquilo que também gosto, minha língua além-mar, simplesmente rocemos umas nas outras e festejar a diferença que é nossa riqueza.
Miguel Pedro Araújo
Paulo... peço desculpa mas só percebi a primeira questão. Como é propriedade a nacionalidade, por exemplo. Mas isto nada tem de "nacionalismo", "xenofobia" ou algo semelhante... estou a falar em identidade, sem excluir quem tem todo o gosto em ser português, mesmo não nascendo cá.
Como exemplo, não deixa de ser aveirense, quem nascendo em Lisboa, decide viver de "corpo e alma" os costumes, a história, os regionalismos, desta região. Mas por opção, aceita e adopta essa "identidade" aveirense.
E uma outra questão ("lenha para a fogueira")...
Não ouvi uma única referência, na questão da aproximação da língua entre os Países Lusófonos sobre uma realidade que teimosamente se tentar encobrir e aniquilar: onde fica, no meio disto tudo, o Mirandês que é, por força legal, a segunda língua oficial portuguesa?!
Paulo Querido
Phoda-se! (desculpem, não resisti, ehehehe) A ser propriedade de algum dos países em que é língua oficial, qual é o vosso critério para decidir a que povo o português afinal pertence?!?
Miguel Pedro Araújo
ah... essa é fácil... é o que estamos a tentar dizer-lhe, meu caro: a PORTUGAL!!!!
E a do Ph está bem "apanhada"...
Paulo Querido
Temos a antiguidade (Portugal). Temos a dimensão (Brasil). Temos a dedicação (Cabo Verde, entre outros). Temos o orgulho (Timor). Qual dos critérios vence a vossa corrida pela propriedade do português? Aceitais que dos 200 milhões de falantes nativos possam emergir meia dúzia de critérios diferentes do vosso? Ou não?
Claramente, o da antiguidade... n... Ver maisão me vai dizer que a língua portuguesa "nasceu" (e evoluiu) noutro lado que não aqui. Tal como o "inglês" não nasceu nos USA, Canadá ou Austrália...
Se aceito que possam emergir critérios diferentes?! Claro que sim... aliás, permita-me que use, de forma séria, os slogans: "todos diferentes, todos iguais" ou "igualdade, na diversidade".
Porque é que não podemos ter a língua portuguesa mãe (identitária do povo português) e as respectivas "variantes" dispersas pelos países que menciona e com as "identidades" que refere desses próprios países?! Claro que sim...
Paulo Querido
Miguel, claro que podemos ter diversidade. Mais; teremos cada vez mais diversidade, que não é eliminada por nenhum acordo de unificação. Nem é estimulada por nenhum acordo de promoção de diferenças ortográficas, já que falo nisso...
Não aceito o critério da antiguidade para a propriedade do português. A língua evoluiu. Se há acordos políticos a fazer em cima de uma língua, devem ser feitos pelos países que se interessem por eles.
Actualização
Miguel Pedro Araújo
Espero que não me leva a mal, mas tomei a liberdade de transcrever esta deliciosa discussão para o meu blogue. ;)
Paulo Querido
Miguel, não levo a mal, pelo contrário. Acho boa ideia. Vou ver e até ligar e promover no meu.
J Eduardo Brissos
"Por isso, a nossa Academia Galega, que não quer que a Galiza perca de novo o trem da história, apoia e promove o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, porque para nós significa a salvação da nossa língua, da língua dos galegos, da nossa cultura e do nosso pensamento."
Isabel Rei, representante da Academia Galega da Língua Portuguesa, na Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial em Brasília, Março 2010.
publicado por mparaujo às 00:01

18
Fev 10
Via Twitter (analuisa312)

Recessão é quando o teu vizinho perde o emprego.
Depressão é quando perdes o teu emprego.
E recuperação quando o Sócrates perder o emprego dele.
publicado por mparaujo às 21:45

19
Nov 09
Do Twitter, do dia 17 de Novembro de 2009. Entre mim e o ilustre Mobilizado.
A visão (ir)realista deste rectângulo...

mobilizado: Ainda há crise em Portugal ???

mparaujo @mobilizado: Assim mais ou menos... é coisa pouca... só para uns 550 mil portugueses, mais uns milhões que contam os euros ao fim do mês, mais uns milhares de jovens licenciados sem emprego, mais umas centenas largas de jovens jornalistas a "mando" da economia que controla o jornalismo. Enfim... nada de especial, mesmo!

mobilizado @mparaujo: Isso tem alguma importância ??? Isso é culpa do estrangeiro. Nós por cá temos gente perfeita a dirigir o rectângulo.

mparaujo @mobilizado: tem toda a razão. Cabeça a minha.... Já me esquecia que nada disto é culpa Lusa... Maldito TIO SAM!!!!

mparaujo @mobilizado: Bom... também é verdade que eu não vi nada (nem ESCUTEI)... Contaram-me. Se calhar é o diz-que-disse.

mparaujo @mobilizado: a única coisa que nos vai abalando são as "perseguições políticas", fruto de uns fulanos que têm gozo em pesquisar a vida alheia.

mobilizado @mparaujo: Malditos curiosos! Espiões ???

mparaujo @mobilizado: É gente sem qualquer escrúpulo... Só escutam, vasculham e estragam os negócios que movimentam a nossa economia. Depois queixam-se que há desemprego.

mobilizado @mparaujo: Velhos do Restelo. Rejeitam as novas e mais evoluídas formas de desenvolvimento sustentável.

