Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Debaixo dos Arcos

Espaço de encontro, tertúlia espontânea, diz-que-disse, fofoquice, críticas e louvores... É uma zona nobre de Aveiro, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre tudo e nada.

Yes... they did: make america (e o mundo) free again!

a América liberta-se, ganha novo fôlego e volta a respirar. E com ela... o mundo inteiro.

usa6.jpg

Declaração de Interesses: não tenho grande empatia (muito pouca, aliás) pelos Estados Unidos da América, quer do ponto de vista geopolítico, quer do ponto de vista social/sociedade. No entanto, como diz o ditado e face ao que o país representa no xadrez mundial... do mal o menos.

Havia quem tivesse ainda muitas esperanças no volte-face eleitoral e mantivesse o indesejável Donald Trump mais quatro dolorosos e penosos anos na Sala Oval da casa Branca.

Apesar de alguns ainda tentarem desvalorizar a vitória e a larga margem com que Joe Biden venceu as eleições norte-americanas (são, nesta altura, já 280 quando bastavam 270, num total de 538 para o Colégio Eleitoral - "grandes eleitores"), mantém a maioria (mesmo que mais reduzida) na Câmara dos Representantes e, neste momento, ao contrário do que era esperado, há um incerteza muito grande em relação ao Senado (que era Republicano/Trump) e que, neste momento, contempla um empate.

A maior votação de sempre nas eleições norte-americanas permitem que Joe Biden seja eleito Presidente com o maior número de votos de toda a história eleitoral, o que permite legitimar ainda mais a sua clara vitória.
Além disso, há ainda uma outra referência importante neste processo eleitoral... o Partido Democrata consegue fazer história ao colocar na Casa Branca a primeira mulher Vice-Presidente, a senadora Kamala Harris, que se afigura como o futuro do partido em 2024.

Joe-Biden-e-Kamala-Harris-em-campanha.jpeg

Mas estas eleições não são apenas importantes e relevantes para os Estados Unidos da América... são também para o Mundo que vê, finalmente, sair pela porta pequenina e dos fundos da Casa Branca um impreparado, um anti-democrata, uma bizarria na democracia americana e do mundo, lunático, narcisista, obcecado e abominável Presidente (um dos piores da história dos Estados Unidos) e muito do que o Partido Republicano representa: o extremismo, o ultra-conservadorismo e o fanatismo religioso (nomeadamente na vertente evangélica), o racismo e a xenofobia, a liberalização do uso de armas, entre outros.

Make America Free and Respectable Again!