mparaujo @mobilizado: Neste caso é mais Desenvolvimento Insustentável: desemprego, segurança social falida, reformas miséria, economia estagnada... Mas isto já nem é CRISE... é o fim... da crise. Para 2010 isto passa tudo. Quem vai sofrer é o Euromilhões. Já ninguém precisará.

mobilizado @mparaujo: ... e a banca ... e as entidades reguladoras ... e ... e... e ... e ...e ... Enfim coisas de somenos importância.

mobilizado @mparaujo: Mas Não estará para aí a ver fantasmas?!! Todos os indicadores são positivos. Dizem os gestores do rectângulo ... a gente não sente ...

mparaujo @mobilizado: Gente claramente culta e instruída. E sabem muito de números, percentagens e indicadores. Da realidade nem querem saber nem interessa saber... isso é coisa de plebe e de desempregado. Fantasmas, portanto!!!

mobilizado @mparaujo: Tá cá uma capacidade de imaginação!!! Isso não pode ser verdade…

mparaujo @mobilizado: Imaginação, como bem saberá é algo que aparece em pequenino e cresce com a idade adulta.

mobilizado @mparaujo: Já nos saiu o euromilhões ??? Como foi fácil "exterminar" 2 000 000 de pobres ... estes gestores são capazes dos maiores milagres.

mparaujo @mobilizado: sem dúvida... pelos vistos a imaginação fértil da tal realidade, pega-se.

mobilizado @mparaujo: A capacidade de imaginação do cidadão comum é incomparável nos Portugueses ... nos outros nem lhe digo nem lhe conto ...

mobilizado @mparaujo: Mas isso da realidade existe ???

mobilizado @mparaujo: Estamos a ir no caminho mais indicado ...

mparaujo @mobilizado: Essa faz-me lembrar a conhecida tirada futeboleira: estávamos à beira do abismo, mas demos um passo em frente!

"The End"
publicado por mparaujo às 20:59
Tags:

01
Set 09
Visão, on-line e através do twitter, da entrevista do Primeiro-Ministro, José Sócrates, à RTP 1 (hoje).
mparaujo: RT @AnaCatarinaSant: PM a falar sobre os erros que cometeu ("cometi imensos, imensos") é enternecedor...
mparaujo: RT @pauloferreira1: Coisas verdadeira/te importantes: branqueamento dos dentes superiores?
mparaujo: RT @RitaMarrafadeC: GRANDE JUDITE!!
mparaujo: Eh pá. Boicoteeee... desligaram o microoooo à Judite. Não há direito!
mparaujo: RT @ademarmarques: Só fico é sem perceber porque é que o PM não espera ganhar com 70% dos votos, neste país maravilhoso que deixa.
mparaujo: Mas só para os 18 anos.... RT @InesSerraLopes: O "inove social" e a "conta poupança futuro" são as primeiras decisões de José Sócrates.
mparaujo: RT @luispedronunes: Grande Sócrates: "A minha primeira? dou-lhe duas" se for assim no sexo...
mparaujo: RT @InesSerraLopes: Há uma escolha a fazer. Só há dois partidos que podem ganhar as eleições: PS ou PSD. Já fui tão claro quanto a isso...
mparaujo: AHHHHH Já chegaram os duzentos euros.....
mparaujo: PM quer discutir os problemas do país. Judite Sousa não deixa. Mas quando lhe faz alguma pergunta sobre o país... NICLES!!!!
mparaujo: RT @InesSerraLopes: José Sócrates, em grande forma - talvez se arrependa de dar tanta importância e tanto tempo de antena a MFL - mostra medo.
mparaujo: RT @RitaMarrafadeC: O olhar amenizou-se. Até sorri... estou surpreendida!!
mparaujo: Aiii... agora a Judite passou-se: "Olhos nos Olhos"?????
mparaujo: Quando é que vem a "pérola" dos 200 euros por cada nascido...???
mparaujo: RT @luispedronunes: DELICADEZA PORRA.
mparaujo: RT @JMF1957: "Não tivemos delicadeza com os professores" Iol, Iol
mparaujo: @AnaCatarinaSant RT @JMF1957: José Sócrates não responde às perguntas que lhe são feitas, para variar...
mparaujo: RT @P_S_G: Sócrates: alguns 'dos meus melhores amigos são juízes'!
mparaujo: Essa da redução do insucesso escolar é de morrer a rir. Confunde-se facilistismo, banalidade do ensino, com qualificação e mérito...
mparaujo: José Sócrates tem uma visão diferente da familia de MFL. Não é para procriar... é para receber dinehiro... apenas uma questão económica!
mparaujo: RT @CarlosLima7: socrates a citar o publico. o homem ta mesmo diferente.
mparaujo: @LucianoAlvarez :-)) Surpresaaaaaa, não é?! Afinal o Jornal é mesmo REFERÊNCIA. (a prpósito da exibição da notícia do jornal Público).
mparaujo: RT @LucianoAlvarez: José Sócrates com uma cópia de uma página do @Publico não mãos.
mparaujo: José Sócrates governa um país que não é o NOSSO PORTUGAL....
mparaujo: Pronto... lá vêm as queixinhas... E então se as coisas estão a melhorar, JS pede para governar nas dificuldades?!
mparaujo: Sócrates tem uma atitude diferente de Manuela Ferreira Leite... só não sabemos é se é melhor ou pior!
mparaujo: Ora... vamos lá ouvir... sem estragar o jantar que estava uma delícia (modéstia à parte).
mparaujo: @Lmalopes Vamos ver é se Judite de Sousa consegue manter o "apertanço" até ao fim...
publicado por mparaujo às 23:30

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
15
16
17
18
19

22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Siga-me
links